‘Não temos medo’: milhares de cubanos saem às ruas em manifestação contra ditadura

Por Pachi Valencia

Milhares de cubanos de diferentes províncias saíram às ruas neste domingo para protestar contra o regime de Castro com gritos de “Abaixo a ditadura!” e “Não temos medo”.

Várias manifestações contra o regime cubano vêm ocorrendo em San Antonio de Los Baños, Bauta, Cárdenas e Palma Soriano desde a manhã de domingo.

Com frases como “Abaixo o comunismo”, “Não temos medo”, “Pátria e Vida”, os cubanos gritavam enquanto caminhavam pacificamente pelas ruas. Os vídeos e imagens do protesto estão sendo veiculados ao vivo nas redes sociais, porém, alguns vídeos foram retirados da plataforma logo em seguida.

“Contra o povo você não pode. Não tenha medo. Todos juntos são imparáveis ​​”, comentou um internauta. “Chega de abusos e repressão, um povo sem sonhos sem esperança enquanto eles vivem como capitalistas”, disse outro.

Este protesto ocorre em meio a uma grave crise econômica e de saúde no país caribenho, onde há uma preocupante falta de alimentos, remédios e outros produtos básicos.

A ativista cubana Rosa María Payá compartilhou um vídeo do protesto e fez um alerta ao regime: “Castro, @DiazCanelB, não se atreva a reprimir! O mundo inteiro está assistindo ”,  tuitou ela em 11 de julho.

Uma fonte da região disse à agência Efe que o serviço de internet em telefones celulares foi cortado. Durante algumas transmissões de usuários nas redes, eles também afirmaram que a polícia do regime começou a pegar celulares e agredir fisicamente os manifestantes.

“A polícia não está deixando ninguém circular nas ruas”, disse uma fonte anônima ao El Nuevo Herald. “Quem sai para a rua aqui é espancado até a morte, Matanzas está cheio de policiais”.

Este é o maior protesto antigovernamental que se registra na ilha desde o chamado “maleconazo”, quando em agosto de 1994, em plena “época especial”, centenas de pessoas foram às ruas de Havana e não partiram até a chegada do então líder do regime cubano, Fidel Castro.

 

Esta notícia está em desenvolvimento.

Com informações da EFE.

Siga Pachi no Twitter: @pachivalencia

 

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

 
Matérias Relacionadas