Não se comova nem com favores ou humilhação, assim chega a alegria

Chen Meigong, da Dinastia Ming (1368-1644), publicou os seguintes versos no livro ‘Janela Serena e Sombria’: “Nem favor nem humilhação trazem surpresa alguma; uma pessoa observa ingenuamente como as flores desabrocham e murcham no jardim. Nem o movimento nem a quietude despertam qualquer preocupação; ela observa casualmente o dobrar e o desdobrar das nuvens no céu.”

Estes versos significam que quando uma pessoa trata tudo ao seu redor como um evento cotidiano, como o nascer e o murchar das flores, não se surpreenderá ao ser humilhado ou ao ser bem tratado. Somente se puder manter ou abandonar uma posição naturalmente, tal como o dobrar e o desdobrar das nuvens, não lhe importarão suas perdas e nem os ganhos.

Em outras palavras: se uma pessoa não é afetada pelas perdas, nem está preocupada com os bens materiais; se não se surpreende quando a tratam bem ou a humilham, nem se inquieta se é promovida ou demitida de seu emprego, esta pessoa poderá tomar todas as coisas levemente, alcançar a calma interior, e se assimilar a ordem natural das coisas.

Xiang Minzhong (948-1019), poeta da Dinastia Song do Norte (960-1127), era conhecido por sua integridade. Imperturbável pela fama ou fortuna, desempenhou o papel de Chanceler durante o reinado do Imperador Zhenzong entre os anos 997-1022.

O dia que o Imperador Zhenzong deu a ordem de promover Xiang Minzhong a Chanceler dos Funcionários, encarregando-o de todos os funcionários da corte Imperial, Li Zong, um funcionário responsável pela elaboração de decretos imperiais, estava trabalhando no escritório do Imperador Zhenzong quando este expressou: “Durante o meu reinado, nunca havia estabelecido o cargo de Chanceler dos Funcionários, esta é uma nomeação especial. Minzhong deve estar feliz.”

Li disse: “Tenho estado de plantão aqui todos os dias. Não sabia que Sua Majestade tinha dado a ordem. Tampouco estou certo de como Minzhong reagiu.”

“Deve haver uma grande multidão felicitando-o em sua casa”, pensou Zhenzong. “Visite-o e amanhã me informe, mas não diga a ele que eu o enviei.”

Antes de chegar à sua porta, Li esperou até que o Chanceler Xiang retornasse a casa depois de completar as atividades oficiais do dia. Quando se foi o último convidado, e o pátio ficou em silêncio, Li entrou imediatamente e felicitou-o, dizendo: “Sua Majestade nomeou-o hoje Chanceler dos Funcionários. Todos os funcionários estão satisfeitos. A nação inteira está celebrando.” Xiang simplesmente confirmou o que havia ouvido com a cabeça, mas não fez nenhum comentário.

Li continuou, “Sua Majestade nunca ordenou esta posição de prestígio desde o início do seu reinado. É uma excelente honra e uma benção imperial para você.” Xiang só disse algumas poucas palavras para corresponder o elogio.

Li não estava certo do que havia na mente de Xiang. Ele tentou lembrar os funcionários renomados que ao longo da história tiveram posições semelhantes e classificou Xiang entre estes. Mas Xiang novamente permaneceu em silêncio.

Li terminou a sua visita e se retirou; antes de sair, pediu a seus seguidores para verificar com o pessoal da cozinha de Xiang se eles estavam preparando um banquete para comemorar com a família e os amigos o novo título. Porém, descobriu-se que a ordem foi para realizar-se um jantar frugal como de costume.

No dia seguinte, Li voltou a trabalhar na residência do Imperador, que imediatamente perguntou sobre sua visita à casa de Xiang na noite passada. Li fez uma descrição completa ao Imperador.

Zhenzong sorriu, “Xiang Minzhong é realmente daqueles que atribuem pouca importância a um título oficial. Nem os favores nem a humilhação o comovem.”

Historicamente, a ascensão de categoria ou a acumulação de riqueza foram consideradas bons motivos para comemorar. No entanto, Xiang tomou isto levemente e permaneceu tranquilo, apesar da nova posição ter lhe dado prestígio e honra.

Na cultura tradicional chinesa, acredita-se que ter fama e ser promovido não se compara com defender o país, arriscando a vida no campo de batalha. Quando uma pessoa toma suas próprias coisas levemente, coloca sempre seus interesses atrás dos de seus compatriotas, só neste caso o reino pode ser expandido.

Hoje muitas pessoas vivem sob estresse e, muitas vezes nos perguntamos o porquê. Enquanto a sociedade avança, estamos mais angustiados, menos atenciosos e nos frustramos facilmente. De fato, a sociedade avança, e parece que a civilização avança. No entanto, o homem está cada vez mais isolado da natureza e muitas vezes este desenvolvimento conduz a danos irreparáveis ao meio ambiente.

A atração pelo dinheiro, a luta pelo poder e os altos e baixos pessoais são realmente estressantes. Satisfações e reclamações, sucessos e insucessos, perdas e ganhos trazem alegria, tristeza, espanto, surpresa, medo e preocupação. Quando os desejos e as expectativas não são satisfeitos, alguns se tornam deprimidos ou mesmo chegam a suicidar-se.

Parece que Xiang pouco se importava com as perdas e ganhos pessoais, já que a fama e os títulos não lhe tiravam o sono, sua vida pôde ser pacífica e alegre.

Fan Zhongyan (989-1052), renomado mestre da prosa na Dinastia Song do Norte, escreveu em ‘Notas no Pavilhão de Yueyang’: “Não se apega aos benefícios materiais, não sente tristeza por seu destino. Quando trabalha na corte imperial, se preocupa com as pessoas em lugares distantes. Quando navega nos rios e lagos remotos, está preocupado com o Imperador e suas políticas. Se ficar preocupado quando é promovido ou quando é demitido. Então, quando sentirá alegria?”

Este artigo pertence a série “Histórias da antiga China”; para ler outros artigos da série, clique aqui.

 
Matérias Relacionadas