O Festival de Meados de Outono e a Dama da Lua

O luar gracioso e Chang’e (Ziyou Huang/The Epoch Times)

O Festival de Meados de Outono é um dos festivais mais importantes na China. Ele é comemorado no dia 15 do oitavo mês do calendário lunar chinês, quando a lua está normalmente em sua plenitude e mais redonda. Este dia também é considerado um festival da colheita, pois as frutas, vegetais e grãos são colhidos no momento. Existem muitas belas lendas sobre a lua na China. A história de Chang’e, a dama da lua, é a mais popular.

Há muito, muito tempo, havia um casal jovem e feliz que vivia perto das Montanhas Kunlun. O homem era chamado Houyi e sua linda esposa Chang’e. Ambos eram muito bondosos e amados pelos aldeões.

Um dia, uma Bodhisattva (divindade) passou e deu a Houyi e Chang’e o elixir da imortalidade como recompensa por uma vida de caridade. Ela disse que o elixir lhes daria vida eterna. O casal ficou muito feliz com o prêmio e decidiu beber junto o elixir no dia 15 do oitavo mês lunar, quando a lua estivesse cheia e brilhante.

Enquanto eles festejavam aquele dia, nove abutres subiram ao céu e se transformaram em sóis escaldantes. Dez sóis queimavam tenazmente no céu como vulcões fumegantes. As árvores e grama foram queimadas. A terra rachou e ressecou e os rios secaram. Muitas pessoas morreram de fome e sede.

Chang’e ficou com medo e quis deixar a Terra com seu marido imediatamente. Ela bebeu metade do elixir e, quando estendeu a mão para entregar o restante a Houyi, o frasco caiu no chão e derramou.

Houyi, apesar de profundamente triste, viu sua determinação reacender com a visão das pessoas que sofriam. Ele pegou seu arco vermelho e setas brancas e derrubou nove sóis, um após o outro. O clima imediatamente arrefeceu, fortes chuvas encheram os rios com água fresca e a grama e as árvores verdejaram. A vida tinha sido restaurada e a humanidade foi salva.

Logo, o elixir começou a fazer efeito e Chang’e sentiu-se sendo elevada para o céu. Ela decidiu viver na lua, porque é mais próxima da Terra.

Houyi ficou muito triste enquanto observava Chang’e voando para a lua. Ele chamou seu nome em direção à Lua enquanto ela arredondava e brilhava. Ele correu para o quintal e colocou alguma comida que Chang’e amava e um pouco de incenso numa mesa para mostrar seu amor por Chang’e.

Embora Chang’e viva na lua, seu coração permanece no mundo dos mortais. Ela nunca esqueceu o profundo amor que sente por Houyi. Tradicionalmente, muitas pessoas juntam-se a Houyi para enviar bênçãos a Chang’e todos os anos no dia 15 do oitavo mês.

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas