Comunismo almeja destruir famílias por meio de discórdias dentro de casa

Do ponto de vista do taoísmo, ambos os elementos contêm o outro, mas ambos têm domínio dentro de seus respectivos reinos

Por Equipe do Epoch Times

Entre os objetivos do comunismo, de acordo com “O Manifesto Comunista”, é que ele “abole as verdades eternas, abole toda religião e toda moralidade”. A família “desaparecerá naturalmente”. Então, por que o comunismo iria querer destruir esses valores e tradições, especialmente a família?

Para entender isso, precisamos entender a natureza das visões tradicionais sobre hierarquia, bem como o que constitui uma sociedade, e como o comunismo visa usurpar esses sistemas.

Em culturas tradicionais, havia diferentes níveis de poder dentro de uma sociedade. Na China antiga, dizia-se que o povo segue o imperador e o imperador segue o céu. A forma mais baixa de governo era o magistrado do condado e, abaixo dele, organizações fraternas e famílias.

O comunismo visa subverter todas as instituições para tomar o controle delas e reunir todo o poder para si. Quando se trata da família, o comunismo visa destruí-la para tomar o controle do nível mais baixo da ordem social. E destruir a família promove outros objetivos do comunismo: erradicar a moralidade, as tradições e as crenças religiosas.

Depois de ganhar o controle do governo, o comunismo quer destruir a família para voltar toda a lealdade ao Partido Comunista. Para isso, cria vários movimentos sociais que lutam pela destruição do casamento, incitando assim a luta entre homens e mulheres e incitando os filhos a se rebelarem contra os pais.

Isso vai na direção oposta aos valores tradicionais, que incentivam a gentileza e enfatizam a importância da família. Confúcio ensinou que “toda bondade começa com piedade filial”, e uma vez declarou: “A piedade filial e o amor fraternal não são as raízes da benevolência?”.

Para subverter a família, o comunismo coloca as crianças contra suas mães e pais. Ele pressiona para tirar as crianças do controle da família e colocá-las sob sistemas educacionais controlados pelo Estado. Assim, a mãe não tem mais controle sobre seus filhos, não mais repassa a cultura da sociedade para seus filhos, e não mais ensina seus filhos como tem sido feito na sociedade há milhares de anos.

Então o comunismo também vira a mãe contra o pai. Ao colocar as mulheres contra os homens, é capaz de destruir a família. Uma vez que a casa é destruída, a família está desfeita. A criança muitas vezes perde um dos pais e começa a agir de acordo com a situação, e o sistema comunista então assume o controle.

O comunismo conduziu as mulheres por este caminho de acreditar que os homens são uma força maligna contra a qual lutar. Fez isso enquadrando as virtudes femininas tradicionais como sendo impostas às mulheres pelos homens e, portanto, como coisas que deveriam ser combatidas. Dessa forma, o feminismo é muito mais uma ideologia anti-mulheres. Argumenta que as virtudes femininas são más e que o caminho certo para as mulheres é lutar contra os homens a fim de apoderar-se dos domínios tradicionais dos homens.

Enquanto isso, o papel que as mulheres antes desempenhavam na sociedade foi amplamente abandonado e substituído pela educação estatal, dietas nocivas e estilos de vida descartáveis.

O feminismo se apega a questões às vezes legítimas, como respeitar as mulheres, mas na realidade, ele pratica o oposto do que prega. Ele se opõe às virtudes femininas, aos papéis tradicionais das mulheres e à força interior e sabedoria gentil que as mulheres outrora possuíam e sabiam exercer.

Os homens no passado costumavam respeitar as mulheres por sua gentileza, beleza, pureza, sabedoria e paciência, da mesma forma que as mulheres respeitavam os homens por sua força, solidez de caráter, determinação e realizações na sociedade em geral. No passado, as mulheres entendiam que ajudar os maridos a ter sucesso no mundo também enriquecia suas próprias vidas.

No antigo livro chinês “Instrução para Mulheres e Meninas Chinesas”, Lady Tsao escreveu que entre uma esposa e seu marido, “se ele é rico, você é rica; se ele é pobre, você também é pobre—na vida, vocês são um”. Ela ensinou que homens e mulheres compartilham as tristezas e alegrias de sua casa.

E enquanto as mulheres eram respeitadas por valores que incluíam gentileza, beleza e pureza, o feminismo as ensinou a ser o oposto. Diz-lhes que devem ser impuras, que não devem parecer bonitas e que fazer isso seria seguir um arquétipo de orientação masculina—que o “patriarcado” está fazendo com que sejam assim. Tenta convencer as mulheres mentalmente a se rebelarem contra sua própria natureza interior.

Nas culturas tradicionais, entendia-se que homens e mulheres têm poderes diferentes. Parte do conceito de yin e yang é a divisão entre gentileza e força. O poder de uma mulher está na gentileza e o poder de um homem está na força. Por meio das influências do comunismo, muitas mulheres hoje perderam o contato com o poder da gentileza, e muitos homens só entendem a força em um nível superficial.

Se entendermos a natureza dos homens e mulheres dos sistemas ocidentais, a mulher era considerada o ser interior e o homem era considerado o ser exterior. Isso é mais profundo do que apenas a ideia de mulheres dentro de casa e homens fora de casa. A mulher era o senhor do mundo interno, enquanto o homem era o senhor do mundo externo. Do ponto de vista do taoísmo, ambos os elementos contêm o outro, mas ambos têm domínio dentro de seus respectivos reinos.

No passado, havia um senso de mistério e respeito entre homens e mulheres. É claro que sempre houve pessoas boas e pessoas más, e as sociedades passaram por estágios de ascensão e declínio. A moralidade tradicional sustentava o respeito entre homens e mulheres. Esse respeito e harmonia deram estabilidade à estrutura familiar, deram um bom exemplo para os filhos, lançaram as bases para o respeito ao próximo e ajudaram a solidificar a sociedade em um maior respeito pela ordem moral.

O comunismo tentou acabar com tudo isso e fabricou movimentos sociais para enganar as pessoas para que se juntassem à sua comitiva de vitimização inescapável e ódio perpétuo. Seus objetivos reais são destruir a moral, a religião e a família. O que ele representa é o oposto dos valores tradicionais e retos que se baseavam no perdão, no amor mútuo, na harmonia entre homens e mulheres e no respeito duradouro.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Assista também:

 

 
Matérias Relacionadas