Navio de guerra russo pega fogo no Mar Negro após ataque ucraniano

“Conduzir travessias em um ambiente contestado é uma manobra altamente arriscada e fala da pressão que os comandantes russos estão sofrendo"

Por Jack Phillips 

Um navio russo pegou fogo depois de ser atingido no Mar Negro e foi forçado a retornar ao porto, afirmou um oficial ucraniano na sexta-feira.

Serhiy Bratchuk, porta-voz da Administração Militar Regional de Odesa, apoiada por Kiev, disse aos canais de notícias que “como resultado das ações de nossos marinheiros, o navio de logística Vsevolod Bobrov, um dos mais novos da frota russa, pegou fogo. Dizem que está [sendo rebocado] para Sebastopol”.

A Ucrânia disse que o navio de logística foi atingido perto de Snake Island, um posto avançado pequeno, mas estratégico, perto da fronteira marítima da Ucrânia com a Romênia. O Epoch Times não pôde verificar imediatamente as alegações e a Rússia não emitiu uma declaração sobre o suposto incidente.

Em abril, o navio da marinha russa Moskva foi destruído no Mar Negro, com autoridades ucranianas assumindo a responsabilidade. Moscou disse que foi causado por um incêndio de munição.

Isso ocorreu enquanto as forças militares ucranianas na parte leste do país destruíram uma quantidade “significativa” de tanques russos e outros veículos blindados durante uma tentativa de atravessar um rio, segundo o Ministério da Defesa do Reino Unido em uma atualização operacional publicada na sexta-feira.

“As imagens indicam que, durante a travessia do rio Siverskyi Donets, a oeste de Severodonetsk, a Rússia perdeu elementos de manobra blindados significativos de pelo menos um grupo tático do batalhão, bem como o equipamento de ponte de pontão”, escreveu o ministério em uma publicação no Twitter.

Autoridades ucranianas divulgaram fotos que supostamente mostravam mais de duas dúzias de tanques russos queimados e outros veículos blindados perto do rio Siverskyi Donets, no leste da Ucrânia.

“Conduzir travessias de rios em um ambiente contestado é uma manobra altamente arriscada e fala da pressão que os comandantes russos estão sofrendo para progredir em suas operações no leste da Ucrânia”, escreveu o Ministério da Defesa do Reino Unido na sexta-feira.

No entanto, acrescentou: “As forças russas não conseguiram fazer avanços significativos, apesar de concentrar forças nesta área após a retirada e redistribuição de unidades dos oblasts de Kiev e Chernihiv”.

Ao mesmo tempo, autoridades da Suécia e da Finlândia emitiram comentários públicos sugerindo que as duas nações estariam dispostas a se juntar à OTAN, atraindo alertas de Moscou. Juntar-se à aliança militar ocidental de 30 nações acabaria com a neutralidade que os dois estados mantiveram durante a Guerra Fria e promoveria a expansão da OTAN que Putin disse que sua invasão da Ucrânia visava impedir.

Embora o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, tenha dito anteriormente que a organização gostaria de receber sua entrada na aliança militar, o estado membro da Turquia indicou que não apoiaria sua oferta.

“Estamos acompanhando os desenvolvimentos relativos à Suécia e à Finlândia, mas não temos uma opinião favorável”, disse o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, para repórteres na sexta-feira.

A Reuters contribuiu para esta reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas