Novo relatório alerta para mudança de marca do Instituto Confúcio

Novo relatório é intitulado “Depois dos Institutos Confúcio: a influência duradoura da China no ensino superior americano”

Por Terri Wu

WASHINGTON – Um novo relatório alerta que a China renomeou seus Institutos Confúcio (ICs) nas universidades americanas. Dos 118 ICs nos Estados Unidos, cerca de 105 fecharam ou anunciaram fechamentos. No entanto, pelo menos 38 universidades substituíram seus programas fechados do IC por alternativas semelhantes, segundo o relatório da National Association of Scholars (NAS), uma organização conservadora de pesquisa e defesa.

Os ICs são financiados pelo Partido Comunista Chinês (PCCh), que seleciona e paga pelos livros didáticos e cidadãos chineses que vêm aos Estados Unidos para ensinar língua, cultura e história chinesas.

Li Changchun, um membro permanente do Politburo do PCCh, disse em abril de 2007 que os ICs eram “uma parte importante do esquema de propaganda da China no exterior”. Um relatório de 2018 da Comissão de Revisão Econômica e de Segurança EUA-China disse que os ICs tinham “laços formais e de longa data” com o Departamento de Trabalho da Frente Unida do PCCh, uma agência responsável por coordenar as operações de influência do PCCh.

Em fevereiro de 2019, o Subcomitê Permanente de Investigações do Senado descobriu que o PCCh havia investido mais de US$ 158 milhões em ICs sediados nos EUA desde 2006.

Em agosto de 2020, o Departamento de Estado dos EUA designou o Centro dos EUA do Instituto Confúcio (CIUS) como uma missão estrangeira chinesa. O então secretário de Estado Mike Pompeo disse que o CIUS é “uma entidade que promove a propaganda global de Pequim e a campanha de influência maligna nos campi dos EUA e nas salas de aula do ensino fundamental e médio”.

História de “sucesso” e “alerta”

A história dos IC foi tanto uma “história de sucesso” quanto uma “história de alerta”, disse Rachelle Peterson, pesquisadora sênior da NAS, no evento de lançamento do relatório na Heritage Foundation, na terça-feira. Peterson foi o autor do novo relatório de 2017 que facilitou a mudança de política dos EUA.

Um Instituto Confúcio da Universidade do Norte da Flórida em uma foto de arquivo. O instituto foi fechado pela universidade (Huang Yuntian/Epoch Times)

No novo relatório intitulado “Depois dos Institutos Confúcio: a influência duradoura da China no ensino superior americano”, ele comparou os ICs a andaimes que não serviriam mais ao PCCh após a construção das operações de influência.

Quando essas faculdades dos EUA decidiram fechar seus ICs, o motivo mais comum que eles deram foi que eles substituiriam seus ICs por um novo programa, segundo o documento. Em outras palavras, eles estavam abandonando o nome IC, mas mantendo os investimentos. E apenas cinco deles disseram estar preocupados com a influência do regime chinês em outras universidades, mas disseram que seus campi eram perfeitamente seguros.

Segundo o relatório, a resposta do PCCh ao fechamento do IC nos Estados Unidos variou de choque e raiva a “arrependimento”, eventualmente fazendo ofertas para apoiar programas alternativos. Ao fechar seu IC, algumas universidades tiveram que pagar multas ao PCCh. Por exemplo, a Kennesaw State University na Geórgia devolveu pelo menos US$ 31.000, e a Universidade de Maryland reembolsou a China US$ 900.000, uma quantia que a China inicialmente forneceu para a renovação do IC.

O relatório também revela que algumas organizações sem fins lucrativos dos EUA atuaram como intermediários na reformulação da marca dos ICs, desempenhando assim um papel fundamental em manter os ICs vivos.

As recomendações do NAS ao governo federal incluem limitar o financiamento federal às universidades que mantêm um IC ou programa similar e encomendar um estudo sobre as Salas de Aula Confúcio, o equivalente ao ensino fundamental e médio dos ICs das universidades. O relatório também defendeu requisitos mais rígidos de transparência na Lei de Ensino Superior para que as universidades americanas divulguem os investimentos que recebem do exterior.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas