Novas mensagens revelam detalhes sobre a operação por trás do Dossiê Trump

A campanha de Clinton e o Comitê Nacional Democrata pagaram US$ 160.000 pelo dossiê de Steele

Por Ivan Pentchoukov

O ex-espião britânico que compôs o famigerado dossiê de alegações não verificadas sobre a campanha presidencial de Donald Trump estava “muito preocupado” com o fato de que a demissão do então diretor do FBI James Comey, em maio do ano passado, expusesse uma operação clandestina.

De acordo com as mensagens manuscritas pelo oficial do Departamento de Justiça (DOJ) Bruce Ohr em 10 de maio de 2017, Christopher Steele, o autor do dossiê, estava “muito preocupado com a demissão de Comey, receoso de que eles fossem expostos”. O conteúdo das mensagens foi publicado primeiramente pela jornalista investigativa Sara Carter.

Embora não esteja claro a que operação secreta Steele se refere, menos de duas semanas antes da mensagem, em 28 de março de 2017, o FBI apresentou um relatório sobre uma reunião com Daniel Jones, que dirige o Penn Quarter Group, uma “pesquisa e investigação” consultiva. O relatório afirmou que Jones reteve os serviços de Steele como parte de um projeto para reunir toda sujeira que possivelmente estivesse relacionada com o presidente Donald Trump. O projeto, administrado pelo Penn Quarter Group, foi financiado por cerca de 7 a 10 doadores ricos” que forneceram aproximadamente US$ 50 milhões”.

Ainda que Steele estivesse se referindo à operação privada mencionada ou a qualquer outra coisa, a mensagem de Steele levantou questões sobre o papel de Comey em atividades clandestinas contra o presidente, indicando ser a exposição da qual Steele estava “tão preocupado”.

Steele estava ficando nervoso com a operação secreta que estava sendo exposta antes mesmo de Comey ser demitido. Dois dias antes do depoimento de Comey, no dia 20 de março, perante o Comitê de Inteligência da Câmara, Steele escreveu para Ohr que ele e seus associados estavam “apreensivos” com a audiência que estava por vir e esperavam que os”importantes firewalls fossem válidos”.

“Oi! Apenas querendo saber se você tem alguma novidade? Obviamente, estamos um pouco apreensivos, dada a aparição marcada no Congresso na segunda-feira. Esperando que os importantes firewalls sejam válidos. Muito obrigado,” Steele mandou uma mensagem para a Ohr em 18 de março de 2017.

“Desculpe, nenhuma notícia nova. Acredito que minhas informações anteriores ainda sejam precisas. Eu vou deixar você saber imediatamente se houver alguma mudança,”Ohr respondeu no mesmo dia.

Os legisladores que investigam as ações do FBI e do DOJ em torno da eleição de 2016 agendaram uma audiência a portas fechadas para questionar Ohr em 28 de agosto. Trump disse em 16 de agosto que planeja remover a credencial de segurança de Ohr.

“Eu acho que Bruce Ohr é uma desgraça, eu suspeito que vou estar tirando a [credencial de segurança] muito rapidamente”, disse Trump na Casa Branca em 17 de agosto. “Eu acho que Bruce Ohr é uma desgraça com sua esposa, Nellie. Para ele estar no Departamento de Justiça e estar fazendo o que fez, isso é uma vergonha, isso é desqualificante para o [conselheiro especial Robert] Mueller”.

Na época dessas comunicações entre Steele e Ohr, Steele já havia sido oficialmente denunciado pelo FBI e foi proibido de coletar informações em nome do departamento. O FBI havia denunciado Steele em 1º de novembro de 2016 por vazar informações para a mídia, violando as regras do escritório para fontes humanas confidenciais. Ohr tornou-se um canal clandestino entre Steele e o FBI após a proibição.

Ohr continuou a ajudar Steele até novembro de 2017, apesar de não ter nenhum papel oficial na investigação russa.

Ohr foi rebaixado duas vezes por esconder que sua esposa, Nellie Ohr, trabalhou para o Fusion GPS em 2016 na mesma operação de busca de evidências obscuras contra a campanha de Trump assim como Steele. Ohr iria entregar toda a pesquisa de sua esposa para o FBI, de acordo com um relatório do Comitê de Inteligência da Casa.

A campanha de Clinton e o Comitê Nacional Democrata (DNC) pagaram à Fusion GPS US$ 160.000 pelo dossiê de Steele. Uma investigação de contra-espionagem da campanha Trump, cujo codinome “Crossfire Hurricane”, iria obter um mandado de Vigilância de Inteligência Estrangeira (FISA) para vigiar o ex-voluntário da campanha Trump, Carter Page.

Os funcionários que assinaram o pedido da FISA não divulgaram que a campanha de Clinton e o DNC financiaram o dossiê, que o FBI sabia do preconceito de Steele contra Trump e a conexão entre o Ohrs, Steele e o Fusion GPS. Comey assinou o pedido inicial da FISA em outubro de 2016 e dois pedidos de renovação em janeiro e abril de 2017.

“Os e-mails e notas do DOJ mostram a ligação de Bruce Ohr com o Dossiê Trump (falso e desacreditado). Um idiota pensando que seria pego em um ato desonesto. Caça às bruxas!” Trump escreveu no Twitter em 16 de agosto.

O Epoch Times relatou anteriormente que, enquanto escrevia o dossiê, Steele pressionou Ohr em nome de um bilionário russo. Ohr também trabalhou para reintegrar Steele ao FBI e envolvê-lo com a investigação do advogado especial Robert Mueller.

 
Matérias Relacionadas