Novo coronavírus da China pode infectar 250.000 pessoas em Wuhan em 11 dias, dizem pesquisadores

Pesquisadores disseram que seu modelo previa que, em 4 de fevereiro, as infecções na área de surtos em Wuhan aumentariam para 132.000 ou 273.000 pessoas

Por Cathy He

No início de fevereiro, o novo coronavírus poderia infectar mais de 250.000 pessoas apenas na cidade chinesa de Wuhan, de acordo com um novo estudo.

O estudo, conduzido por especialistas em bioestatística no Reino Unido e nos Estados Unidos, publicado em 24 de janeiro, projeta uma escalada drástica do surto viral que já infectou mais de 900 pessoas e matou 26 na China, com casos confirmados em vários países da Ásia, bem como nos Estados Unidos e França.

“Se não houver mudança no controle ou na transmissão, esperaremos mais surtos em outras cidades chinesas e que as infecções continuem sendo exportadas para destinos internacionais a um ritmo crescente”, afirmou.

Os pesquisadores disseram que seu modelo previa que, em 4 de fevereiro, as infecções na área de surtos em Wuhan aumentariam para 132.000 ou 273.000 pessoas. A cidade, com uma população de 11 milhões de habitantes, localizada no centro da China, foi bloqueada na tentativa de impedir a propagação do vírus. O fechamento de transportes também foi imposto em outras 12 cidades da região, afetando mais de 30 milhões de pessoas.

O estudo, no entanto, alertou que as restrições de viagens em Wuhan “provavelmente não são eficazes para interromper a transmissão em toda a China”.

Passageiros usam máscaras enquanto aguardam no saguão de partida da estação West Kowloon em 23 de janeiro de 2020 em Hong Kong, China (Anthony Kwan / Getty Images)

“Com uma redução efetiva de 99% nas viagens, a propagação da epidemia fora de Wuhan só pode ser reduzida em 24,9% em 4 de fevereiro”, disse ele.

A investigação projetou que os maiores surtos fora do epicentro ocorreriam nas cidades de Xangai, Pequim, Guangzhou, Chongqing e Chengdu.

Leia também:

Os pesquisadores também antecipam que os países ou regiões que correm maior risco de importar infecções por meio de viagens aéreas são Tailândia, Japão, Taiwan, Hong Kong e Coreia do Sul. Tanto Hong Kong quanto a Tailândia têm cinco casos confirmados, Taiwan tem três, enquanto Japão e Coreia do Sul têm dois pacientes confirmados com o vírus.

Uma menina chinesa usa uma máscara protetora enquanto um parente a segura enquanto eles esperam para embarcar em um trem na estação ferroviária de Pequim por medo de contágio do novo coronavírus mortal de Wuhan antes do Festival Anual da Primavera, em 21 de janeiro de 2020 em Pequim China (Kevin Frayer / Getty Images)

Os Estados Unidos confirmaram em 24 de janeiro seu segundo caso de coronavírus em Chicago, enquanto o primeiro caso confirmado foi registrado no estado de Washington na terça-feira. Atualmente, mais de 60 pacientes estão sendo investigados em 22 estados, informou o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) em 24 de janeiro. Novos casos possíveis seriam analisados ​​nas últimas horas.

Enquanto isso, a França se tornou o primeiro país europeu a detectar a doença, confirmando que dois pacientes eram positivos para o novo coronavírus.

Antes, em 24 de janeiro, os pesquisadores de Wuhan disseram que os pacientes infectados apresentaram novos sintomas não relacionados à respiração, como diarreia, dores no peito e dores de cabeça, sugerindo que o vírus poderia ser mais difícil de identificar do que o que foi inicialmente pensado.

Atualmente, a descrição oficial dos sintomas do vírus está limitada a febre e problemas respiratórios, como tosse e dificuldades respiratórias.

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_ET

 
Matérias Relacionadas