Museu do Futebol: excelente opção de lazer e cultura para todas as idades

Jogo de Pebolim no Museu do Futebol, São Paulo, 9 de janeiro de 2013 (Rodrigo Santos/The Epoch Times)
Jogo de Pebolim no Museu do Futebol, São Paulo, 9 de janeiro de 2013 (Rodrigo Santos/The Epoch Times)

Conhecer melhor a história dos craques do passado e poder se divertir durante mais de uma hora, essa será a principal lembrança que Matheus Fior, 13 anos, levará para Minas Gerais.

Passando férias em São Paulo, Matheus e seu pai, Alexandre Fior, visitaram ontem (9) o Museu do Futebol. “Todos conhecemos a história do Neymar e do Ronaldinho, mas foi aqui que conheci a história do Dadá”, contou Matheus, atleticano de coração.

O Museu do Futebol foi inaugurado em setembro de 2008, fruto de uma parceria entre a Fundação Roberto Marinho e a Prefeitura e Governo de São Paulo.

Está localizado no Estádio Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu, onde preserva em suas linhas originais esse imponente patrimônio público, revelando sua arquitetura, além de tê-la recuperado para dar novo uso a um edifício já existente.

Caleidoscópio na Exposição "Será que foi, seu juiz", Museu de Futebol, São Paulo, 9 de janeiro de 2013 (Rodrigo Santos/The Epoch Times)
Caleidoscópio na Exposição “Será que foi, seu juiz”, Museu de Futebol, São Paulo, 9 de janeiro de 2013 (Rodrigo Santos/The Epoch Times)

São três andares de experiência lúdica, com muitos textos, fotos e recursos multimídia, que transmitem ao público muita emoção, história e interatividade.

Logo na entrada, existe um espaço reservado para exposições temporárias. Até 7 de abril o visitante que for ao Museu poderá conhecer melhor o juiz de futebol, com a exposição “Será que foi, seu juiz?”. Ela mostra toda a história do juiz, além de um jogo onde o visitante assiste três lances reais, e tem 10 segundos para responder qual deveria ser a atitude do juiz. No final você descobre quantos erros e acertos teve.

Seguindo pelo Museu, a primeira parte dele traz a emoção do futebol, com vídeos de torcidas entoando seus gritos e comemorando gols, projetados embaixo da arquibancada do Pacaembu.

Em seguida, na Sala dos Rádios, o visitante pode sintonizar narrações de locutores marcantes do futebol brasileiro, como Ary Barroso, Fiori Gigliotti, e Osmar Santos, entre outros. Cada narração possui um vídeo-animação, feito por computador, para ilustrar o momento do gol.

A parte histórica é a maior do Museu do Futebol, com temas que tratam a origem do futebol, os heróis, o drama vivido pelo Brasil na Copa de 50, uma sala reservada só para a história de Pelé e Garrincha, além da Sala das Copas do Mundo, onde são mostrados os eventos mais importantes que aconteceram durante a Copa, e durante o ano de realização do torneio pelo mundo.

Ainda na parte histórica, há a Sala dos Números e Curiosidades, que mostra, por exemplo, que uma partida entre Portuguesa-SP X Botafogo-RJ em 1954 teve os 22 atletas expulsões por causa de uma briga generalizada. Nessa sala você também encontra o depoimento de 5 mães de juízes da primeira divisão, contando como se sentem quando são ‘homenageadas’ pelos torcedores.

Nesta parte o visitante também pode jogar pebolim (totó, pacau ou FLA-FLU) e aprender sobre os esquemas táticos. Cada mesa possui uma formação de equipe diferente, com um quadro na parede explicando uma por uma. Também é aqui o acesso às arquibancadas do Pacaembu, no único local permitido para fotos no Museu.

Acervo do Museu do Futebol, São Paulo, 9 de janeiro de 2013 (Rodrigo Santos/The Epoch Times)
Acervo do Museu do Futebol, São Paulo, 9 de janeiro de 2013 (Rodrigo Santos/The Epoch Times)

A última parte traz atividades lúdicas e interativas, como o cinema 3D e o Bola Virtual, um jogo com a projeção de um campo de futebol e interação das pessoas com a bola.

Nesta parte final o visitante pode ainda conhecer o Chute a Gol e descobrir a velocidade do seu chute. No momento do chute é feita uma fotografia e, de posse do ingresso, é possível obter uma cópia da imagem virtual pelo site do Museu. Ao término da visita ainda há uma loja de produtos esportivos e um bar.

Tudo isso com total acessibilidade, banheiro para cadeirantes em todos os andares, telefone para surdos, 23 maquetes táteis, áudio-guia e o Programa Deficiente Residente, cujo principal objetivo é atuar na área comportamental, incidindo e transformando o próprio atendimento oferecido pela equipe.

Um verdadeiro parque de diversões para quem gosta de cultura e, principalmente, futebol.

Serviço

Local: Estádio do Pacaembu – Praça Charles Miller, s/n

Preço: R$6,00 inteira; R$3,00 meia (estudantes/aposentados/+ 60 anos)

Gratuidade: Para crianças até 7 anos (mediante a apresentação de documento de identidade), professores da rede pública (Municipal, Estadual ou Federal) com apresentação de holerite e pessoas com deficiência (a gratuidade é estendida para 1 acompanhante). Às quintas-feiras o ingresso é gratuito para todos os visitantes.

Horário: 9h às 18h (a bilheteria fecha às 17h). Consulte horário em dias de jogos.

Estacionamento: na Praça Charles Miller, necessita cartão zona azul. A bilheteria do Museu vende a folha (duração de 3h) por R$3,00.

Mais informações pelo site ou pelo telefone (11) 3664-3848

Epoch Times publica em 35 países em 20 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas