Brad Thor aborda a ameaça comunista chinesa em seu mais recente best-seller

Por Zachary D. Warner

O que distingue um bom thriller dos melhores? Brad Thor.

Um crítico o aclamou como o “rei indiscutível do gênero”. Certa vez, um crítico comentou: “Ninguém escreve um thriller melhor do que Brad Thor”. Ele é o autor da série extremamente popular de Scot Harvath, que se tornou um best-seller, incluindo seu recente thriller “Black Ice”.

O que separa a obra deste autor do resto do gênero? É incrível como um romance de Brad Thor não é apenas uma divertida obra de ficção, mas também uma previsão para as notícias de amanhã.

Ele sempre escreve histórias convincentes, e sua dedicação em basear seus romances em eventos do mundo real, apoiada por uma pesquisa meticulosa com um olho para os detalhes, é incomparável. Ele até participou como observador de uma missão de operações secretas dos EUA no Afeganistão para tornar seus romances o mais realistas possível.

Sua dedicação ao realista levou o autor a se tornar uma figura de autoridade em questões de segurança nacional, e a mídia solicitou sua opinião sobre as ameaças que os Estados Unidos enfrentam.

Com “Black Ice”, Thor muda seu foco para a ameaça representada pela vasta ascensão do poder da China e sua busca para se tornar a superpotência dominante do mundo.

Neste 21º romance de sua série de suspense Scot Harvath, Thor leva o leitor a uma parte do mundo que poucos imaginariam como o cenário de uma intriga de espionagem que envolve as três maiores potências do mundo: as profundezas geladas da remota região do Círculo Ártico.

Por que a China e a Rússia de repente se uniram para atacar o Ártico? O que ele poderia ter enterrado profundamente na neve e no gelo que agora chama sua atenção? O sistema de defesa da América do Norte no Atlântico ficará comprometido? É uma aventura emocionante quando Harvath precisa descobrir e impedir qualquer ameaça à América.

Scot Harvath não é qualquer agente espião. É a arma secreta do presidente dos Estados Unidos, o agente da contra-espionagem convocado quando são necessárias medidas extraordinárias, possivelmente não sancionadas, para combater os malfeitores. Ela trabalha para uma operação privada supersecreta paralela à CIA, colaborando com ela, mas não oficialmente para ela (e o presidente), para garantir a negação. “The Real Book Spy”, uma publicação especializada em reportagens sobre romances de suspense e seus autores, apelidou o personagem de Thor, Scot Harvath, de “o herói favorito da América”.

Entrevistei Thor por telefone de sua casa em Nashville, Tennessee, sobre “Black Ice”, o que ele escreve e suas ideias sobre os eventos atuais.

Zachary Warner: “Black Ice” será visto por muitos como um aviso sobre as ambições globais da China. Podemos esperar que este seja um tema recorrente em seus próximos romances?

Brad Thor: Eu vou aonde as ameaças mais urgentes me levam. Meu objetivo, acima de tudo, é oferecer às pessoas uma viagem emocionante que as mantenha na ponta dos assentos. Se eu tiver sucesso, terei feito meu trabalho como artista. Se o público fecha o livro com um pouco mais de conhecimento, então fiz meu trabalho como americano. Cada livro é diferente, então não posso dizer como a China se comportará nos romances no futuro.

Warner: Quais são as medidas apropriadas que os Estados Unidos e a comunidade internacional podem tomar para responsabilizar o Partido Comunista Chinês pela disseminação do COVID-19?

Thor: Para responsabilizar o PCC, os Estados Unidos e a comunidade internacional devem ter fortes evidências. Pouco antes de conversarmos, descobrimos que a comunidade de inteligência foi capaz de obter um enorme catálogo de informações, incluindo os projetos genéticos das amostras de vírus, do laboratório de Wuhan, provavelmente graças a um hack dos servidores em nuvem que ele deveria ter usado no laboratório. No entanto, sua análise será um pesadelo, pois exigirá um enorme poder de computação e cientistas com as devidas autorizações de segurança que também falem mandarim. Se for comprovado que o vírus COVID-19 escapou do laboratório de Wuhan, o mundo pode começar a discutir as próximas etapas.

Warner: Quais são algumas das lições de segurança internacional aprendidas com COVID-19?

Thor: A primeira é que nossas cadeias de suprimentos são muito frágeis e dependemos muito da fabricação just-in-time da China. É uma grande ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos. De produtos farmacêuticos a semicondutores, precisamos de um projeto em Manhattan com o objetivo de trazer de volta a produção ao país e a fabricação de nossos produtos mais essenciais.

Warner: Em “Black Ice”, o leitor testemunha uma aliança incômoda entre a China e a Rússia. Exceto pela oposição aos Estados Unidos, como cada um se beneficia de uma maior colaboração com o outro? A aliança russo- chinesa é um elemento permanente no cenário internacional?

Thor: Na verdade, Pequim está cada vez mais perto de Moscou. Este é um casamento de conveniência estranho. Cada um tem coisas que o outro precisa. Mas, como a história mostra, as alianças têm maneiras de se desfazer e se romper.

Warner: Nosso foco internacional parece estar mudando para a China e o Pacífico. Que novos desafios o Partido Comunista Chinês representa para os Estados Unidos?

Thor: A China é um país onde o PCC não reconhece os direitos do indivíduo. Quando a liberdade individual não é promovida e protegida, é impossível que a criatividade floresça. E quando a criatividade não pode florescer, uma nação é incapaz de inovar. E quando uma nação é incapaz de inovar, ela estagna, especialmente em ciência e tecnologia. Isso deixa a nação com apenas um caminho: o roubo. Incapaz de avançar científica e tecnologicamente, a China deve roubar de nações mais livres, mais prósperas e mais avançadas como os Estados Unidos.

Portanto, a espionagem chinesa continua sendo uma séria ameaça aos Estados Unidos. A construção de falsas ilhas / atóis no Mar da China Meridional pela China, sua posição em relação a Taiwan e o risco imediato que representa para as outras nações da primeira cadeia de ilhas são ameaças constantes que devem ser observadas de perto.

Warner: A Chinese Belt and Road Initiative [BRI] (Iniciativa Um Cinturão Uma Rota) tem sido o assunto de importantes conversas estratégicas: alguns especialistas acreditam que terá implicações drásticas para a política externa dos Estados Unidos e seu papel no mundo; no entanto, o foco geralmente está nas nações em desenvolvimento. Qual é o futuro papel internacional dos países ocidentais desenvolvidos, como a Noruega, que poderia compartilhar mais semelhanças culturais com os Estados Unidos, mas que poderiam se beneficiar do investimento econômico chinês?

Thor: Quando se trata da China, não há almoço “grátis”. O BRI é a maneira do urso polar enfiar o nariz na sua barraca. Ele permite que a China imobilize os recursos de que necessita para seu crescimento contínuo. O outro lado da moeda do BRI é que ela fornece ao PCC um assento poderoso à mesa e influência sobre as nações que aceitam seu dinheiro, tanto em termos de política interna quanto externa.

Países como Canadá e Noruega viram as ações da China no Ártico pelo que são e pararam de vez com os chineses. Eles sabiamente disseram não à China que tentava comprar um lugar em suas mesas.

Quanto às nações ocidentais alinhadas culturalmente com os Estados Unidos e aceitem ou não os investimentos chineses, é preciso sempre lembrar que as condições sempre existem, mesmo que não sejam visíveis à primeira vista. Resumindo, vale a pena?

Warner: Qual é o maior obstáculo que o cidadão comum enfrenta para entender a política externa?

Thor: O maior obstáculo é o isolamento dos americanos. Se eles obtiverem todas as notícias dos grupos do Facebook, não terão o quadro completo e provavelmente serão um alvo fácil para desinformação.

Como seres humanos, estamos predispostos a funcionar em pequenos grupos ou tribos. Procuramos pessoas com ideias semelhantes na Internet. Mas o preço de permanecer em uma tribo digital é geralmente uma concordância total e absoluta com um determinado ponto de vista. Se todos pensam da mesma forma, isso é um problema. Além disso, atores estrangeiros malignos consideram essas tribos digitais propícias a campanhas de desinformação.

Eu como vegetais não porque gosto deles, mas porque sei que preciso deles. O mesmo pode ser dito sobre o consumo de mídia: você pode ter favoritos, mas deve ter uma dieta ampla e variada. Como representante responsável da República, é seu dever ser cidadão e estar o mais informado possível. Isso significa levantar a cabeça, quebrar a barreira do Facebook e consumir vários tipos de notícias e informações.

Warner: Qual é a sua opinião sobre a abordagem do atual governo em relação à segurança nacional?

Thor: Como acontece com todas as administrações, é um saco misturado. A retirada do Afeganistão é uma continuação da política de Trump. Acho que será um desastre absoluto para os afegãos, mas estamos lá há 20 anos. Podemos treinar um fuzileiro naval dos Estados Unidos em 13 semanas, mas depois de duas décadas, os militares afegãos não podem se defender sozinhos? Isso é um grande problema.

Cabul pode cair no final de setembro (se não antes). [Nota do editor: esta entrevista foi realizada antes da queda de Cabul] O que será o fim do jogo e, como eu disse, será terrível. Mas não é que tenhamos feito muito pouco, é que os afegãos não fizeram o suficiente. Liberdade e democracia não podem ser entregues a uma nação em uma bandeja de prata. Eles têm que querer isso mais do que tudo. Eles têm que estar dispostos a lutar, sangrar e morrer por isso. Acho que são tribais demais, fragmentados demais para que uma identidade nacional compartilhada seja a principal forma de se verem.

Culturalmente, os valores hierárquicos de “família, pessoas, tribo” são muito difíceis de quebrar. Poderíamos ter ficado mais 20 anos, possivelmente até 100, e ainda assim não teríamos sido capazes de influenciar essa identidade. É uma pena porque há muitas pessoas realmente boas no Afeganistão. Meu coração se parte especialmente pela vida para a qual mulheres e meninas serão forçadas a retornar. A única esperança que tenho é que, tendo experimentado a liberdade, talvez as sementes da liberdade tenham sido plantadas. Talvez eles se organizem e enfrentem o Talibã. O tempo o dirá.

Warner: Qual é o papel dos Estados Unidos no mundo?

Thor: Acho que o papel da América é ser aquela cidade brilhante em uma colina – um farol para todos verem; um exemplo do que pode ser feito quando o indivíduo é livre, é protegido perante a lei e persegue sua vida por meio da liberdade dentro da ordem e do senso de virtude cívica.

Warner: O que o mundo internacional perderá para os isolacionistas Estados Unidos da América?

Thor: Quando somos fortes e unidos em casa, podemos ser fortes e unidos (com nossos aliados) no exterior. Uma presença americana robusta e confiante no cenário mundial ajuda a garantir a paz e a prosperidade internacionais. Quando estamos fragmentados em casa e isolados dentro de nossas fronteiras, outros atores (certamente do mal) intervirão para preencher esse vazio. A natureza (e a liderança mundial) abomina o vácuo.

Warner: Como você equilibra a escrita de uma história que seja atraente para o leitor, mas também baseada na realidade?

Thor: Eu chamo o que faço de “facção”, onde você não sabe onde os fatos terminam e a ficção começa. Um dos maiores elogios que recebo é que muitos leitores adoram ler meus thrillers com seus laptops por perto para que possam pesquisar as coisas.

Quando eu planejo meus romances, quero um grande cenário da vida real como pano de fundo. Dou pontos extras ao palco se for algo que não recebe atenção suficiente da mídia. No caso de “Black Ice”, é sobre a incursão da China no Ártico e a ajuda da Rússia a se firmar.

Warner: Como você explica sua capacidade de escrever histórias que quase parecem algo saído do noticiário amanhã?

Thor: Sou um consumidor voraz de notícias. Estou sempre olhando as histórias e examinando-as de diferentes ângulos. Gosto de me perguntar: “E se acontecesse assim?” Ou: “E se, em vez disso, isso tivesse acontecido?”

Como escritor de suspense, meu trabalho é vencer as manchetes, então tento constantemente vasculhar o horizonte.

Warner: Qual conselho o ajudou mais como escritor?

Thor: “Você não pode esperar pela inspiração. Você tem que ir atrás dela com um clube ”, [por] Jack London.

Warner: Que conselho você daria a um novo escritor que deseja melhorar suas habilidades de escrita?

Thor: Leia. Leitura. Leitura. Você não pode ser um escritor médio decente sem ser um leitor apaixonado.

Warner: Você acha que há algo de Brad Thor em Scot Harvath?

Thor: Com certeza. Na verdade, digo às pessoas que ele é meu alter ego, assim como tenho certeza de que James Bond foi para Ian Fleming e Jack Ryan para Tom Clancy.

Warner: Cada peça da série Scot Harvath foi um grande best-seller. Como você consegue imaginar novos pontos da trama constantemente e transformá-los em um best-seller?

Thor: O segredo é encontrar algo que acontece no mundo real e que me surpreende. Isso se torna o combustível que alimenta minha escrita. Mais uma vez, meu objetivo é oferecer a você a melhor descarga de adrenalina que sou capaz. Se você fechar um de meus thrillers tendo uma aventura fantástica, fiz meu trabalho como autor. Se você encerrar com um pouco mais de conhecimento sobre qualquer coisa fascinante que está acontecendo no mundo, então fiz meu trabalho como americano.

Warner: Um dos principais temas de “Black Ice” é a possível vida de Scot Harvath como agente aposentado. O que isso indica aos leitores que podem interpretar isso como um sinal de que a jornada de Harvath chegará ao fim em breve?

Thor: Ele nunca será capaz de deixá-lo, essa é uma grande parte de sua luta. Ele adora sua carreira. É um chamado e você acredita profundamente nele. Não pode haver sonho americano sem aqueles que estão dispostos a protegê-lo. É mais difícil à medida que você envelhece, mas isso é algo com que todos nos identificamos.

Warner: O que vem por aí?

Thor: Atualmente, estou escrevendo o suspense para o próximo verão. Levará os leitores a uma parte do mundo sobre a qual nunca escrevi antes. Há algo fascinante, fervendo logo abaixo da superfície, do outro lado do globo. Era bom demais não basear um thriller nisso. Só espero poder terminar o livro antes que os eventos do mundo real estourem.

“Black Ice” de Brad Thor

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas