O engano sobre as bebidas dietéticas

Em busca de uma saúde melhor, muitas pessoas foram convencidas pela publicidade e a mídia a fazerem o controle do açúcar que ingerem consumindo adoçantes artificiais. Embora a redução ou eliminação do açúcar seja, sem dúvida, uma boa decisão para a saúde, não está claro se a substituição por adoçantes artificiais proporciona qualquer melhora.

Agora, um novo estudo canadense em grande escala descobriu o lado amargo dos edulcorantes ou adoçantes artificiais.

A revisão sistemática e a meta-análise analisaram os dados de 30 estudos que seguiram 405.907 pessoas, sendo sete estudos controlados envolvendo 1003 pessoas. Os resultados não foram bons. Nos estudos controlados, os edulcorantes artificiais não apresentaram qualquer benefício significativo para o índice de massa corporal. Nos 30 estudos, que acompanharam as pessoas por uma média de 10 anos, os edulcorantes artificiais levaram realmente a um aumento no índice de massa corporal. Ou seja, os alimentos e bebidas comercializados para perda de peso provocaram maior ganho de peso.

E enquanto os estudos controlados não encontraram qualquer efeito em outras medidas de saúde, positivas ou negativas, os estudos de acompanhamento das pessoas descobriram que os adoçantes artificiais estão associados com aumentos de peso, circunferência da cintura, obesidade, pressão alta, eventos cardiovasculares, síndrome metabólica e diabetes Tipo 2.

Este estudo, publicado no Canadian Medical Association Journal (CMAJ), fornece evidências de que os edulcorantes artificiais não oferecem os benefícios pretendidos e, pior ainda, podem aumentar o risco de obesidade, doenças cardiovasculares e diabetes.

Esta pesquisa também pode explicar a conclusão perturbadora de uma série de estudos que dizem que as pessoas que mudam para refrigerantes adoçados artificialmente com as melhores intenções de saúde podem estar sendo induzidas ao erro: eles realmente estão aumentando o risco de ganho de peso e não recebem qualquer benefício mudando de refrigerante normal para os adoçados artificialmente quando se trata de doença.

Refrigerantes e dieta

Presumivelmente, todo o raciocínio para se criar refrigerantes dietéticos é que eles seriam melhores para a perda de peso do que os refrigerantes regulares; daí o nome. Mas a pesquisa parece desacreditar esta lógica e remove a justificativa para se comercializar refrigerantes dietéticos.

Os pesquisadores acompanharam 749 pessoas com mais de 65 anos por 9,4 anos. Para sua surpresa, eles descobriram que aqueles que bebiam um refrigerante dietético diariamente adicionaram cerca de 3,04 centímetros de circunferência na cintura, enquanto os que bebiam ocasionalmente adicionaram 1,76 cm e as pessoas que nunca beberam refrigerantes dietéticos adicionaram apenas 0,77 cm. As pessoas que consumiram bebidas com açúcares adicionados não tiveram ganho de cintura. Os pesquisadores julgaram esses resultados “impressionantes”. Os centímetros adicionados às cinturas eram dependentes da dose e significativos.

Este estudo, publicado no Journal of the American Geriatric Society, talvez não seja a última palavra. Pode haver outras razões por que os bebedores de refrigerantes dietéticos tenham adicionado mais largura a suas cinturas. Pode ser, por exemplo, que as pessoas que já estejam lutando com o ganho de peso sejam mais propensas a escolher refrigerantes dietéticos. Os pesquisadores, no entanto, controlaram alguns fatores de aumento de peso, como atividade física e diabetes.

Os edulcorantes artificiais em refrigerantes podem aumentar o peso estimulando os receptores de gosto doce, o que poderia aumentar o apetite, especialmente para alimentos doces. Uma revisão sistemática de 18 estudos observacionais publicados no International Journal of Pediatric Obesity descobriu que as bebidas artificialmente adoçadas aumentam o índice de massa corporal em crianças. Uma meta-análise separada encontrou o mesmo resultado em nove estudos observacionais com adultos.

Esta meta-análise encontrou reduções modestas no peso e no índice de massa corporal em estudos controlados. Estudos controlados chegaram a resultados mistos, mas sofreram com limitações metodológicas e viés de publicação. Como vimos na recente revisão sistemática e meta-análise do CMAJ, em estudos controlados, os edulcorantes artificiais não apresentaram qualquer benefício significativo para o índice de massa corporal.

Refrigerantes dietéticos e diabetes

Outra razão para escolher refrigerantes dietéticos é que as pessoas pensam que eles são melhores para administrar o açúcar no sangue. Mas pesquisas mostram que consumir os adoçantes artificiais comumente usados ​​leva ao desenvolvimento de intolerância à glicose, possivelmente ao se afetar negativamente as bactérias intestinais.

Isso significa que, em vez de ajudar a prevenir o diabetes, os edulcorantes artificiais em refrigerantes dietéticos podem realmente promovê-lo, levando ao desenvolvimento de intolerância à glicose em pessoas saudáveis, de acordo com pesquisas publicadas na revista Nature.

Refrigerantes dietéticos e doenças renais

Quando os pesquisadores descobriram que beber dois ou mais refrigerantes por dia duplica o risco de doença renal crônica, eles também descobriram que não fazia diferença se era refrigerante comum ou dietético.

Refrigerantes dietéticos e osteoporose

Sabe-se que os refrigerantes causam osteoporose. O que é menos conhecido é que uma pesquisa publicada no American Journal of Clinical Nutrition descobriu que as mulheres que bebem refrigerante diariamente têm densidade mineral óssea significativamente menor e também descobriu que os resultados não eram melhores para as mulheres que escolheram refrigerantes dietéticos.

Refrigerantes dietéticos e doença cardíaca

Um estudo também demonstrou que as pessoas que bebem refrigerantes dietéticos diariamente têm um risco 43% maior de um infarto ou evento cardiovascular, como um ataque cardíaco. Estranhamente, este estudo identificou risco apenas para refrigerantes dietéticos: não houve associação entre refrigerantes regulares e eventos cardiovasculares (J Gen Intern Med 2012; 27 (9): 1120-6). Um segundo estudo, porém, identificou risco aumentado para ambos. Este estudo maciço descobriu que beber um ou mais refrigerantes por dia, sejam eles adoçados com açúcar ou edulcorantes artificiais, aumenta o risco de infarto em 16%, um valor significativo (Am J Clin Nutr2012; 95: 1190-99).

Uma revisão sistemática e meta-análise de dezessete estudos observacionais descobriram um risco aumentado de 8% no risco de infarto com bebidas adoçadas artificialmente. Quando as pessoas que beberam mais foram comparadas às pessoas que beberam menos foi observado um aumento de 14% no risco de infarto e um aumento de 44% no risco de eventos vasculares (Int J Clin Pract 2016; 70(10):791-805).

Diante desses resultados, parece que os refrigerantes dietéticos são na verdade apenas uma manobra de marketing para continuar a ganhar dinheiro em detrimento da saúde das pessoas que estão tentando ser saudáveis.

Linda Woolven e Ted Snider são autores de vários livros sobre saúde e do boletim The Natural Path. Este artigo foi originalmente publicado no GreenMedinfo.com

 
Matérias Relacionadas