‘Assassinato comercializado’ na indústria de transplante de órgãos da China deve acabar, afirma oficial do Reino Unido

Por Frank Fang

Vários políticos de todo o mundo, em 19 de setembro, se revezaram em uma cúpula para condenar a prática contínua da China de matar prisioneiros de consciência a fim de impulsionar suas operações em escala industrial para fornecer órgãos extraídos para o mercado de transplantes.

“A doação de órgãos é um ato precioso para salvar uma vida, mas a extração forçada de órgãos é um assassinato comercializado e, sem dúvida, um dos piores crimes”, disse Lord Philip Hunt, membro do Parlamento do Reino Unido e ex-ministro da Saúde britânico.

Hunt fez os comentários no terceiro webinar da Cúpula Mundial sobre Combate e Prevenção da Extração Forçada de Órgãos. A cúpula, organizada por cinco ONGs, incluindo o grupo de defesa Médicos Contra a Colheita Forçada de Órgãos (DAFOH), começou em 17 de setembro e o próximo evento online será realizado em 24 de setembro.

“Espero que este evento inspire muitas pessoas ao redor do mundo a tomar medidas positivas contra esse crime”, disse Hunt.

A China tem sido um dos destinos preferidos para pessoas que precisam de transplante de órgãos devido à rapidez com que os hospitais chineses podem encontrar um órgão compatível – às vezes em dias ou semanas. A explicação de Pequim para seu aparentemente amplo suprimento de órgãos é que ele tem um sistema de doação voluntária de órgãos e há muitos doadores de órgãos registrados na China.

A narrativa da China foi desmascarada em 2019, quando um tribunal independente com sede em Londres, após uma investigação de um ano, revelou que a extração forçada de órgãos sancionada pelo estado ocorreu na China durante anos “em uma escala significativa”.

Além disso, o tribunal afirmou que era “certo” que os órgãos eram provenientes de adeptos do Falun Gong presos e eles eram “provavelmente a principal fonte”.

Epoch Times Photo
Os praticantes do Falun Gong participam de um desfile no Flushing, Nova Iorque, em 18 de abril de 2021, para comemorar o 22º aniversário do apelo pacífico de 25 de abril de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim. (Larry Dye / The Epoch Times)

Os adeptos do Falun Gong, uma prática espiritual também conhecida como Falun Dafa, têm sido alvos de perseguição pelo regime chinês desde julho de 1999. As alegações de extração forçada de órgãos de adeptos do Falun Gong detidos surgiram pela primeira vez em 2006.

Hunt apontou seu esforço para levar adiante uma nova legislação do Reino Unido, chamada Organ Tourism and Cadavers on Display Bill, que ele disse que garantiria que os cidadãos do Reino Unido “não pudessem viajar para países como a China para transplante de órgãos”.

Ele acrescentou que o projeto também “protegeria os cidadãos do Reino Unido da cumplicidade na extração forçada de órgãos”.

“Minha esperança de que [o projeto de lei] atue como um precedente para novas ações, tanto neste país [no Reino Unido] como em todo o mundo”, acrescentou Hunt.

Nos Estados Unidos, uma nova legislação foi apresentada no Senado (S.602) e na Câmara (H.R.1592) em março para combater a extração forçada de órgãos e o tráfico de pessoas. O projeto da Câmara conta atualmente com 31 copatrocinadores de ambos os partidos.

Se aprovado, autorizaria o governo dos EUA a negar ou revogar os passaportes de pessoas que se envolvem na compra ilegal de órgãos. Também proibiria a exportação dos EUA de dispositivos de cirurgia de transplante de órgãos para entidades estrangeiras associadas ao crime.

Legislação semelhante nos EUA foi apresentada na sessão anterior do Congresso em dezembro do ano passado.

“Apelo à UE, aos EUA e a todos os outros representantes e comunidades no mundo livre para que lutem pelos direitos humanos na China e acabem com o comércio ilegal e desumano de órgãos humanos de prisioneiros de consciência na China”, disse a legisladora sueca, Ann -Sofie Alm, no webinar no domingo.

André Gattolin, vice-presidente da Comissão de Relações Exteriores, Defesa e Forças Armadas do Senado da França, explicou durante o webinar que alguns políticos optaram pelo silêncio por causa das ameaças da China.

“Questionar a remoção forçada de órgãos na China é obviamente expor-se a negações mordazes e indignadas e, às vezes, até mesmo a ameaças de retaliação comercial ou política de Pequim”, disse Gattolin.

Gattolin acrescentou: “Daí a terrível‘ diplomacia do silêncio ’, que está longe de se limitar à França.”

O deputado americano Steve Chabot (R-Ohio) chamou a extração forçada de órgãos da China de “uma das práticas mais bárbaras da história humana” e alertou a audiência do webinar sobre um futuro sombrio se o Partido Comunista Chinês (PCC) pudesse exportar seus pontos de vista sobre os direitos humanos para o resto do mundo.

Ele disse: “Um mundo que está de acordo com os valores do PCC é um onde aqueles que não seguem a linha do partido podem ser colocados em um campo de concentração ou ter seus órgãos retirados.

“Essa é uma visão de um mundo em que ninguém quer viver. E essa é a visão do mundo contra o qual todos lutamos.”

 

 

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas