No aniversário da Praça da Paz Celestial, Taiwan diz que China continua encobrindo o massacre

Por Reuters

A China continua a encobrir a verdade sobre a sangrenta repressão aos manifestantes pró-democracia em torno da Praça da Paz Celestial há 30 anos, disse o presidente de Taiwan na terça-feira, antes das vigílias na região para comemorar o evento.

Terça-feira marca 30 anos desde que as tropas chinesas abriram fogo para acabar com a agitação dos estudantes em Pequim.

Students in Tiananmen Square protests
Estudantes pedindo democracia na China na Praça da Paz Celestial, Pequim, China, em junho de 1989 (Fornecido por Liu Jian / The Epoch Times)

As autoridades chinesas proíbem qualquer comemoração pública e nunca divulgaram o total de mortos. Estimativas de grupos de direitos humanos e testemunhas variam de centenas a milhares de vítimas.

“O governo chinês não só não tinha planos de se arrepender  do erro do passado, como também continuou a encobrir a verdade”, disse a presidente de Taiwan Tsai Ing-wen em um post Facebook.

“Por favor, esteja tranquilo – Taiwan definitivamente defenderá a democracia e a liberdade. Independentemente das ameaças e da infiltração, enquanto eu for a presidente, Taiwan não se curvará à pressão ”, disse ela.

O post, que foi acompanhado por uma caricatura de Tsai segurando uma vela, também expressou preocupação pela “erosão da liberdade” da China em Hong Kong, que retornou ao domínio chinês em 1997 sob a fórmula “um país, dois sistemas”.

A democrática Taiwan tende a usar o aniversário da Praça da Paz Celestial para criticar a China e pedir que ela enfrente suas ações. A China alega que Taiwan é um território sagrado, a ser retomado pela força, se necessário.

Os comentários de Tsai vieram antes de grandes vigílias à luz de velas na região, incluindo em Taipei e Hong Kong, para comemorar os eventos de 1989 que continuam sendo um tabu na China.

Thirty years. One postage stamp, quickly withdrawn. Can you spot it?

Posted by Ethan Gutmann on Monday, June 3, 2019

Pequim aumentou a supressão governamental do ativismo pelos direitos, empurrando as metas originais dos manifestantes para mais longe do que nunca.

O fornecedor de informações financeiras Refinitiv, sob pressão do governo da China, retirou do Eikon as notícias da Reuters relacionadas ao 30º aniversário da repressão da Praça da Paz Celestial.

O governo de Tsai exortou Pequim na segunda-feira a “se arrepender sinceramente” pela repressão de Praça da Paz Celestial, enquanto um jornal chinês disse que ninguém na China estava interessado em arrastar o passado.

A China suspeita que Tsai e seu partido governista empurrem a independência formal para Taiwan, que é uma linha vermelha para a China.

De Yimou Lee

 
Matérias Relacionadas