Nova lei do Tennessee restringiria crianças à alterações de gênero permanentes

A Lei de Proteção da Juventude proibiria uma criança que não atingiu a puberdade de receber terapia hormonal ou outras alterações de gênero

Por Matt McGregor

Um projeto de lei do Tennessee propõe restringir o acesso das crianças à terapia hormonal, bloqueadores da puberdade e outros procedimentos médicos que permitiriam uma alteração do seu gênero.

O projeto de lei 2835, ou a Lei de Proteção da Juventude, proibiria especificamente uma criança que não atingiu a puberdade de receber terapia hormonal ou outras alterações de gênero, como cirurgias, mesmo que os pais aprovem. Se eles atingiram a puberdade, mas ainda são menores, devem obter o consentimento dos pais.

“Temos restrições de idade para nossos jovens por várias razões diferentes que existem para protegê-los”, disse o deputado estadual do Tennessee, John Ragan, um republicano, ao Epoch Times. “Essas proteções são multifacetadas e abrangentes”.

O projeto de lei torna ilegal a realização de procedimentos que “facilitariam o desejo do menor de se apresentar ou aparecer de maneira inconsistente com o sexo do menor”.

“Cientificamente, em nível celular, a pessoa é homem ou mulher”, disse Ragan. “Não há como negar isso, a parte de alguns defeitos genéticos. Mas o que alguns decidiram é que o que está entre suas orelhas deve conquistar a realidade. A realidade é que isso não é verdade. Alguém pode se identificar como um pássaro, mas quando eles descem do último andar de um prédio, eles não voam. As leis da física irão operar sobre eles independentemente do que eles pensam”.

A partir dos 18 anos, essa pessoa pode escolher se aceita ou não a realidade, mas enquanto a criança cresce e explora diferentes formas de existir no mundo, comprometer-se a fazer uma alteração médica permanente “não é a coisa mais inteligente a se fazer”, disse Ragan.

“Há alegações de que isso reduz as taxas de suicídio, mas como alguém que ganha a vida com estatísticas, as estatísticas que vi contam outra história”, disse Ragan.

‘Um maior risco de suicídio’

Ragan compartilhou um estudo que examinou 324 pessoas com mudança de sexo (191 de homem para mulher, 133 de mulher para homem) na Suécia, que concluiu que pessoas “com transexualismo, após a mudança de sexo, possuem maiores riscos de mortalidade, comportamento suicida e morbidade psiquiátrica do que a população em geral”.

O estudo define o transexualismo, ou transtorno de identidade de gênero, como uma condição na qual a identidade de gênero de uma pessoa “contradiz suas características sexuais corporais”.

O estudo encontrou “taxas substancialmente mais altas de mortalidade geral, morte por doença cardiovascular e suicídio, tentativas de suicídio e hospitalizações psiquiátricas em indivíduos transexuais, com mudança de gênero, em comparação com uma população de controle saudável”.

Em um artigo de 2004 do The Guardian, o Aggressive Research Intelligence Facility (ARIF) da Universidade de Birmingham avaliou os resultados de mais de 100 estudos de acompanhamento de transexuais no pós-operatório.

A ARIF concluiu que nenhum dos estudos forneceu “evidências conclusivas de que a mudança de sexo é benéfica para os pacientes”.

‘Um passo longe demais’

A função da infância é abrir espaço para a mudança, disse Ragan.

“As crianças querem ser muitas coisas diferentes quando estão crescendo e muitas delas são irreais, mas é parte de sua imaginação”, disse Ragan. “No entanto, quando eles insistem em uma alteração corporal para acompanhar sua imagem mental, isso está indo longe demais”.

O projeto de lei ocorre enquanto a legislação para transgêneros assume muitas formas diferentes em todo o país, como no Texas , onde o governador Greg Abbott orientou agências estaduais a investigar relatos de crianças transgênero recebendo cuidados de afirmação de gênero como abuso infantil. Isso seguiu o procurador-geral do Texas, Ken Paxton, emitindo um parecer (pdf) no qual classificou o tratamento de afirmação de gênero para jovens transgêneros, como terapia hormonal, bloqueadores de puberdade e outros procedimentos como formas de abuso infantil.

Ragan também patrocinou outro projeto de lei que tramitava na legislatura do Tennessee que proibiria homens de participar de esportes femininos.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas