‘Não à política de gênero’: pais da Virginia protestam contra movimento pró-transgêneros nas escolas primárias

"Ativistas de todo o país não estão apenas perseguindo as mentes das crianças, mas também seus corpos, e estão fazendo isso nas primeiras idades. Eles estão sexualizando crianças”

Por Terri Wu 

Condado de Fairfax, Virgínia— pais protestaram na quinta-feira contra os últimos esforços das escolas públicas do condado de Fairfax para incluir tópicos pró-transgêneros, de identidade de gênero e de educação sexual no ensino fundamental, assim como novas regras para disciplinar os alunos a se referir a uma pessoa transgênero pelo nome ou gênero preferido da pessoa. Essas mudanças podem ser votadas pelo conselho escolar em junho.

Se aprovados, se referir a uma pessoa com seu antigo nome ou identidade de gênero, poderá ocasionar em até cinco dias de suspensão fora da escola e encaminhamento à aplicação da lei para alunos do ensino fundamental.

Na reunião do conselho de quinta-feira, a mãe do condado de Fairfax, Misty Lombardo, pediu que o conselho sediasse uma discussão presencial para debater as mudanças propostas no manual de funções e responsabilidades dos alunos antes da votação.

“Enviamos nossos filhos para suas escolas para receber educação, não para serem doutrinados por suas crenças políticas”, disse ela aos membros do conselho. “Pare de tentar usurpar o papel dos pais na vida de nossos filhos. Eleve o nível educacional, respeite a Constituição dos Estados Unidos e apenas ensine nossos filhos a ler, escrever e fazer contas”.

A mãe do condado de Fairfax, Misty Lombardo, fala na reunião do conselho escolar do condado, em Falls Church, na Virgínia, em 26 de maio de 2022 (Terri Wu/ Epoch Times)
A mãe do condado de Fairfax, Misty Lombardo, fala na reunião do conselho escolar do condado, em Falls Church, na Virgínia, em 26 de maio de 2022 (Terri Wu/ Epoch Times)

Enquanto isso, o Comitê Consultivo do Currículo de Educação para a Vida Familiar do condado (FLECAC) recomendou que o conselho escolar inclua tópicos de identidade de gênero no currículo de educação sexual do ensino fundamental. Essa mudança proposta seguiu um movimento semelhante em 2015, quando as Escolas Públicas do Condado de Fairfax adicionaram tópicos transgêneros aos currículos das séries 7 a 10.

As novas recomendações da FLECAC podem ser votadas em 30 de junho para implementação já neste outono. A FLECAC é um comitê composto por professores, administradores escolares, funcionários do escritório central e membros da comunidade nomeados pelo conselho escolar, equipe de liderança administrativa e departamento de saúde do condado.

A FLECAC também recomendou combinar as aulas atuais de meninos e meninas em sessões “combinadas de gênero” e revisar os objetivos para as séries 4 a 7 para se referir a meninos e meninas como “homens e mulheres designados no nascimento” e a puberdade como algo “experimentado pela maioria dos indivíduos”.

“O que aconteceu é que ativistas de todo o país não estão apenas perseguindo as mentes das crianças, mas também seus corpos, e estão fazendo isso nas primeiras idades. Eles estão sexualizando crianças”, disse Asra Nomani, membro sênior de uma conservadora da rede sem fins lucrativos Independent Women’s Network, ao Epoch Times.

Ela acrescentou: “Eles estão forçando as crianças a fazer escolhas sobre gênero e sexualidade que elas nem conseguem entender. Eles têm como alvo crianças de 5 e 6 anos de idade sobre questões complicadas quando elas não podem nem escovar os dentes. E isso é um crime contra a humanidade”.

Pais protestam o mais recente impulso pró-transgêneros das Escolas Públicas do Condado de Fairfax nas políticas escolares fora da reunião do conselho escolar do condado, em Falls Church, na Virgínia, em 26 de maio de 2022 (Terri Wu/Epoch Times)
Pais protestam o mais recente impulso pró-transgêneros das Escolas Públicas do Condado de Fairfax nas políticas escolares fora da reunião do conselho escolar do condado, em Falls Church, na Virgínia, em 26 de maio de 2022 (Terri Wu/Epoch Times)

Na reunião anterior do conselho escolar, em 12 de maio, Willow Woycke, membro do conselho da Associação de Educação Transgênero e membro da FLECAC, disse que as sessões combinadas de gênero ajudariam estudantes trans, assim como estudantes cisgêneros e heterossexuais.

“É uma aula de saúde”, disse Woycke. “As pessoas que têm medo têm a opção de optar por deixar seus filhos de fora. As pessoas que têm medo sempre criticam o que é ensinado, não importa o que é ensinado ou como é ensinado”.

Kathleen Gillette-Mallard, moradora do condado de Fairfax, disse ao Epoch Times que o currículo do condado “normaliza o anormal”. Gillette-Mallard recentemente se aposentou de seu trabalho de apoio ao programa educacional no campus da Igreja da Universidade de Virginia Falls.

A ParentAndChild.org, um grupo de pais do condado de Fairfax que começou em 2015, revisa o currículo do condado a cada ano.

Segundo o diretor da organização, John Murray, algumas das lições do currículo do condado eram boas. O grupo deu notas de revisão “verdes” em mais de uma dúzia das aulas de 2021–2022, uma cor que indica que o conteúdo da aula é “aceitável para a maioria dos pais”.

No entanto, ao analisar todas as lições como um todo, Murray não encontra “quase nenhuma discussão sobre por que você gostaria de se casar e ter filhos, dessas 74 lições sobre sexualidade humana”. Na sua opinião, o currículo incentiva as relações sexuais.

Embora o currículo tenha chamado sua atenção pela primeira vez em 2015, quando os tópicos transgêneros foram adicionados ao ensino médio, ao longo de seus dez anos de trabalho com um centro local de recursos para gravidez, ele disse que viu os resultados de tal educação sexual além do transgênero: gravidez conjugal, maternidade solteira e aumento de doenças sexualmente transmissíveis.

Antes da aposentadoria, Murray trabalhou na gestão de emergências para o governo federal. Ele também é um tenente-coronel aposentado que voou pela Guarda Aérea Nacional por 20 anos.

Ele disse que essa não deve ser vista como a única causa de problemas em alunos expostos a muitas influências sociais. Mas “a escola é um lugar onde os alunos aprendem a verdade”, disse Murray.

“Ele [o currículo] vai basicamente levar você na direção errada”, disse ele ao Epoch Times. “E um sistema escolar fazer isso, é imperdoável”.

O Epoch Times entrou em contato com as Escolas Públicas do Condado de Fairfax para comentários.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas