Novo estudo revela encobrimento de Pequim sobre capacidade de transmissão do vírus do PCC

"Sem o atraso de três semanas, a maior crise de saúde pública deste século poderia ter sido evitada ou controlada em um grau muito maior"

Por Frank Fang

As autoridades de Pequim sabiam que o vírus do PCC, comumente conhecido como novo coronavírus, estava se espalhando entre as pessoas no final de dezembro do ano passado, mas decidiram não anunciar publicamente o risco de transmissão de humano para humano até semanas depois, revelou um estudo de cientista publicado recentemente.

Três pesquisadores, incluindo dois da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, em St. Louis, revelaram suas descobertas em um estudo pré-publicado, retirando seus dados principalmente do regime chinês e da cobertura da imprensa. Eles concluíram que Pequim adiou o anúncio público de que o vírus era contagioso por pelo menos três semanas antes de finalmente fazê-lo em 20 de janeiro.

“Havia evidências convincentes de transmissão de pessoa para pessoa, incluindo apresentação clínica de grupos de pacientes e resultados de seqüenciamento viral”, escreveram os pesquisadores em seu artigo, que ainda não foi revisado por pares.

Grupos iniciais de pacientes incluíram um casal de idosos admitidos no Hospital Wuhan Xinhua em 27 de dezembro de 2019 por apresentar febre e tosse, de acordo com um artigo publicado no site oficial da Comissão de Saúde da Província de Hubei, cuja capital é Wuhan. Foram realizadas tomografias computadorizadas (TC) do casal e do filho e os três exibiram sinais semelhantes, diferentes da pneumonia típica.

“Este grupo familiar demonstrou uma pista óbvia para ‘transmissão de humano para humano'”, afirmaram os pesquisadores.

Um médico que estava monitorando o caso da família relatou os resultados da tomografia computadorizada aos funcionários do hospital. Dois dias depois, em 29 de dezembro, Xia Wenguang, vice-presidente do Hospital Xinhua, relatou um total de sete casos semelhantes, incluindo o casal de idosos e seu filho, às comissões de saúde e aos Centros de Controle de Doenças da cidade e província.

Outro grupo envolveu mãe e filho, que estavam entre os quatro casos semelhantes de pneumonia relatados pelo Hospital Central de Wuhan às autoridades locais de saúde em 29 de dezembro, segundo a pesquisa, citando um artigo de jornal da China. Os investigadores afirmaram que o caso mãe-filho era “outro exemplo de transmissão de pessoa para pessoa”.

Um dia depois, em 30 de dezembro, uma médica não identificada no Hospital Xinhua relatou sintomas de pneumonia, segundo os investigadores, sem citar uma fonte.

Os pesquisadores também revisaram a sequência genética inicial do vírus.

Em 27 de dezembro, a Vision Medicals, uma empresa sediada na cidade de Guangzhou, sul da China, informou o Hospital Central de Wuhan que o sequenciamento genético de um paciente não identificado no hospital revelou um coronavírus “semelhante ao SARS” .

A pandemia de SARS de 2002 e 2003 infectou 2.769 pessoas e matou 425 fora da China continental, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Especialistas dizem que os números dentro da China provavelmente são muito maiores do que os relatados oficialmente.

Depois que a Beijing CapitalBio MedLab conduziu um estudo de sequência genética em amostras de um paciente com o sobrenome Chen no Hospital Central de Wuhan, em 30 de dezembro, o laboratório determinou que o vírus era “altamente suspeito de SARS”, de acordo com o artigo.

Em 11 de janeiro, a Comissão de Saúde de Wuhan informou em seu site que “não havia evidências claras de transmissão de pessoa a pessoa” do vírus.

Os pesquisadores também calcularam o número de reprodução do vírus (R0) durante o surto inicial em Wuhan com base em dados de outros artigos científicos, artigos de jornal e autoridades chinesas de 1º de dezembro a 8 de janeiro. Eles estimaram que o R0 era 3,12.

Em outras palavras, cada pessoa infectada estava transmitindo o vírus para 3,12 pessoas em média. Em comparação, a gripe sazonal tem um R0 de cerca de 1,3, enquanto o sarampo, uma doença altamente contagiosa, tem um R0 acima de 12.

Em 23 de janeiro, a Organização Mundial da Saúde escreveu que a taxa de transmissão pessoa a pessoa (R0) na China era estimada entre 1,4 e 2,5.

Usando seu R0 estimado e outras variáveis, incluindo uma duração de incubação aproximada de 5,2 dias para o vírus (calculada com base nos primeiros casos confirmados em Wuhan), os pesquisadores estimaram que havia 239.875 pessoas infectadas em Wuhan em 23 de janeiro, o dia em que as autoridades da cidade colocaram Wuhan em confinamento.

O investigadores argumentaram que se as autoridades chinesas tivessem imposto medidas para impedir a propagação do vírus em 2 de janeiro, o número de pessoas infectadas teria caído drasticamente de 239.875 para 10.989.

“Sem o atraso de três semanas, a maior crise de saúde pública deste século poderia ter sido evitada ou controlada em um grau muito maior”, concluíram os pesquisadores.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

EUA exigem transparência do regime chinês diante da COVID-19

 

 
Matérias Relacionadas