Nova Iorque é aprovada para tratamentos experimentais contra COVID-19: governador Cuomo

O tratamento é destinado a pessoas que estão "em estado grave"

Por Tom Ozimek

O governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, disse na segunda-feira que o Estado de Nova Iorque foi aprovado para iniciar ensaios clínicos de um novo tipo de tratamento usando o sangue de pacientes que se recuperaram com sucesso do COVID-19, a doença causada pelo vírus do PCC.

O Epoch Times refere-se ao novo coronavírus, que causa a doença COVID-19, como o vírus do PCC porque o encobrimento e a má administração do Partido Comunista Chinês do surto em Wuhan permitiram que o vírus se espalhasse por toda a China e provocasse uma pandemia global.

Falando em uma conferência de imprensa em Albany, Cuomo disse que o tratamento seria disponibilizado no âmbito do “uso compassivo”, que permite que os médicos usem tratamentos experimentais ou medicamentos que foram aprovados para outras doenças no tratamento de pacientes com COVID-19. Sob esse modelo, os médicos são obrigados a compartilhar todas as informações do paciente em relação à administração e resposta ao medicamento, ajudando assim a informar os ensaios em andamento e as iniciativas regulatórias.

“O que se faz é pegar o plasma de uma pessoa que foi infectada pelo vírus, processar o plasma e injetar anticorpos em uma pessoa doente”, disse Cuomo, acrescentando que testes mostram que o processo estimula e promove o sistema imunológico dos pacientes contra essa doença.

Ele acrescentou que o tratamento é destinado a pessoas que estão “em estado grave”.

New York state Gov. Andrew Cuomo
O governador do estado de Nova Iorque, Andrew Cuomo (C), o prefeito da cidade de Nova Iorque, Bill DeBlasio (R), e o comissário do Departamento de Saúde do Estado de Nova Iorque, Howard Zucker, realizam uma coletiva de imprensa sobre o primeiro caso confirmado do COVID-19 em Nova Iorque, em 2 de março de 2020 (David Dee Delgado / Getty Images)

“Não é um tratamento comprovado”

Anteriormente, a Food and Drug Administration (FDA) confirmou que já estava trabalhando no desenvolvimento dessa forma de tratamento, conhecida como plasma convalescente. O comissário da FDA, Stephen Hahn, disse na quinta-feira passada que o tratamento envolveu o uso de plasma de sangue retirado de pacientes que se recuperaram do vírus PCC.

“Se você foi exposto ao coronavírus e está melhor, não tem o vírus no sangue. Nós poderíamos coletar o sangue agora, este é um tratamento possível. Este não é um tratamento comprovado, só quero enfatizar isso”, afirmou Hahn.

Os pesquisadores coletavam o sangue, concentravam-no e, depois de verificarem que ele não tinha vírus eles o empregavam em outros pacientes.

“A resposta imune pode potencialmente proporcionar um benefício aos pacientes”, disse Hahn.

Cuomo disse anteriormente que Nova Iorque obteve aprovação para prosseguir com os ensaios clínicos de medicamentos que, segundo especialistas, são promissores no tratamento do COVID-19.

Os testes começarão na terça-feira, disse Cuomo em um comunicado no domingo, observando que o Estado de Nova Iorque obteve 70.000 doses de hidroxicloroquina, 10.000 doses de zitromax e 750.000 doses de cloroquina para testes de drogas para tratar pacientes infectados pelo vírus do PCC.

Cloroquina e hidroxicloroquina são drogas anti-malária prescritas para tratar outras condições, como a artrite.

“Também estamos implementando o medicamento experimental”, disse Cuomo em comunicado, acrescentando: “Adquirimos essas instalações, obtemos os suprimentos, salvaremos vidas. Se não o fizermos, perderemos vidas. Não pretendo ser excessivamente dramático, mas quero ser honesto e esse é o simples fato desse assunto”.

Cuomo acrescentou que a FDA agiu rápido para fornecer a Nova Iorque o suprimento de medicamentos para uso em ensaios.

“Quero agradecer ao FDA por agir muito rapidamente para obter esse suprimento. O presidente ordenou que a FDA agisse e a FDA agiu”, disse Cuomo no anúncio, acrescentando:” O presidente está otimista sobre esses medicamentos e todos estamos otimistas de que ele possa funcionar. Falei com várias autoridades de saúde e há uma boa base para acreditar que eles poderiam funcionar”.

O governador do estado de Nova Iorque disse que algumas autoridades de saúde são incentivadas pela baixa taxa de infecção do COVID-19 na África no contexto do uso generalizado de medicamentos anti-malária lá e do uso potencial desses medicamentos em outros lugares.

“Na verdade, pode ser uma das razões pelas quais a taxa de infecção é baixa na África”, disse Cuomo. “Não sabemos, mas vamos descobrir e vamos descobrir rapidamente. E eu concordo com o presidente sobre isso e vamos começar e começaremos na terça-feira”.

O presidente Donald Trump defendeu a hidroxicloroquina, a cloroquina e o remdesivir antiviral, em uma entrevista coletiva na semana passada, levando Hahn a esclarecer que os remédios antimaláricos ainda não foram aprovados para tratamento de pacientes com COVID-19, mas estão sendo estudados em vários ensaios. Duas empresas disseram na semana passada que estavam aumentando a produção de hidroxicloroquina para combater o vírus do PCC.

Epoch Times Photo
O presidente Donald Trump fala durante uma coletiva na James Brady Press Briefing Room na Casa Branca em Washington, no dia 21 de março de 2020 (Tasos Katopodis / Getty Images)

Hahn disse na quinta-feira que, embora o antimalárico tenha se mostrado promissor no tratamento de pacientes e já esteja sendo estudado como um possível tratamento com COVID-19 por pesquisadores da Universidade de Minnesota, ele ainda não foi aprovado para uso em pacientes com a nova doença.

“Muitos americanos leram estudos e ouviram relatos da mídia sobre esse medicamento, a cloroquina, que é um medicamento antimalárico. Já foi aprovado, como o presidente disse, para o tratamento da malária e também para uma condição de artrite. Essa é uma droga que o presidente nos instruiu a examinar mais de perto, se uma abordagem de uso expandido pode ser feita para realmente ver se isso beneficia os pacientes”, disse Hahn.

Alguns produtos farmacêuticos são prescritos por médicos, mesmo que não sejam aprovados para usos específicos pela Food and Drug Administration (FDA) no que é conhecido como uso off label.

“Da perspectiva da FDA, uma vez que a FDA aprova um medicamento, os profissionais de saúde geralmente podem prescrever o medicamento para uso não aprovado quando julgam que é um medicamente apropriado para o paciente”, afirma a FDA em seu site.

O uso off label inclui o uso de um medicamento para uma doença ou condição médica que não está aprovado para o tratamento.

Perguntado se a agência apoia o uso off-label de cloroquina, um porta-voz da FDA observou um comunicado de imprensa divulgado no final do dia que afirma: “Embora não exista terapêutico ou medicamento aprovado pela FDA para tratar, curar ou prevenir a COVID-19, existem vários tratamentos aprovados pela FDA que podem ajudar a aliviar os sintomas de uma perspectiva de cuidados de suporte”.

De acordo com dados coletados pela Universidade Johns Hopkins, na segunda-feira às 13:00 ET, havia 41.026 infecções confirmadas por COVID-19 nos Estados Unidos e 479 mortes.

Zachary Stieber contribuiu para esta reportagem.

Siga Tom no Twitter: @OZImekTOM

 
Matérias Relacionadas