Navios chineses ‘saquearam’ lulas de Galápagos, representando 99% da atividade pesqueira: aponta estudo

Embarcações chinesas "aparentemente desativam seus dispositivos públicos de rastreamento", fornecem informações contraditórias sobre as embarcações e práticas "potencialmente suspeitas"

Por Debora Alatriste

Cerca de 300 navios chineses “saquearam” lulas das Ilhas Galápagos, responsáveis ​​por 99% da atividade pesqueira na reserva, de acordo com um estudo de um mês conduzido por uma organização sem fins lucrativos.

A Oceana – uma organização internacional sem fins lucrativos dedicada à conservação do oceano – publicou uma investigação na quarta-feira alegando que os navios chineses têm pescado principalmente lulas em Galápagos, após analisar dados de 13 de julho a 13 de agosto.

As lulas são essenciais para a alimentação de espécies de Galápagos, como focas, tubarões-martelo, peixes-bico e atum, disse a organização. Os navios de bandeira chinesa foram pesquisados através de uma ferramenta de mapeamento chamada Global Fishing Watch, criada pela Oceana em conjunto com o Google e a SkyTruth.

A Oceana registrou mais de 73.000 horas totais de pesca aparente, o que significa que 99% da atividade pesqueira visível ao largo das Ilhas Galápagos foi realizada principalmente por navios chineses.

“Por um mês, o mundo observou e se perguntou o que a enorme frota pesqueira chinesa estava fazendo nas ilhas Galápagos, mas agora sabemos”, disse a Dra. Marla Valentine, analista de pesca ilegal e transparência da Oceana.

“Infelizmente, esta é apenas a ponta do iceberg quando se trata do impacto da enorme frota de pesca em águas distantes da China em nossos oceanos”, acrescentou Valentine, observando que esta situação em Galápagos deve levantar “sérias questões e preocupações” sobre o impacto nos oceanos.

Por outro lado, a Oceana também descobriu que as embarcações chinesas “aparentemente desativam seus dispositivos públicos de rastreamento”, fornecem informações contraditórias sobre as embarcações e práticas “potencialmente suspeitas”.

O subsecretário de Estado em exercício para Assuntos do Hemisfério Ocidental, Michael G. Kozak, falou sobre o recente no Twitter, criticando os navios da China.

“[Para] onde quer que esta frota vá, [os] ecossistemas e [os] meios de subsistência estão em perigo. A China deve parar as práticas de pesca insustentáveis, o não cumprimento e a destruição deliberada do meio ambiente”, escreveu Kozak, observando que os EUA estão trabalhando com parceiros na região para“ proteger a pesca e os empregos que dependem dela”.

De acordo com o Índice de Pesca Ilegal, Não Declarada e Não Regulada (IUU), que classifica os países pesqueiros entre 1 – melhor desempenho – e 5 – pior desempenho – a China tem o pior desempenho de todos os países, com uma pontuação de 3,93.

Em 16 de julho, a Marinha Nacional do Equador informou por meio de comunicado que cerca de 260 navios estrangeiros operavam na costa das Ilhas Galápagos, nos arredores da Zona Econômica Exclusiva Insular (ZEEI), que se estende a até 370 quilômetros das ilhas.

No entanto, o número de embarcações aumentou com o passar dos dias, já que, em 7 de agosto, a Marinha do Equador constatou durante uma patrulha que havia 340 embarcações na área.

Os Estados Unidos já haviam falado abertamente sobre as práticas ilegais de pesca de navios chineses e conclamado o Partido Comunista Chinês (PCC) a “ser transparente”.

“Relatos de mais de 300 embarcações chinesas perto de Galápagos desativando sistemas de rastreamento, mudando nomes de embarcações e deixando detritos marinhos são muito preocupantes”, escreveu Mike Pompeo no Twitter.

Enquanto o embaixador do PCC no Equador, Chen Guoyou, rejeitou as alegações, dizendo que os barcos pesqueiros cumpriam os regulamentos internacionais e nenhum havia sido denunciado por pesca ilegal, de acordo com a Reuters.

No entanto, muitos não confiam na resposta superficial do regime chinês.

“Essas embarcações operam sem observadores a bordo, não voltam ao porto, fazem o transbordo do pescado para os navios-mãe, que desembarcam nos portos. Então elas estão, simplesmente, pescando o tempo todo, a operação de pesca não para”, disse Pablo Guerrero, diretor de conservação marinha do WWF Equador ao The Guardian.

Segundo Guerrero, entre as embarcações chinesas estão fornecedores de combustível, barcos de pesca, reefers e alguns barcos de camuflagem sem registro.

Com informações da repórter Pachi Valencia.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas