Nações Unidas: um fracasso mal-intencionado

"A ONU é uma criação de vencedores destinada tanto a preservar a paz como também manter a dominação mundial"

Por David T. Jones

“As Nações Unidas, nossa última esperança em um momento em que os instrumentos de guerra superaram em muito os instrumentos de paz, renovamos nosso compromisso de apoio — a fim de evitar que se torne um mero fórum para a reprovação, de fortalecer sua defesa do novo e do fraco, e expandir o escopo no qual ele pode exercer seu mandato” — John F. Kennedy, discurso de posse, 1961.

Mas se essas palavras pretendiam ser mais do que um exagero hipócrita, o mundo em 2018 está em uma situação perigosa, e a ONU contribuiu para essa condição em vez de aliviá-la.

Para entender como a ONU chegou a esse ponto, vamos analisar seu contexto. Fundada em 1945 por 51 países após a Segunda Guerra Mundial, a ONU “está comprometida em manter a paz e a segurança internacionais, desenvolvendo relações amistosas entre as nações, promovendo o progresso social e melhorando os padrões de vida e os direitos humanos”.

O site da ONU descreve seus principais objetivos:

• manter a paz no mundo;
• desenvolver relações amistosas entre as nações;
• ajudar as nações a trabalhar em conjunto para melhorar a vida dos pobres, vencer a fome, a doença e o analfabetismo, e promover o respeito pelos direitos e liberdades dos outros; e
• ser um centro para harmonizar as ações das nações para alcançar esses objetivos.

Estes são objetivos contra os quais ninguém se atreve a se opor.

De forma mais realista, a ONU é uma criação de vencedores destinada tanto a preservar a paz como também manter a dominação mundial. Os cinco membros permanentes originais do Conselho de Segurança, com direito de veto sobre todas as ações relacionadas à segurança, são a República da China (atual República Popular da China), a França, o Reino Unido, a URSS (agora Rússia) e os Estados Unidos. Em termos político-militares, trata-se de um “equilíbrio de candelabro” no qual três ou quatro atores podem impedir a ação agressiva dos demais.

Apesar do fraco poder nacional da França; da implosão da guerra civil na República da China, que levou à dominação comunista; e da fraqueza terminal do Império Britânico, o sistema até funcionou de início.

Os membros da Assembleia Geral no entanto eram manipuláveis e os aliados latino-americanos outorgaram aos Estados Unidos uma influência significativa. Para responder à invasão do Sul por parte da Coreia do Norte em 1950, os Estados Unidos orquestraram uma resolução na Assembleia Geral “unidos pela paz” que, combinada com o lamentável erro de Moscou de boicotar as atividades da ONU, permitiu aos Estados Unidos criar um Comando das Nações Unidas para resistir à agressão de Pyongyang. Talvez essa tenha sido a última ação bem-sucedida da ONU relacionada à segurança.

Pessoalmente, fui uma vez um defensor axiomático da ONU e acreditei em seu mito. No ensino médio, participei de e ganhei um concurso em minha cidade sobre as Nações Unidas, patrocinado pela ordem fraternal dos Odd Fellows. O prêmio foi uma semana em Nova Iorque para visitar e estudar as Nações Unidas, ao final do qual eu, sem dúvida, sabia mais sobre a ONU como nunca antes ou depois.

No turismo complementar, até aprendi quem está enterrado no túmulo de Grant. Ao voltar para casa, os Odd Fellows organizaram uma reunião durante a qual eu compartilhei minhas experiências, e fui convidado a comer torta de maçã “à la mode”, uma primeira e deliciosa experiência culinária.

No entanto, na década de 1960, as coisas haviam mudado. A descolonização gerou uma avalanche de países que finalmente triplicaram o número de membros da Assembleia Geral, adotando posições políticas essencialmente hostis aos interesses dos Estados Unidos. Ao longo da década de 1960, Washington tentou obstruir os esforços para tornar Pequim a representante da “China”, mas foi derrotado em 1971.

Além disso, durante uma ação militar prolongada no sudeste da Ásia, a ONU não demonstrou simpatia pelos objetivos regionais dos Estados Unidos.

Não demorou muito para que os norte-americanos considerassem que a presença da ONU em Nova Iorque gerava uma multidão de estrangeiros rudes que não pagavam suas multas de estacionamento e também consideravam que a burocracia da ONU era uma fonte de empregos confortáveis em áreas opacas, pagos principalmente com as contribuições dos Estados Unidos.

E, na geração passada, Washington teve problemas especiais com a Assembleia Geral (AGNU) e o Conselho de Segurança. Durante a última década, a AGNU condenou implacavelmente Israel por seu relacionamento com os palestinos. Em dezenas de resoluções, conduzidas pelo bloco árabe-muçulmano, a Assembleia Geral das Nações Unidas produziu críticas indiferenciadas a Israel, ao mesmo tempo em que destacava os objetivos palestinos. Mesmo assim, derrotamos qualquer resolução do Conselho de Segurança que criticasse Israel sem denunciar as ações dos militantes palestinos.

Washington também teve problemas com o Conselho de Direitos Humanos da ONU (UNHRC). Seus 47 membros devem “promover e proteger os direitos humanos em todo o mundo”. Seus membros, no entanto, incluem violadores dos direitos humanos, como China, Egito, Paquistão, Cuba e Venezuela. Ao longo de sua existência, dedicou mais resoluções a criticar Israel do que a todos os outros países juntos. Em 19 de junho de 2018, os Estados Unidos retiraram-se do UNHRC, acusando-o de preconceito contra Israel e de não responsabilizar os violadores de direitos humanos.

Em essência, Washington renunciou às Nações Unidas; é uma “conversa de trabalho” ritualizada para trocar insultos em vez de alcançar objetivos relacionados à segurança.

Em 1994, como embaixador da ONU durante um recesso, John Bolton disse: “O edifício da Secretaria em Nova Iorque tem 38 andares […]. Se perdesse dez andares, não faria nenhuma diferença”. Agora, como assessor de Segurança Nacional, deve-se presumir que a opinião de Bolton não mudou.

David T. Jones é funcionário aposentado do Departamento de Estado que publicou várias centenas de livros, artigos, colunas e resenhas sobre questões bilaterais entre os Estados Unidos e o Canadá e sobre política externa geral. Durante uma carreira que durou mais de 30 anos, ele se concentrou em questões político-militares, servindo como assessor de dois Chefes de Estado-Maior Conjunto do Exército. Entre seus livros está “Alternativa da América do Norte: O que o Canadá e os Estados Unidos podem aprender um com o outro”

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Epoch Times

 
Matérias Relacionadas