Novos servidores: CEO do Parler afirma que o aplicativo de mídia social está de volta à Internet

Por Jack Phillips

Um executivo do Parler, uma plataforma de mídia social favorecida pelos conservadores, disse nesta segunda-feira que retomará o serviço com uma nova administração – cerca de um mês após a Amazon Web Services remover seu serviço de seus servidores.

O CEO interino Mark Meckler disse em um comunicado à imprensa que a empresa mudou para um novo farm de servidores, dizendo que os usuários devem esperar poder usar o site na segunda-feira.

A partir das 10h ET de segunda-feira, o site Parler parecia estar acessível via desktop. Os membros da equipe do Epoch Times relataram que não conseguiram acessar a versão desktop do site. Os usuários postaram no Twitter que podiam usar o aplicativo Parler móvel.

Meckler disse que os novos usuários devem ser capazes de se inscrever no serviço dentro de uma semana ou mais.

“Estamos fora da grande plataforma de tecnologia, para que possamos nos considerar seguros e protegidos para o futuro”, disse Meckler no comunicado. Ele não revelou qual empresa está hospedando Parler.

Elaborando, Meckler disse que a empresa está usando programas de inteligência artificial e editores humanos para investigar discursos que violam seus termos de contrato de serviço.

“A cultura do cancelamento veio até nós e nos atingiu com tudo que tinham. No entanto, não podíamos ser mantidos no chão. Estamos de volta e prontos para retomar a luta pela liberdade de expressão, soberania dos dados e discurso civil. Agradecemos aos nossos usuários por sua lealdade durante este período incrivelmente desafiador ”, disse Dan Bongino, de acordo com o comunicado.

Meckler foi escolhido como CEO da empresa depois que o ex-executivo, John Matze, foi dispensado pela empresa há várias semanas.

Matze anunciou: “Em 29 de janeiro de 2021, o conselho do Parler controlado por Rebekah Mercer decidiu encerrar imediatamente minha posição como CEO do Parler. Eu não participei dessa decisão ”, relatou a Fox News. “Eu entendo que aqueles que agora controlam a empresa fizeram algumas comunicações aos funcionários e terceiros que, infelizmente, criaram confusão e me levaram a fazer esta declaração pública.”

Após a eleição de 3 de novembro, Parler viu um aumento significativo no número de usuários, já que muitos migraram do Facebook, Twitter e outras plataformas de mídia social devido ao temor de censura. Na esteira do banimento do Twitter ao ex-presidente Donald Trump, Google e Apple tomaram medidas contra o Parler e, dias depois, a Amazon rescindiu seu contrato de serviço de hospedagem com a empresa.

O Parler, em resposta, abriu um processo no mês passado contra a Amazon, argumentando que a empresa violou as leis antitruste e conspirou com outras empresas de Big Tech para derrubar o site. A empresa alegou em um processo judicial que a Amazon estava preocupada principalmente se Trump teria se mudado para o Parler, ao invés de supostas violações.

O Epoch Times entrou em contato com Parler para comentar.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas