Nomeação da China para o painel do Conselho de Direitos Humanos da ONU atrai fortes críticas

A UN Watch, um grupo de direitos humanos de Genebra, denunciou a nomeação como "absurda e imoral"

Por Cathy He

O regime chinês foi nomeado para um painel do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (ONU) que ajuda a selecionar investigadores para os direitos da agência, apesar de sua longa história de abusos graves contra os direitos de grupos religiosos, dissidentes e minorias étnicas.

Jiang Duan, ministro da missão da China na ONU em Genebra, foi nomeado em 1º de abril para ser o representante Ásia-Pacífico do Grupo Consultivo do Conselho, composto por cinco membros.

O grupo examina os candidatos ao papel de especialistas independentes que pesquisam e relatam situações de direitos humanos em países específicos ou sobre tópicos como liberdade religiosa ou liberdade de expressão.

A UN Watch, um grupo de direitos humanos de Genebra, denunciou a nomeação como “absurda e imoral”.

“Permitir que o regime opressivo e desumano da China escolha investigadores globais sobre liberdade de expressão, detenção arbitrária e desaparecimentos forçados é como tornar um incendiário o chefe dos bombeiros da cidade”, disse Hillel Neuer, diretor executivo da UN Watch em um comunicado de imprensa em 2 de abril.

Os Estados Unidos e organizações de direitos humanos costumam chamar o Partido Comunista Chinês de um dos principais abusadores de direitos humanos e liberdades religiosas. Juntamente com a perseguição de grupos religiosos, como praticantes do Falun Dafa, cristãos, budistas tibetanos e muçulmanos uigures, também reprime aqueles que criticam o Partido ou falam sobre questões consideradas sensíveis pelo regime socialista.

Durante os primeiros estágios do surto em Wuhan, as autoridades chinesas silenciaram os médicos que tentaram soar o alarme sobre o vírus e os repreenderam por “espalharem boatos”.

“Enquanto o mundo sofre com a pandemia mortal de coronavírus que se espalhou como um incêndio florestal em Wuhan, enquanto a China silenciou médicos, jornalistas e outros cidadãos que tentaram soar o alarme, qual era a lógica para Pequim estar envolvida na eleição do próximo monitor global da ONU sobre o direito à saúde?”, Disse Neuer.

A participação no Conselho de Direitos Humanos de 47 países tem sido minuciosa ao longo dos anos. Os Estados Unidos se retiraram da agência em 2018, e a então embaixadora da ONU Nikki Haley os chamou de “protetor de violadores dos direitos humanos e fossa de preconceito político”.

“O Conselho de Direitos Humanos se tornou um exercício de hipocrisia vergonhosa, com muitos dos piores abusos de direitos humanos do mundo ignorados e alguns dos criminosos mais graves do mundo sentados no próprio conselho”, disse o Secretário de Estado para Estados Unidos Mike Pompeo na época.

Pompeo nomeou China, Cuba e Venezuela como alguns dos piores violadores de direitos humanos presentes no conselho.

 
Matérias Relacionadas