Navio espião chinês circula na costa da Austrália há três semanas

Acredita-se que a embarcação seja um navio espião capaz de monitorar comunicações e sinais de radar

Por Nina Nguyen

Um navio espião chinês tem circulado na Austrália há três semanas coletando informações da costa, levantando questões de segurança, já que o ministro da defesa da Austrália advertiu que o país está enfrentando a mudança mais dramática em seu ambiente estratégico desde a Segunda Guerra Mundial.

O Navio de Inteligência Yuhengxing entrou na zona econômica exclusiva de 200 quilômetros da Austrália perto de Darwin, em agosto e setembro, abraçando a costa e rumando para o sul até Sydney. Ele passou por várias áreas militares importantes, antes de cruzar o Mar da Tasmânia para a Nova Zelândia.

Acredita-se que a embarcação da classe Dongdaio seja um navio espião, que é capaz de monitorar comunicações e sinais de radar e o espectro eletromagnético, além de empregar outros métodos de vigilância, como sensores ópticos.

Um porta-voz da Defesa relatou ao Epoch Times que o governo está ciente da entrada do navio nas zonas marítimas da Austrália, mas afirma que a China tem o direito de “exercer a liberdade legal de navegação e sobrevôo em águas internacionais e espaço aéreo”, assim como a Austrália.

“Eles ficaram fora de nossas águas territoriais”, declarou o ministro da Defesa, Peter Dutton, ao programa Nine’s Today. “Eles não infringiram nenhuma lei”.

Navio australiano Sua Majestade (à direita) monitorando o navio espião chinês (à esquerda) em agosto de 2021 (Força de Defesa da Austrália / Fornecido)
Navio australiano Sua Majestade (à direita) monitorando o navio espião chinês (à esquerda) em agosto de 2021 (Força de Defesa da Austrália / Fornecido)

O primeiro-ministro Scott Morrison, observou que, embora a China tenha “todo o direito de estar lá”, nenhuma de suas atividades estava abaixo do radar: “Não pense por um segundo que não estávamos de olho neles enquanto eles tentavam ficar de olho em nós”.

Morrison afirma que foi criticado pela forte postura que assumiu nas questões com a China, mas este incidente mostrou que “a Austrália tem que ser capaz de se levantar, e isso requer muita força”.

“Nunca há tempo para fraqueza quando se trata de liderar um governo federal, especialmente em um momento em que você está lidando com essas questões de segurança muito significativas e os desafios econômicos que temos”, declarou ele a repórteres em Adelaide, na sexta-feira.

A China havia enviado previamente navios militares para monitorar exercícios de treinamento de defesa, como o Talisman Saber na costa leste, em julho, e três navios de guerra chineses navegaram no porto de Sydney sem avisar, na véspera do aniversário do Massacre da Praça Tiananmen.

Mas o envio do regime de sua marinha, desta vez, foi visto como um movimento incomum, pois não havia exercícios ou simulações de guerra ocorrendo.

As atividades de espionagem da China em países estrangeiros e seu domínio na região do Indo-Pacífico foram consideradas alguns dos fatores cruciais que levaram a Austrália a formar o AUKUS, a nova aliança de segurança com os Estados Unidos e a Grã-Bretanha.

Sob o pacto, os três países cooperarão em “capacidades cibernéticas, inteligência artificial, tecnologias quânticas e capacidades submarinas adicionais”, enquanto os Estados Unidos e a Grã-Bretanha ajudarão a equipar a Austrália com submarinos de propulsão nuclear.

“Sem surpresas aqui, todos querem ter a oportunidade de obter um pouco de informação extra, se puderem”, afirmou o tesoureiro, Josh Frydenberg, à Seven Network.

“Firmamos parcerias estratégicas como a AUKUS com dois parceiros valiosos e confiáveis ​​que compartilharão a tecnologia mais avançada com nossas forças de defesa e com nosso pessoal de segurança.”

Primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison (esquerda) e o secretário de defesa dos EUA, Lloyd Austin (direita), participam de uma reunião no Pentágono, em 22 de setembro de 2021, em Arlington, Virgínia (Drew Angerer / Getty Images)
Primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison (esquerda) e o secretário de defesa dos EUA, Lloyd Austin (direita), participam de uma reunião no Pentágono, em 22 de setembro de 2021, em Arlington, Virgínia (Drew Angerer / Getty Images)

Enquanto isso, o ministro da Defesa, Peter Dutton, alertou que as ações da China se tornaram “cada vez mais alarmantes”, já que a força de batalha do regime mais que triplicou de tamanho nas últimas duas décadas, visando tornarem-se a maior marinha do mundo.

“Hoje, enfrentamos a mudança mais significativa em nosso ambiente estratégico desde a Segunda Guerra Mundial”, declarou ele durante o National Press Club, em Canberra, observando que todas as grandes cidades australianas estão ao alcance dos mísseis da China.

Embora o regime chinês afirme que deseja paz, cooperação e desenvolvimento, houve uma “desconexão significativa entre as palavras e as ações, com a retórica e a realidade conhecida”, afirmou Dutton.

“Se você olhar para o que está acontecendo no Indo-Pacífico no momento, e ver o crescimento do Partido Comunista da China, precisamos ser realistas sobre a ameaça agora e ao longo das próximas décadas”, declarou ao programa 7.30 da Australian Broadcasting Corporation.

“Não faz sentido enfiar a cabeça na areia fingindo que isso não está acontecendo. Queremos paz prevalecente em nossa região.”

A embaixada chinesa na Austrália rapidamente respondeu com uma declaração contundente emitida na tarde de quinta-feira, acusando Dutton de pregar um “mal-entendido falso sobre política externa da China”.

O comunicado afirma que a relação China-Austrália não melhorará se o governo australiano não mudar suas políticas.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas