Novo estudo nega o ‘milagre’ de Xi Jinping e revela que existe pobreza extrema na China

Por Nicole Hao

Um estudo publicado recentemente e patrocinado pela Suíça revela que a China não erradicou a pobreza, um “milagre” que o líder chinês Xi Jinping afirma ter realizado.

Em 25 de fevereiro, o regime chinês realizou uma cerimônia de premiação, na qual Xi anunciou que a China havia erradicado a pobreza, com base nos padrões da China.

“[A China] criou outro milagre nos anais da história”, comentou Xi sobre a erradicação da pobreza. “[É uma] grande conquista histórica.”

Em 6 de abril, o regime chinês publicou um livro branco intitulado “A prática da China na redução da pobreza humana”. Com este documento, as autoridades de Pequim querem fazer do país um modelo a seguir no mundo.

“A China não erradicou a pobreza, nem mesmo a pobreza extrema”, escreveu Bill Bikales, ex-economista-chefe da Organização das Nações Unidas (ONU) na China, no relatório Reflexão sobre a Redução da Pobreza na China ( PDF ), lançado em 8 de junho.

Bikales observou que a pobreza é dinâmica, mas o regime de Pequim se concentra apenas nas pessoas que vêm de áreas rurais e foram registradas em 2014-5 como pobres, sem atualizar a lista nos anos subsequentes ou cobrindo a maioria da população. Chineses que vivem em áreas urbanas .

“As estatísticas [na China] sobre as novas famílias pobres nunca foram divulgadas devido ao impacto na renda [da pandemia] e a assistência às famílias pobres não registradas foi limitada”, escreveu Bikales. “Para registrar com precisão o impacto do COVID-19 sobre a pobreza em qualquer lugar que não seja nos condados e cidades já identificados, teriam sido necessários sistemas que simplesmente não existiam.”

O regime chinês afirma que se a renda de uma pessoa ultrapassar 3.218 yuans (US$ 500) por ano, ela não pode ser considerada pobre. Se a renda de uma pessoa pobre chega a 4.000 yuans (US$ 625), ela é removida da lista de pessoas com direito aos benefícios da seguridade social e nunca mais pode ser considerada pobre. A China afirma que, como o custo dos bens básicos na China é baixo, as pessoas não precisam de uma alta renda para viver sem pobreza.

Nos últimos meses, entrevistados da China continental disseram ao Epoch Times que ainda não conseguiam água potável, alimentação adequada e transporte público, mas o regime se recusou a pagar benefícios da previdência social porque a China supostamente eliminou a pobreza.

A mídia estatal chinesa revelou que mesmo os pobres não listados continuam vivendo em extrema pobreza e que as autoridades locais mentiram para as autoridades centrais.

O morador rural Liu Qingyou em sua residência no condado de Baojing, província de Hunan, no centro da China, em 12 de janeiro de 2021 (NOEL CELIS / AFP via Getty Images)

Vozes do povo

Um grande número de chineses rurais não tem água potável para beber e não tem dinheiro suficiente para comprar carne e outros alimentos ricos em proteínas e gordura, de acordo com os entrevistados. Há chineses em áreas urbanas que não conseguem se alimentar sozinhos, nem podem alimentar suas famílias.

“Meu pai e seus companheiros não têm dinheiro. Eles comem o que plantaram e geralmente não têm carne. Meu pai não tem dinheiro suficiente para pagar a eletricidade, muito menos as instalações sanitárias do banheiro ” , disse uma mulher de sobrenome Wang ao Epoch Times em chinês em 25 de fevereiro.

Wang mora em uma cidade e tem eletricidade, água, Internet e telefone. Seu pai mora no município de Taohe, condado de Xichuan, província de Henan, na região central da China, que fica nas montanhas.

“Eles não têm água da torneira. Eles dependem de um pequeno reservatório [no qual podem armazenar água da chuva] e da água carregada de fora ”, explica Wang.“ Eles não têm dinheiro para pagar hospitais, clínicas ou mesmo remédios. Eles simplesmente lutam contra doenças usando o sistema imunológico do seu corpo. Uma vez gravemente doentes, eles apenas esperam a morte em casa. ”

Agricultores plantam árvores Saxaul em Dunhuang, província de Gansu no noroeste da China, em 22 de abril de 2019 em China (Lintao Zhang / Getty Images)

Em 2 de março, outra pessoa de sobrenome Wang, um trabalhador migrante de Pequim da província de Hebei no norte da China, disse ao Epoch Times em língua chinesa que os agricultores de Hebei geralmente não têm dinheiro para pagar um seguro saúde. O regime não oferece atendimento médico gratuito e os agricultores não têm dinheiro para tratar de suas doenças.

“Quanto a nós, só visitamos uma pequena clínica se tivermos algumas doenças não fatais. Quando estamos muito doentes, tentamos pedir dinheiro aos nossos parentes. Se conseguirmos algum dinheiro, iremos a um hospital. Do contrário, ficamos em casa e aguardamos a morte ”, disse Wang.

A maioria dos chineses pobres não tem telefone ou computador, e a censura do regime não permite que fatos relevantes sejam expostos na Internet.

No entanto, as evidências da pobreza extrema podem ser encontradas no que a população conta em conversas, bem como em reportagens na mídia sobre outros temas.

Em 12 de dezembro de 2020, uma conta de mídia social postou um longo artigo no WeChat, falando sobre crianças urbanas que cometiam suicídio porque suas famílias eram pobres demais para pagar sua educação, alimentá-las ou tratar suas doenças.

Bikales escreveu em seu estudo que 63% dos chineses vivem em cidades e essas pessoas nunca foram incluídas na lista de pobreza da China e, ao contrário do que afirma Xi, nem mesmo os pobres da lista escaparam da pobreza.

Em abril, a CCTV relatou casos no condado de Luonan, na província de Shaanxi, no noroeste da China, onde as pessoas não têm uma casa segura para morar e não têm água potável para beber. As autoridades locais mentiram sobre a situação e tentaram roubar o celular do repórter quando ele o usou para gravar a cena.

Um agricultor trabalha em um campo perto de Zhongba, perto da cidade de Chongqing, no sudoeste da China, em 29 de novembro de 2020 (NOEL CELIS / AFP via Getty Images)

Retirada da lista de pobreza

Luonan foi removido da lista de pobreza em fevereiro de 2020, o que significa que todos os residentes do condado têm uma renda acima da linha da pobreza.

Em meados de abril, quando o CCTV chegou ao condado, os repórteres encontraram um homem idoso, Leng, que vivia em uma pequena casa de tijolos em ruínas, de um cômodo. A casa não tinha cozinha, banheiro e aquecimento.

Leng estava na lista da pobreza. O velho disse à CCTV que a casa de tijolos costumava ser um depósito para seu parente. Como sua casa de barro está rachada e pode cair a qualquer momento, seu parente permite que ele more na casa de tijolos. Leng não tem renda nem dinheiro para alugar um quarto.

A CCTV visitou duas aldeias em Luonan, ambas sem água potável. Os aldeões tiveram que percorrer um longo caminho para comprar água de outras aldeias e essa água teve que ser filtrada antes do uso.

Como os moradores são geralmente pobres, a maioria não tem dinheiro para comprar água com frequência. Eles economizam a água da chuva e em seu dia-a-dia tentam economizar as gotas de líquido que podem.

O site de notícias The Paper, de Xangai, relatou em 19 de novembro de 2020 outro caso na província de Yunnan, sudoeste da China.

O governo local do condado de Zhenxiong na cidade de Zhaotong removeu o morador Jiang Tongxun da lista de pobreza em outubro de 2020, porque o regime disse que a renda bruta de Jiang em 2020 era de 5.811,76 yuans ($ 908). Esse número era maior do que os 4.000 yuans (US$ 625) do nível de renda de 2020, abaixo do qual a pessoa pode permanecer na lista de pobreza.

Jiang discorda do regime e se recusa a assinar o documento para renunciar ao seu direito de receber mais benefícios da previdência social.

Segundo dados do regime, ele ganhou 3.000 yuans trabalhando como trabalhador migrante, recebeu 2.568 yuans de benefícios previdenciários do regime e 243,76 yuans de subsídios do regime que eram usados ​​para comprar sementes e fertilizantes agrícolas.

Jiang disse que não recebeu os benefícios relatados pelo regime e que os fundos de redução da pobreza do regime central ou do regime provincial foram alocados para moradores que mantinham boas relações com as autoridades. De acordo com o relatório, Jiang perdeu seu índice de pobreza e foi criticado pelo regime.

Aldeões chineses disseram ao Epoch Times em entrevistas por telefone que 4.000 yuans não é suficiente para sustentar uma vida básica.

“Em Xangai , o custo mínimo dos alimentos é de 500 yuans por mês por pessoa. Você tem que gastar 200 yuans com transporte e mais de 2.000 yuans para alugar um quarto (…) 4.000 yuans por ano significa 333 por mês. Você não pode sobreviver com essa renda ” , disse Zhou, um aposentado que mora na cidade de Xangai, ao Epoch Times em língua chinesa em 25 de fevereiro.

“A China ainda é extremamente pobre este ano (…) Quanto grão a China tem agora? Incluindo outros produtos agrícolas, a China precisa de muito mais [para alimentar a população] ” , disse Hu Ping ao Epoch Times em 26 de fevereiro. Hu é editor-chefe honorário da revista Beijing Spring baseado em Nova York, especialista em assuntos da China.

Os agricultores colhem repolhos no condado de Huarong, província de Hunan, no sul da China, em 5 de março de 2020 (NOEL CELIS / AFP via Getty Images)

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 

 

 
Matérias Relacionadas