‘Nós simplesmente não sabemos’ como nos defender contra um possível míssil hipersônico chinês, afirma embaixador dos EUA

China tem, ou está perto de ter, uma arma capaz de escapar das defesas dos EUA e atingir o país

Por Andrew Thornebrooke

Uma nova reportagem investigativa do Financial Times afirmou que a China lançou um míssil hipersônico com capacidade nuclear, que circulou a Terra em uma órbita baixa antes de viajar e errar por pouco um alvo de teste. O regime chinês negou oficialmente as conclusões da reportagem, dizendo que o objeto em questão era uma nave espacial.

O embaixador do desarmamento dos EUA, Robert Wood, disse que Washington está preocupada com o possível uso de armamento hipersônico pela China e disse que os Estados Unidos não desenvolveram um meio de combatê-lo.

“A tecnologia hipersônica e suas potenciais aplicações  militares é algo que nos preocupa, e temos evitado persegui-la, tínhamos evitado perseguir aplicações militares para esta tecnologia”, disse Wood em uma entrevista coletiva em Genebra em 18 de outubro.

“Mas vimos a China e a Rússia perseguindo ativamente o uso e a militarização dessa tecnologia, então estamos apenas tendo que responder na mesma moeda… Simplesmente não sabemos como podemos nos defender contra essa tecnologia. Nem a China, nem a Rússia.”

Uma arma sem réplica

A reportagem do Financial Times, que citou cinco pessoas familiarizadas com o assunto, e a réplica subsequente da China, criou agitação em partes da comunidade de inteligência dos Estados Unidos, que parecia despreparada para a notícia de que a China estava avançada em seus esforços para desenvolver capacidades hipersônicas. Outros, no entanto, ficaram menos surpresos.

“A pesquisa e o desenvolvimento de armas hipersônicas estão em andamento na China há décadas”, disse Rick Fisher, pesquisador sênior do Centro Internacional de Avaliação e Estratégia. “Em 2019, o Exército de Libertação do Povo revelou a primeira arma HGV [veículo de deslizamento hipersônico] de médio alcance, seu sistema de mísseis armados com HGV DF-17”.

“Assim, relatos de que a China combinou um sistema de ataque HGV com um Sistema de Bombardeio Orbital Fracionado (FOBS) devem ser levados muito a sério.”

Os HGVs são veículos altamente manobráveis ​​que saltam ou “deslizam” até um alvo após serem colocados em órbita baixa por um foguete propulsor. FOBS é um sistema teorizado pela primeira vez na União Soviética, no qual um míssil entra em órbita baixa antes de atingir seu alvo, ao invés de formar um arco para fora da órbita antes de voltar à superfície.

A combinação das duas tecnologias é importante porque, ao contrário de um míssil balístico intercontinental tradicional (ICBM) que sai da atmosfera e entra usando um arco previsível, o design HSV / FOBS permite que uma carga útil ataque com alcance quase ilimitado de qualquer direção uma vez em órbita, negando efetivamente os sistemas tradicionais de alerta antecipado.

De acordo com Fisher, isso levanta uma bandeira vermelha, já que atualmente os Estados Unidos não têm capacidade de se defender contra um ataque que usa essa tecnologia.

“Em ICBMs, as armas HGV são capazes de manobras muito rápidas e precisas que podem ajudar a derrotar as defesas de mísseis, supondo que tenhamos interceptores de mísseis anti-HGV, o que atualmente não é o caso”, disse Fisher.

“Quando os HGVs se armam aos novos sistemas FOBS chineses, que acabaram de ser testados, você combina um sistema de ataque projetado para evitar a detecção baseada em solo dos EUA com uma ogiva de ataque que é muito difícil de derrubar.”

“Há indícios de que a China pretende armar seus ICBMs com várias ogivas HGV, o que aumenta seu alcance e também sua capacidade de derrotar qualquer defesa dos EUA.”

A Rússia concluiu o desenvolvimento de seu próprio HGV, apelidado de “Avangard”, em 2019. Essa arma é capaz de voar a Mach 20, cerca de 24.000 quilômetros por hora. A Coreia do Norte, de forma semelhante, testou sua própria arma hipersônica em setembro. Os Estados Unidos também têm investido pesadamente no desenvolvimento de capacidades hipersônicas nos últimos anos.

Dado um ambiente tão rico em ameaças, é difícil determinar quão genuína foi a surpresa da comunidade de inteligência, já que Fisher disse que aqueles que a conhecem podem não a estar divulgando.

“É difícil determinar ‘surpresa’ na comunidade de inteligência porque a compartimentação é seu modo de vida”, disse Fisher. “Aqueles que podem falar com jornalistas não são necessariamente aqueles que teriam sido informados sobre os desenvolvimentos do PLA”.

Independentemente disso, a alegada capacidade é algo a ser contestado, já que a combinação de HGV e FOBS significaria que a China tem, ou está perto de ter, uma arma capaz de escapar das defesas dos EUA e atingir o país.

Nave espacial ou míssil?

Para aumentar a confusão em torno do relatório, estava a firme negação de Pequim de que tal arma pudesse existir.

Zhao Lijian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, disse à mídia que a reportagem do Financial Times era imprecisa e disse que o objeto era uma nave espacial projetada para explorar a possibilidade de utilizar tecnologia reutilizável para reduzir os custos das missões espaciais da China.

O regime chinês intencionalmente torna difícil para a comunidade internacional avaliar seus testes de armas, e esse pode ser o caso aqui. Isso porque o Partido Comunista Chinês e seu braço militar, o Exército de Libertação do Povo, utilizam a chamada política de duplo uso, garantindo que projetos comerciais e científicos também proporcionem benefícios militares.

A discussão sobre se a China testou um míssil hipersônico ou uma nave espacial fornece um excelente exemplo dessa política em ação, já que os programas espaciais e de mísseis da China usam foguetes da família “Longa Marcha” para alcançar a órbita. Portanto, qualquer teste para melhorar o programa espacial da China também melhora seu programa de mísseis e vice-versa.

Fisher observou que alguns especialistas argumentam que todos os veículos de lançamento espacial da China deveriam ser contados como sistemas de ataque estratégico, já que o programa espacial da China e todos os seus locais de lançamento pertencem e são administrados pelos militares chineses.

Ele também observou que as contagens públicas dos ICBMs da China atualmente não os contam como tal.

“É razoável perguntar: o PLA realmente teve muitas centenas de ‘ICBMs’ por muito tempo?” disse Fisher.

A política de restrição dos EUA ‘falhou’

Fisher disse que o suposto teste da China de um míssil hipersônico com capacidade nuclear foi uma tentativa de ultrapassar as capacidades dos EUA e efetivamente subverter a eficácia da próxima geração de tecnologias de defesa antimísseis dos Estados Unidos.

“Combinar HGVs e FOBS é uma maneira pela qual a China está respondendo preventivamente a qualquer decisão dos EUA de aumentar a defesa antimísseis do país americano”, disse Fisher.

“Eles estão tentando derrotar as defesas de mísseis dos EUA que ainda não foram desenvolvidas ou implementadas.”

Esse é aparentemente o motivo da preocupação de Washington. Conforme afirmado por Wood, simplesmente não existe um contra-ataque a um sistema de mísseis hipersônicos com capacidade nuclear que poderia atacar em qualquer lugar da Terra.

Para mitigar tal ameaça, Fisher disse que os Estados Unidos deveriam buscar sistemas de defesa baseados no espaço que pudessem detectar e destruir HGVs durante a “fase de impulso”, antes que eles alcançassem a órbita e se tornassem imprevisíveis para os sistemas de rastreamento tradicionais.

Antes que isso aconteça, no entanto, Fisher disse que os Estados Unidos precisam considerar o fracasso de sua política de longa data de não construir defesas antimísseis adequadas como meio de encorajar a não proliferação.

“Durante décadas, e esta ainda é a política dos EUA, não construímos defesas antimísseis para impedir que as ogivas nucleares chinesas e russas vaporizem os americanos”, disse Fisher. “[Fizemos isso] para não dar a eles uma desculpa para iniciar uma corrida armamentista nuclear.”

“A contenção americana nesta questāo falhou.”

 

 
Matérias Relacionadas