NuSTAR lança novo enfoque nos buracos negros

A luz refletida de buracos negros permite que astrônomos verifiquem quão rápido a matéria gira na região interna do disco e, finalmente, possam medir a velocidade de rotação do buraco negro (NASA/JPL-Caltech)

Cientistas norte-americanos usaram com sucesso um novo telescópio da NASA para ajudar na compreensão de como os buracos negros e galáxias evoluem. Utilizando dados obtidos pelo Telescope Espectroscópico Nuclear (NuSTAR) e pelo satélite XMM-Newton de Raios-X da Agência Espacial Europeia, cientistas foram capazes de medir a velocidade de rotação de um buraco negro com uma massa 2 milhões de vezes a do nosso sol.

A NASA informou que as observações, que foram publicados na revista Nature, fornecem um poderoso teste a teoria da relatividade geral de Einstein, que diz que a gravidade pode dobrar o espaço-tempo, o tecido que molda nosso universo, assim como a luz que viaja por ele.

“Podemos rastrear a matéria enquanto ela gira num buraco negro usando raios-X emitidos de regiões muito próximas do buraco negro”, disse Fiona Harrison, a investigadora principal do NuSTAR, do Instituto de Tecnologia da Califórnia.

“A radiação que vemos é deformada e distorcida pelos movimentos das partículas e pela gravidade incrivelmente forte do buraco negro.”

Um experimento semelhante foi realizado em 2006, disse Geraint Lewis, professor de astrofísica na Universidade de Sydney. “Mas havia a preocupação de que gases intervenientes pudessem distorcer a forma das emissões e, assim, não estaríamos medindo a rotação com exatidão.”

O Prof. Lewis disse que a nova pesquisa descobriu que as medições não seriam afetadas tão gravemente. “Está confirmado que esses buracos negros estão girando e que giram muito rápido.”

Os pesquisadores disseram que, enquanto o XMM-Newton revelou que a luz do ferro estava sendo deformada, o NuSTAR provou que essa distorção vinha da gravidade do buraco negro e não das nuvens de gás na vizinhança.

“A próxima coisa que eles certamente farão é observar uma gama de galáxias para ver se podem medir a rotação lá”, disse o Prof. Lewis. “Se encontramos um grande número que não esteja girando, isto seria um problema sério para nossa compreensão da galáxia.”

“Isso é extremamente importante para o campo da ciência de buracos negros”, disse Lou Glassiness, um cientista do programa NuSTAR na sede da NASA em Washington.

Este artigo foi publicado originalmente em The Conversation. O artigo original está aqui.

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas