No massacre comunista, idosos e crianças não foram poupados

No massacre de Daxing o mais velho cidadão assassinado tinha 80 anos e o mais novo tinha apenas mais de um mês

Por Jack Phillips

Em poucos meses, será o 100º aniversário da Revolução Bolchevique comunista na Rússia e vale a pena revisitar um incidente que ocorreu décadas depois na China governada pelos comunistas durante a Revolução Cultural.

Em uma noite em 1966, logo após a Revolução Cultural ter sido lançada, gangues de Guardas Vermelhos comunistas armados com cassetetes e outros instrumentos grosseiros espancaram e estrangularam até a morte centenas de aldeãos nos arredores de Pequim. A Revolução Cultural, que durou de 1966 até 1976 – quando o então líder Mao Zedong morreu – ceifou a vida de milhões de pessoas através de assassinatos em massa e, segundo Hu Yaobang, ex-secretário geral do partido, “quase 100 milhões de pessoas foram exterminadas, ou seja, um décimo da população chinesa”.

No distrito de Daxing, cerca de 324 pessoas foram assassinadas em agosto de 1966, de acordo com o número oficial de mortos. Em uma retrospectiva feita pelo The Economist há mais de uma década, o aldeão Fu Yueying descreve como os habitantes locais foram rotulados como “elementos malignos” pelos Guardas Vermelhos porque supostamente vinham de famílias de proprietários de terras. Fu disse que ela foi poupada pela multidão porque seu “histórico de classe” foi considerado adequado.

Colocando o massacre em perspectiva, a estatística oficial do Partido Comunista Chinês sobre o massacre da Praça da Paz Celestial em 1989 é de 200 a 300 pessoas assassinadas (no entanto as estimativas do número real variam muito, mas muitas colocam o extremo em cerca de 1.000).

O alcance total dos danos causados ​​pela Revolução Cultural, em que Mao tentou reformular completamente a sociedade e a cultura chinesa, é difícil de medir. Mao e seus aliados pediram aos jovens chineses que destruíssem os chamados quatro velhos: pensamento, hábitos, cultura e costumes.

Em termos de supressão, quase uma década depois, investigações internas do Partido determinaram que 4,2 milhões foram detidos e mais de 1,7 milhão morreram de causas não naturais. Estatísticas compiladas externamente, no entanto, estimam 7,73 milhões de mortes não naturais.

De acordo com o relato do líder chinês Mao Zedong sobre a Revolução Cultural, “depois do caos, o mundo alcança a paz, mas em 7 ou 8 anos, o caos precisa acontecer novamente”.

O massacre de Daxing foi certamente um caos. Não poupou bebês ou idosos: o mais velho cidadão assassinado tinha 80 anos e o mais novo tinha apenas mais de um mês.

Yu Luowen, em “Investigação do Massacre de Daxing”, escreveu:

Bater em uma pessoa até a morte era uma cena comum. Na rua Shatan, um grupo de guardas vermelhos do sexo masculino torturou uma velha com correntes de metal e cintos de couro até ela não poder mais se mexer, e ainda uma guarda vermelha saltou sobre seu corpo e pisou em seu estômago. A velha morreu no local. … Perto de Chongwenmeng, quando os guardas vermelhos revistaram a casa de uma “esposa do senhorio” (uma viúva solitária), eles forçaram cada vizinho a trazer uma panela de água fervendo até o local e derramaram a água fervendo no pescoço da velha senhora até que seu corpo estivesse cozido.

Vários dias depois, a velha senhora foi encontrada morta no quarto, e seu corpo estava coberto de vermes. … Havia muitas maneiras diferentes de matar, incluindo espancar até a morte com bastões, cortar com foices e estrangular até a morte com cordas. A maneira como eles matavam os bebês era a mais brutal: o assassino havia pisado em uma perna de um bebê e puxado a outra perna, rasgando o bebê ao meio.

O massacre de Daxing foi parte de uma série de assassinatos em massa ligados à Revolução Cultural em torno de Pequim, segundo Wang Youqin, da Universidade de Chicago, citado no The Economist. Os soldados da Guarda Vermelha mataram 2.000 moradores de Pequim em duas semanas.

Mao instou a população a “ser violenta” e seus colaboradores aparentemente aplaudiram os assassinatos. Lin Biao, em um discurso de 1966, pediu às pessoas que aproveitassem as “fontes de produção” dos “latifundiários”, apesar do PCC ter confiscado muitas terras privadas em campanhas anteriores, de acordo com o Washington Post de Daxing, três décadas depois.

“É claro que não aprovamos as massas atacando e matando pessoas. Se as massas sentirem um profundo ódio por uma pessoa má e não pudermos contê-las pela persuasão não iremos insistir na questão”, disse o ministro da Segurança Pública, Xie Fuzhi, à polícia em 1966.

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes ainda não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde que surgiu.

Veja toda a série de artigos aqui.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
Matérias Relacionadas