Musk se torna maior acionista do Twitter e pergunta: “Vocês querem um botão de editar?”

Musk comprou quase 73,5 milhões de ações do Twitter em março

Por Isabel Van Brugen 

Elon Musk, CEO da Tesla, criou na segunda-feira uma pesquisa no Twitter perguntando aos usuários se eles querem um botão de editar na plataforma, logo após se tornar o maior acionista individual da gigante da mídia social. 

“Vocês querem um botão de editar?” perguntou ele aos usuários da plataforma.

Musk assumiu na segunda-feira uma participação de 9,2 por cento na empresa, de acordo com um documento de valores mobiliários dos EUA. Ele comprou quase 73,5 milhões de ações do Twitter em 14 de março e, de acordo com o preço de fechamento do Twitter em 1º de abril, a participação de Musk na empresa valia US $2,89 bilhões.

O fundador da plataforma, Jack Dorsey, tem uma participação de 2,25% no Twitter.

A pesquisa marca o segundo tweet de Musk depois de se tornar o maior acionista da plataforma de mídia social.

Na segunda-feira, Musk escreveu na plataforma: “oh oi lol”. Essa postagem ganhou muita força no site, recebendo mais de meio milhão de curtidas e quase 50.000 retuítes no momento da publicação.

A notícia da compra fez com que as ações do Twitter disparassem mais de 20 por cento nas negociações de pré-mercado em 4 de abril, aumentando drasticamente o valor da participação de Musk.

Musk publica regularmente na plataforma, onde tem mais de 80 milhões de seguidores.

Semanas antes, Musk questionou a atitude da plataforma em relação à liberdade de expressão.

Musk escreveu no Twitter que “a liberdade de expressão é essencial para uma democracia em funcionamento” e perguntou a seus seguidores se eles acreditam que o Twitter “adere rigorosamente” a esse princípio.

Em um tweet posterior, Musk pediu a seus seguidores que “votem com cuidado”, pois as “consequências desta pesquisa serão importantes”.

Mais de 2 milhões de usuários do Twitter participaram, com 70,4% votando “não”.

Um dia depois, compartilhando os resultados da pesquisa, Musk descreveu o Twitter como “uma praça pública de fato”, acrescentando que “não aderir aos princípios da liberdade de expressão mina fundamentalmente a democracia”, antes de perguntar: “O que deve ser feito?”

O Twitter tem sido repetidamente acusado de censurar alguns pontos de vista minoritários e politicamente conservadores, afirmações que a empresa nega. 

Os usuários do Twitter há muito pedem um botão de edição, e a plataforma de mídia social pareceu provocar, em 1º de abril, que estava “trabalhando em um botão de edição”. 

Em 2019, o líder de produto do Twitter, Kayvon Beykpour, disse que um botão de edição era um recurso “acho que devemos construir em algum momento, mas não está nem perto do topo de nossas prioridades”.

Em janeiro de 2020, Dorsey disse à Wired que o Twitter “provavelmente nunca” lançaria um botão de edição, dizendo que o Twitter começou em 2006 como um serviço de mensagens de texto e que “queríamos preservar essa vibração” que “quando você envia um texto, você realmente não pode voltar atrás”.

O Epoch Times entrou em contato com o Twitter para comentários adicionais.

Tom Ozimek contribuiu para esta reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas