Nova liderança do Vozes da América pode reforçar influência de Pequim

Por Bonnie Evans

A nomeação de um novo chefe para a agência encarregada de contar a história da América ao mundo pode trazer uma reforma ao problemático serviço de língua chinesa da Voz da América, que foi acusado de ter sido comprometido pelo Partido Comunista Chinês (PCC).

Em junho de 2018, o presidente dos EUA Donald Trump nomeou o documentarista Michael Pack para dirigir os EUA. Agência para Mídia Global (USAGM), que supervisiona a Voz da América (VOA), a Radio Free Asia e outras emissoras de transmissão não militar, financiadas pelos contribuintes internacionais dos Estados Unidos.

Dois anos depois, Pack foi finalmente confirmado em 4 de junho por uma votação no Senado de 53 a favor, 38 contra. A votação decorreu na linha do partido, com apenas Joe Manchin, democrata da Virgínia Ocidental, se juntando à maioria republicana para colocar Pack no cargo.

A confirmação de Pack foi ferozmente contestada pelos democratas até o fim, por temerem que sob Pack o USAGM possa se tornar um meio de propaganda para o governo Trump.

Pack é um conservador notável que atuou em uma variedade de funções públicas, inclusive no Conselho Nacional de Humanidades, e como o principal executivo de televisão da Corporação para Radiodifusão Pública de 2003 a 2006. Ele é conhecido por ser um aliado do conservadore ativista e ex-estrategista-chefe de Trump, Steve Bannon.

No cargo, Pack precisará lidar com as alegações de que o PCC se infiltrou e ganhou influência sobre o VOA.

Relatório da Hoover Institution

Em outubro de 2018, a Hoover Institution publicou um relatório de 218 páginas intitulado “Interesses Chineses e Influência Americana”, detalhando como o regime comunista da China se infiltrou e influenciou a vida, os negócios, a educação, a mídia, a sociedade e a política americanas.

Em sua seção sobre mídia, o relatório mostra o sucesso de Pequim em comprometer a filial do Serviço de Mandarim da VOA.

“A partir da primeira década dos anos 2000, a embaixada chinesa em Washington, DC, e a liderança do serviço Mandarin da VOA começaram uma reunião anual para permitir que os funcionários da embaixada expressassem suas opiniões sobre o conteúdo da VOA. Funcionários da embaixada da RPC também procuraram os anfitriões da VOA para convencê-los a apoiar mais o regime. As personalidades da VOA organizaram eventos na embaixada. Um dos editores de TV da VOA prometeu publicamente sua lealdade à China em um evento da embaixada”.

O relatório afirma: “em 2012, umA imigrante chinesa, que também era ex-dissidente chinesa e especialista no sistema político dos EUA, tornou-se a primeira mulher chinesa chefe do serviço. Mais tarde, ela foi demitida por causa de uma entrevista controversa que provocou a ira oficial da RPC, que ameaçou repercussões”.

O relatório afirma que, após sua demissão, “o serviço de mandarim da VOA retomou um padrão de evitar histórias que poderiam ser consideradas muito duras para a China, segundo vários funcionários. Por exemplo, blogs escritos por dissidentes como Cao Yaxue, que administra o site http://chinachange.org relacionado aos direitos humanos, foram removidos do site da VOA”.

O relatório diz que “vários comentaristas chineses de destaque não estão mais na lista de analistas da VOA”. Além disso, os funcionários da VOA dizem que agora a ênfase está em “viagens, cultura e idioma”, que os espectadores também podem encontrar na mídia local.

Soando o alarme

As críticas acadêmicas no relatório Hoover encontraram um campeão na Casa Branca.

Nos últimos meses, Trump e seu governo expressaram sua insatisfação com a programação da Vozes da América, alegando que a emissora se tornou cada vez mais uma voz para o próprio regime sendo que sua missão exige que ela transmita valores americanos de liberdade, democracia e direitos humanos.

Em 10 de abril, a Casa Branca divulgou uma declaração afirmando que: “Hoje … a VOA fala com frequência pelos adversários da América – não por seus cidadãos”.

“A Vozes da América… gasta cerca de US$ 200 milhões por ano em sua missão de ‘contar a história da América’ e ‘apresentar as políticas dos Estados Unidos de forma clara e eficaz’ às pessoas em todo o mundo”, diz o comunicado.

O governo cita os relatórios da VOA sobre a pandemia de coronavírus como um exemplo do viés da emissora, dizendo que a VOA “amplificou a propaganda de Pequim”.

Chamando o bloqueio em Wuhan, epicentro do surto, um “modelo” de sucesso para o mundo, a VOA também twittou o vídeo do show de luzes promovido pelo regime para marcar o “suposto fim da quarentena”.

A VOA também usou estatísticas chinesas notoriamente não confiáveis ​​para criar gráficos comparando as mortes por vírus na China e nos Estados Unidos. A declaração do governo aponta que “os especialistas em inteligência [dizem] simplesmente não há como verificar a precisão dos números da China”.

Ex-funcionários pedem reforma

O governo Trump e a Hoover Institution não estão sozinhos em suas preocupações com a integridade editorial da VOA. Ex-funcionários chineses do serviço de língua chinesa que efetua transmissão para a China continental comunista, bem como para a diáspora chinesa em todo o mundo, concordam que a VOA se afastou de sua missão.

Sasha Gong, a “primeira chefe de serviço chinesa” mencionada no relatório da Hoover Institution, foi demitida, juntamente com vários membros de sua equipe, por circunstâncias relacionadas a uma entrevista com um rico exilado chinês, que criticou profundamente o Liderança comunista chinesa. Gong disse ao Epoch Times que Michael Pack está na posição certa para mudar as coisas na VOA, “mas ele só precisa do tenente certo”. Existem problemas sistêmicos enfrentados pelo ramo de idioma chinês, no entanto.

“Se não a maioria, pelo menos metade da equipe chinesa é assediada pela polícia secreta chinesa ao voltar para a China para ver sua família”. Gong citou a experiência de uma jovem que em 2016 voltou para sua casa apenas para descobrir que dois policiais estavam lá embaixo esperando por ela.

Gong também corrobora as conclusões gerais do relatório da Hoover Institution.

“A transmissão internacional é um tipo diferente de negócio”, disse Gong. “Fala por quem paga, como os contribuintes. Não há necessidade de dedicar 50% ao saldo de qualquer ditadura que você transmita”, continuou ela.

Agora, no entanto, a VOA chama isso de “equilíbrio”, continuou Gong. Nesses países, Gong disse: “Para começar, as notícias nunca são equilibradas … e, para equilibrar um pouco, precisamos ser 100% pró-democracia, essa é a chave”.

Li Su, que trabalhou por 27 anos no serviço de língua chinesa da VOA, disse ao Epoch Times que “desde 2000 a direção da VOA mudou de uma entidade para promover a liberdade, a democracia e os direitos humanos, para ser uma mídia ‘normal’, os chamados relatórios ‘equilibrados’ ”.

Li Su, ex-editor sênior da VOA, estabeleceu o Hi5 Channel One (Hi5 频道 ur shorturl.at/wzFLU) em 2019. Entre vários programas que ele realiza, ele continua contando a história da China moderna que foi banida pelo PCC (Cortesia Li Su)
Li Su, ex-editor sênior da VOA, estabeleceu o Hi5 Channel One (Hi5 频道 ur shorturl.at/wzFLU) em 2019. Entre vários programas que ele realiza, ele continua contando a história da China moderna que foi banida pelo PCC (Cortesia Li Su)

“A missão da VOA é transmitir principalmente para nações onde a democracia ainda não existe no sistema”, continuou Li.

Li foi um dos membros da equipe de Gong que foi demitido da VOA de forma controversa durante a entrevista de 2017 do fugitivo chinês Guo Wengui. Guo é um bilionário que afirma ter exposto uma corrupção maciça no PCC.

“Nós somos diferentes; precisamos ter essa missão ”, disse Li. Mas a liderança da VOA, ele afirma, “disse que somos apenas uma mídia, precisamos de equilíbrio”.

Seu significado de equilíbrio, Li continuou, “é que, por um lado, é a crítica e, do outro lado da escala, deve ser a voz da ditadura. Então, você sabe o que eles dizem sobre o mesmo problema”.

“Eu disse, bem, devemos ir aos nazistas e perguntar-lhes sobre a opinião deles sobre o Holocausto? Devemos ir às autoridades chinesas de Pequim para pedir sua opinião sobre o Falun Gong? Vamos! Eles já têm um orçamento enorme de propaganda! Eles gastaram bilhões de dólares. Por que devemos usar o dinheiro do contribuinte para aumentar sua voz? ” Disse Li.

“A existência da VOA é manter o equilíbrio com a propaganda deles [do PCC]. Já estamos equilibrados. Não precisamos da voz deles em nosso equilíbrio. Isso não está certo”, concluiu Li.

Vozes da América responde

Bridget Ann Serchak, diretora de relações públicas da VOA, disse ao Epoch Times em um e-mail que “o Sr. Pack ainda não assumiu a posição de CEO e diretor da USAGM, pois ainda não assumiu o cargo”.

Ao assumir o cargo, Serchak disse que o escritório de Relações Públicas da USAGM “é o melhor contato para suas perguntas para o Sr. Pack”. O Epoch Times perguntou se a liderança de Pack mudaria de alguma forma a missão ou as operações da VOA.

Questionado sobre “sugestões sérias de que a VOA foi comprometida em seus relatórios e programas na China por recursos solidários e favoráveis ​​ao Partido Comunista Chinês”, Serchak respondeu que “a VOA segue os mais altos padrões jornalísticos, conforme descrito na Carta do VOA, e requer que as notícias da VOA sejam ‘precisas, objetivas e abrangentes’ e que incluam uma cobertura verdadeira de ambos os EUA governo e suas políticas e as de outras nações, incluindo a China”.

Serchak se ofereceu para “conduzir uma revisão das notícias em questão” de quaisquer exemplos específicos de reportagens “comprometidas” pela filial chinesa da VOA.

Li disse que dez anos atrás os repórteres da VOA foram instruídos a não cobrir a prática espiritual do Falun Gong, que é perseguido na China.

Questionado sobre a cobertura do Falun Gong, Serchak forneceu resultados de pesquisa em seu site em chinês, mostrando que “mais de 40 histórias no ano passado” mencionam “a perseguição ao Falun Gong”.

Ela pediu para ser notificada de qualquer pergunta “sobre um caso específico do Falun Gong ou um incidente de perseguição”.

Ajude nosso jornalismo independente doando um ‘CAFÉ’ para a equipe.

Veja também:

Regime chinês persegue e ataca companhia de dança internacional

 

 
Matérias Relacionadas