Na falta de combustível, Cuba aumenta a queima de pneus usados

A ilha cubana enfrenta uma escassez de combustível desde setembro

Por Anastasia Gubin

A empresa cubana Cementos Cienfuegos S.A. está queimando pneus fora de uso para produzir energia e economizar combustível.

Os planos econômicos da empresa prevêem que a queima de pneus economize pelo menos 5% de coque de petróleo, um produto refinado, o qual a empresa planeja importar cerca de 100.000 toneladas, informou o jornal estatal do regime cubano Granma.

A ilha cubana enfrenta uma escassez de combustível desde setembro. Segundo o jornal Las Américas, Havana foi forçada a adotar medidas de economia, incluindo a diminuição da frequência de viagens de ônibus e trens e a redução do horário de trabalho no setor público, além de priorizar o uso de tração animal na agricultura e transporte de mercadorias.

Isso foi agravado pelas sanções que a administração do presidente Donald Trump está aplicando principalmente contra navios que transportam petróleo e combustível para a ilha da Venezuela.

O objetivo das sanções contra Cuba é “isolar financeiramente o regime cubano. Os Estados Unidos culpam o regime cubano por sua opressão ao povo cubano e apoio a outras ditaduras em toda a região, como o regime ilegítimo de Nicolás Maduro”, disse o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, em setembro passado.

Assim, Washington pretende forçar Havana a renunciar ao apoio que presta ao regime Nicolás Maduro na Venezuela.

Granma informou que o uso de pneus em Cienfuegos foi encomendado por Miguel Díaz-Canel, presidente do regime cubano, durante a visita do governo à empresa na semana passada.

Argumentou-se na época que a medida é para permitir a destruição de inventários nacionais considerados potencialmente contaminados. Também foi dito que, de acordo com especialistas, os pneus usados ​​”produzem a mesma quantidade de energia que a gasolina, entre 25 e 50% a mais que o carvão e entre 100 e 200% a mais que a madeira”.

Oscar Rodríguez, vice-gerente geral de Cienfuegos, disse a Granma que a introdução do uso de pneus, o uso de óleos recuperados e lodo de óleo ajudarão a economia cubana a continuar produzindo com menor consumo de energia.

Carlos López Mesa, vice-gerente técnico, informou que a empresa “ainda está na primeira fase”, do uso de pneus nos quais “entre 130 e 150 pneus de veículos são processados ​​por dia e, até o momento, somam mais de 3600”.

“O objetivo é atingir a figura de 400 pneus por dia.”

Segundo Mesa, “o equipamento que chega para carregar pneus de transporte e retornar com cimento, o que representa custo zero para a fábrica”.

O relatório da Granma indica que Cienfuegos também está queimando lodo de petróleo, resíduos sólidos que geralmente são depositados no fundo de tanques de armazenamento de combustível e poluentes no meio ambiente, num total de cerca de 30.000 litros de óleo usado.

“Um litro de óleo usado pode contaminar uma bacia hidrográfica. No entanto, temos a maneira certa de eliminá-lo ”, afirmou um representante da empresa.

Por outro lado, de acordo com a Agência de Proteção Ambiental (EPA), o pó proveniente das operações de armazenamento e manuseio de coque de petróleo ou coque de animal de estimação, que a empresa cubana está usando representa um grande risco à saúde ao ser inalado.

 
Matérias Relacionadas