O ‘Grande Reinício’ e o risco do grande intervencionismo

Devemos sempre nos preocupar com ideias bem intencionadas quando os primeiros a abraçá-las são aqueles que são contra a liberdade e a competição

Por Daniel Lacalle

A dívida global deve atingir o recorde de US$ 277 trilhões até o final de 2020, de acordo com o Instituto de Finanças Internacionais.

A dívida total dos mercados desenvolvidos – governamental, empresarial e doméstico – aumentou para 432% do PIB no terceiro trimestre. A proporção da dívida em relação ao PIB para os mercados emergentes também aumentou para quase 250 por cento no mesmo período, com a proporção da China atingindo 335 por cento e deverá atingir cerca de 365 por cento do PIB global para todo o ano.

A maior parte desse aumento maciço de US$ 15 trilhões em um ano vem de respostas governamentais e corporativas à pandemia. No entanto, devemos lembrar que o valor da dívida total já havia atingido máximos recordes em 2019 antes de qualquer pandemia e em um período de crescimento.

O principal problema é que a maior parte dessa dívida é improdutiva. Os governos estão usando o espaço fiscal sem precedentes para perpetuar os gastos atuais inchados, que não geram nenhum retorno econômico real, então o resultado provável será que a dívida continuará a aumentar após o fim da crise pandêmica, e que o nível de crescimento e produtividade alcançado não seja suficiente para reduzir os encargos financeiros das contas públicas.

O Grande Reinício

Nesse contexto, o Fórum Econômico Mundial apresentou um roteiro para o que foi chamado de “O Grande Reinício”. É um plano que visa aproveitar a oportunidade atual para “moldar o reinício” e “ajudar a informar todos aqueles que determinam o estado futuro das relações globais, a direção das economias nacionais, as prioridades das sociedades, a natureza dos modelos de negócios e a gestão de um bem comum global”.

De acordo com o Fórum Econômico Mundial, o mundo também deve se adaptar à realidade atual “direcionando o mercado para resultados mais justos …, garantir que os investimentos promovam objetivos comuns, como igualdade e sustentabilidade …, [e] aproveitar as inovações da Quarta Revolução Industrial para apoiar o bem público”.

Esses objetivos são obviamente compartilhados por todos nós, e a realidade mostra que o setor privado já está implementando essas ideias, pois vemos tecnologia, investimentos renováveis ​​e planos de sustentabilidade prosperando em todo o mundo.

Estamos testemunhando em tempo real a prova de que as empresas se adaptam rapidamente e fornecem melhores produtos e serviços a preços acessíveis para todos, alcançando um nível de progresso nas metas ambientais e de bem-estar que seria impensável se os governos estivessem no comando.

Esta crise mostra que o mundo escapou do risco de escassez e hiperinflação graças a um setor privado que superou todas as expectativas em uma crise aparentemente intransponível.

Perigo de intervencionismo

A mensagem geral do Fórum Econômico Mundial parece promissora. Existem apenas três palavras que estragam toda a mensagem positiva: “dirigir o mercado”. O risco de os governos aceitarem essas ideias para promover um intervencionismo massivo não é pequeno. A ideia do Grande Reinício foi rapidamente adotada pelas economias mais burocráticas e com intervenção do governo como validação da crescente intervenção governamental na economia. No entanto, isso está incorreto.

A ideia de que os governos promoverão um sistema econômico que reduza a inflação, melhore a competição e dê poder aos cidadãos é mais do que rebuscada. Como tal, o Fórum Econômico Mundial não pode ignorar o risco de intervenção do governo dentro desta ideia de uma Grande Reinicialização, que não precisa ser aplicada, pois já existe há anos.

Tecnologia, competição e mercados abertos farão mais pela sustentabilidade, bem-estar social e meio ambiente do que ação governamental, porque mesmo os governos mais bem-intencionados tentarão defender a qualquer custo três coisas que vão contra as mensagens bem-intencionadas do mundo Fórum Econômico: seus campeões nacionais, uma inflação em alta e mais controle da economia. Essas três coisas vão contra a ideia de um novo mundo com bens e serviços melhores e mais acessíveis para todos, com melhor bem-estar, menor desemprego e um setor privado próspero e de alta produtividade.

Devemos sempre nos preocupar com ideias bem intencionadas quando os primeiros a abraçá-las são aqueles que são contra a liberdade e a competição.

Eliminando a dívida

Há uma parte ainda mais obscura. Muitos intervencionistas acolheram esta proposta como uma oportunidade para liquidar a dívida. Tudo soa bem até entendermos o que realmente envolve.

Há um risco enorme de que os governos usem a desculpa de cancelar parte de sua dívida juntamente com a decisão de cancelar uma grande parte de nossas economias. Devemos lembrar que esta não é nem mesmo uma teoria da conspiração. A maioria dos proponentes da Teoria Monetária moderna começa sua premissa afirmando que os déficits do governo são correspondidos pela poupança das famílias e do setor privado, então não há problema. Bem, o único problema menor (observe a ironia) é combinar a dívida de uma com as economias de outra.

Se entendermos o sistema monetário global, entenderemos que apagar trilhões de dívidas governamentais também significaria apagar trilhões de economias dos cidadãos.

A ideia de um sistema mais sustentável, mais limpo e socioeconômico não é nova e não precisa que os governos a imponham. Está acontecendo enquanto falamos, graças à concorrência e à tecnologia. Os governos não devem ter permissão para reduzir e limitar a liberdade dos cidadãos, a poupança e os salários reais, mesmo para uma promessa bem intencionada.

A melhor maneira de garantir que governos ou grandes corporações não usem essa desculpa para eliminar a liberdade e os direitos individuais é promovendo mercados livres e mais competição. Os investimentos com visão de futuro e as ideias que aumentam o bem-estar não precisam ser estimulados ou impostos: os consumidores já estão fazendo com que empresas em todo o mundo implementem políticas cada vez mais sustentáveis ​​e ecológicas.

Esta abordagem orientada para o mercado é mais bem-sucedida do que deixar o risco de intervencionismo e intromissão do governo tomar conta, porque, uma vez que ela aconteça, será quase irreversível.

Se queremos um mundo mais sustentável, precisamos defender políticas monetárias sólidas e menos intervenção governamental. Os mercados livres, e não os governos, tornarão este mundo melhor para todos.

Daniel Lacalle, Ph.D., é economista-chefe do fundo de hedge Tressis e autor de “Freedom or Equality”, “Escape from the Central Bank Trap” e “Life in the Financial Markets”.

As opiniões expressas neste artigo são as impressões do autor e não refletem necessariamente as pontos de vista do Epoch Times.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas