Nova Iorque: Departamento de Educação promove livro sexualmente explícito no evento nacional da leitura

O departamento diz que não estava ciente dos materiais explícitos depois de aparentemente julgar o livro pela capa

Por Bill Pan 

O Departamento de Educação do estado Nova Iorque (NYSED, em suas sigla em inglês) promoveu nas redes sociais um livro em quadrinhos que contém ilustrações de adolescentes realizando sexo oral, somente para remover a postagem e alegar desconhecimento do conteúdo sexual explícito no livro.

Em uma série de postagens na terça-feira, o NYSED celebrou a “Leitura pela América” deste ano, um evento de leitura promovido pela Associação Nacional de Educação, o maior sindicato de professores dos Estados Unidos. Uma das postagens apresentou a bibliotecária do estado de Nova Iorque, Lauren Moore, que recomendou aos jovens leitores o livro de 2019 “Gênero Queer: Uma Memória”.

Em uma postagem no dia 2 de março de 2022, o Departamento de Educação do Estado de Nova Iorque recomendou o livro “Gênero Queer” de Maia Kobabe (Facebook)
Em uma postagem no dia 2 de março de 2022, o Departamento de Educação do Estado de Nova Iorque recomendou o livro “Gênero Queer” de Maia Kobabe (Facebook)

“Escolhi ‘Gênero Queer: Uma Memória’ de Maia Kobabe. Sou grato por livros que deixam meu filho saber que não está sozinho”, dizia a publicação, agora excluída, citando a bibliotecária de Albany.

Criado por Maia Kobabe, uma cartunista californiana que usa os pronomes e/em/eir, “Gênero Queer” gerou ampla controvérsia nos últimos meses em vários estados como Flórida, Texas e Virgínia, onde os pais expressaram preocupação com as representações gráficas de atividades sexuais de adolescentes no livro e exigiu sua remoção das bibliotecas escolares.

Em outubro de 2021, o grupo de defesa conservador Independent Women’s Voice, com sede na Virgínia, produziu um anúncio de TV contendo cenas de sexo oral de “Gênero Queer” em um esforço para aumentar a conscientização entre os pais. O anúncio foi rejeitado por ser explícito demais para ser veiculado tarde da noite, com algumas estações da Virgínia não dispostas a transmitir, mesmo com as imagens borradas. Aqueles que tentaram compartilhar imagens do livro no Facebook ou Instagram também encontraram suas postagens sinalizadas por violar as políticas contra a pornografia.

Pouco depois, o NYSED excluiu as postagens sobre o livro de seu Facebook e outras contas de mídia social. O departamento agora diz que não estava ciente dos materiais explícitos depois de aparentemente julgar o livro pela capa.

“O SED não estava ciente da natureza gráfica do conteúdo do livro, o que não é aparente em seu título”, disse o departamento em comunicado. “Assim que tomamos conhecimento, removemos imediatamente a postagem. O SED está investigando as circunstâncias em que este título foi selecionado e publicado”.

No entanto, esta não é a primeira vez que bibliotecários de Nova Iorque promovem “Gênero Queer”. Em um artigo de 2020, a Biblioteca Pública de Nova Iorque elogiou o livro como uma “autobiografia intensamente catártica” que traça a jornada de autoidentidade do autor não-binário, que inclui “a mortificação e confusão de paixões adolescentes, lutando com como sair do armário para a família e a sociedade, criando laços com amigos sobre fanfics gays eróticas e enfrentando o trauma e a violação fundamental dos exames de Papanicolau”.

“Iniciado como uma maneira de explicar à família o que significa ser não-binário e assexual, Gender Queer é mais do que uma história pessoal: é um guia útil e tocante sobre identidade de gênero – o que significa e como pensar sobre isso – para defensores, amigos e humanos em todos os lugares”, dizia o artigo.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas