Novo surto de peste suína africana afeta Xinjiang, China

Por Eva Fu

O Ministério da Agricultura da China relatou um surto de peste suína africana na região de Xinjiang em 5 de abril , marcando a terceira vez que a região detecta casos desde fevereiro.

O surto ocorreu em uma fazenda com 599 porcos administrados pelo Corpo de Produção e Construção de Xinjiang, uma entidade econômica e paramilitar estatal sujeita às sanções dos EUA por abusos dos direitos humanos na região.

Trinta e três porcos foram infectados, dos quais seis morreram, segundo o Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais em um comunicado. As autoridades locais sacrificaram os suínos vivos que permaneceram na área afetada e interromperam o transporte de suínos ou produtos relacionados para dentro e para fora da área.

A peste suína africana assombra a China desde que apareceu pela primeira vez no país em agosto de 2018. A doença mortal forçou a China a abater milhões de porcos e dizimou cerca de 40% da população suína do país, causando uma escassez generalizada de carne. O preço da carne de porco disparou.

O vírus fez várias aparições na China continental neste ano, incluindo na província de Guangdong, no sul, nas províncias de Yunnan e Sichuan, no sudoeste, e na província central de Hubei.

As recentes rodadas de surtos de peste suína reduziram a população suína do norte do país em pelo menos 20 por cento, de acordo com várias estimativas da indústria .

Além disso, New Hope Liuhe, o quarto produtor chinês, descobriu em janeiro que duas novas cepas do vírus haviam infectado mais de 1.000 porcos em suas fazendas. Como o vírus pode permanecer contagioso por meses e até anos em alguns produtos, a descoberta levantou preocupações de que as novas cepas se espalhariam para outras partes do mundo por meio da carne contaminada.

A GM Biotech, uma empresa privada de biotecnologia sediada em Hunan que desenvolve kits de teste para a doença, disse que as novas cepas são “muito difíceis de detectar no estágio inicial da infecção e têm um período de incubação mais longo após a infecção”, informou a Reuters.

Taiwan, que até agora estava intacta contra a doença, relatou recentemente a presença de um porco morto infectado com a peste suína africana na costa, o que levou a uma série de testes em rebanhos da região. O porco havia sido largado no fim de semana e tinha a mesma cepa do vírus que circula na China.

No final de março, a mídia chinesa também noticiou a descoberta de dezenas de carcaças de suínos perto da Mongólia Interior. A causa das mortes permanece desconhecida.

Em fevereiro, Hong Kong matou 3.000 porcos em uma fazenda depois que oito suínos testaram positivo para o vírus da peste suína africana. A maioria dos porcos infectados veio da China continental, de acordo com autoridades de Hong Kong.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas