Mundo livre deve traçar uma ‘linha limite’ contra a China comunista, afirma ex-assessor de Pompeo

Por Cathy He, Jan Jakielek

O mundo deve acordar para a intimidação do Partido Comunista Chinês (PCC) e definir suas próprias regras para deter os ataques do regime, disse o ex-assessor sobre China do ex-secretário de Estado Mike Pompeo.

Miles Yu, um acadêmico nascido na China que ajudou a moldar a política da Administração Trump sobre China, criticou a tática do PCC de ameaçar os Estados Unidos para não interferir em assuntos considerados “assuntos internos” do regime, incluindo Hong Kong, Tibete e Xinjiang, apelidados de ” linhas de fronteira”.

“Esta é a ‘linha de fronteira’ do Partido Comunista Chinês, só isso. Eles não possuem limites baseados na lei internacional”, disse Yu em uma entrevista exclusiva ao programa “American Thought Leaders” do Epoch Times.

Recentemente, o principal diplomata do regime advertiu a administração Biden de que “qualquer transgressão acabaria por minar as relações sino-americanas e os próprios interesses da América”.

Quando o regime diz aos países que a questão de Xinjiang é uma “linha de fronteira”, o que realmente está dizendo, de acordo com Yu, é: “Vamos prender um milhão de uigures em campos de concentração, nós os torturamos, suprimimos sua liberdade . ”.

“E vocês, a comunidade internacional, (…) não podem dizer uma palavra de protesto. Do contrário, eles não estão nos respeitando”.

Yu disse que “o mundo tem que acordar para esse tipo de intimidação” e rejeitar essa retórica.

Embora o PCC afirme que os países que desejam responsabilizá-lo pelos abusos dos direitos humanos em Xinjiang estão interferindo na “soberania nacional”, eles não estão, “porque em algum ponto você não pode realmente matar pessoas, cometer genocídio, em nome de soberania”, disse Yu.

Ele exortou a comunidade internacional a estabelecer suas próprias fronteiras contra as depredações do PCC, forçando o regime a obedecer aos padrões internacionais.

Faça a coisa certa

Yu acredita que a administração Trump transformou permanentemente a abordagem dos Estados Unidos em relação à China, reconhecendo a natureza do desafio apresentado pelo PCC, isto é, como a “ameaça central de nosso tempo”, uma descrição freqüentemente usada pelo ex-secretário de Estado.

As administrações anteriores, de acordo com Yu, foram “consumidas” por manter uma “relação fluida” com o regime baseada em uma “estrutura falha”. Esse quadro foi guiado pelo que ele chamou de “sentimento missionário”: a noção de que o engajamento econômico com Pequim levaria a China a se tornar mais democrática e a se tornar um ator responsável no mundo.

“O que fizemos foi tentar mudar a estrutura”, disse Yu. “Em vez de se concentrar em como fazer as coisas certas. Nós nos concentramos em como fazer a coisas bem. ”

Para Yu, a forma de pensar anterior sobre a China era “completamente deslocada”, porque ele não entendia a natureza do regime que governava o povo chinês.

“Nós, no Ocidente, constantemente subestimamos o grau em que a China continua sendo um Partido Comunista”, disse Yu, acrescentando que o PCC é o partido político leninista mais dogmático da história da humanidade.

“Olhe para a política interna deles. Veja sua política internacional. Cada um de seus principais movimentos políticos é motivado por esse tipo de ideologia ”, disse ele, acrescentando que basta ler os discursos dos líderes do PCC para reconhecê-lo. No entanto, os legisladores ocidentais não o levaram a sério.

“Acho que essa é a última deficiência na política externa dos EUA [antes da administração Trump]”, disse ele.

Yu, que cresceu na cidade de Chongqing, no oeste da China, durante a Revolução Cultural, estava em uma posição única para oferecer essa avaliação mais realista do regime. Ele veio para os Estados Unidos como um estudante de intercâmbio em 1985. O massacre da Praça Tiananmen quatro anos depois fez com que Yu se tornasse um estudante campeão da democracia na China.

Ele posteriormente estudou para um doutorado na Universidade da Califórnia, Berkeley, antes de se tornar um Professor de China Moderna e História Militar em 1994 na Academia Naval dos Estados Unidos em Annapolis, Maryland, onde permaneceu, excluindo os últimos quatro anos após a transferência para o Departamento de Estado.

Yu estava na vanguarda do desenvolvimento da política do departamento para a China. No último ano da presidência de Trump, Pompeo tornou-se a face pública da postura dura do governo em relação a Pequim, declarando sanções e outras medidas contra o PCC por seus abusos de direitos humanos, suprimindo as liberdades em Hong Kong, a agressão militar no Mar do Sul da China e as ameaças representadas pela tecnologia chinesa.

Embora um alto funcionário do departamento o elogiasse como um “tesouro nacional”, Yu foi objeto de particular desprezo por parte do regime chinês. A mídia estatal o rotulou como o traidor número um da raça chinesa na história moderna, e o colégio que frequentou em Chongqing removeu seu nome de uma parede de honra.

Captura da elite

Yu disse que uma das “maiores conquistas” não públicas da administração Trump foi ser capaz de minimizar a “influência prejudicial” do lobby da China, que de muitas maneiras se comprometeu com o PCC.

O PCC aproveitou seu controle exclusivo sobre o acesso ao mercado para influenciar empresas e grupos americanos que desejam operar na China. Isso se aplica a lobistas em Washington, que “teriam que ir para a elite do Partido Comunista Chinês para obter qualquer acesso à China”, disse Yu.

“Isso criou uma classe permanente muito prejudicial e muito perigosa”, acrescentou.

Os grupos de pressão entrincheirados exerceram “uma tremenda influência na política externa de nosso país e, em particular, no processo de formulação de políticas para a China”, disse Yu.

Trabalho com aliados

O ex-conselheiro repreendeu aqueles que criticam o governo Trump por ser muito unilateral na execução de suas políticas na China. As autoridades de Biden prometeram trabalhar com aliados para conter as ameaças do regime, que dizem ser um ponto de ruptura do governo anterior.

Yu disse que Pompeo passou “a maior parte do tempo” tentando aumentar a consciência global do desafio da China e construir uma coalizão para combatê-lo.

“Colocamos muitos, muitos esforços para construir essa coalizão multilateral”, disse ele. Mas o governo encontrou muita resistência de outros países desde o início.

“Muitos de nossos amigos e aliados não viam as coisas dessa forma inicialmente”, disse Yu, acrescentando que eles acusaram os Estados Unidos de serem unilaterais. “Mas eles eram os mais unilaterais, porque não queriam participar.”

Só depois da pandemia COVID-19 é que muitos países perceberam a ameaça global, disse ele.

Por exemplo, os Estados Unidos convenceram a OTAN a enfrentar o desafio da China no Indo-Pacífico, disse Yu, algo que seria inconcebível apenas três anos atrás.

Ao mesmo tempo, os Estados Unidos devem ser capazes de tomar a iniciativa de enfrentar o regime, segundo Yu.

“Quando tomarmos a iniciativa, as nações livres nos seguirão”, disse ele.

“Não é porque somos arrogantes. É porque (…) somos o país que tem capacidade (…) de desacelerar a expansão da China no mundo ”.

Yu expressou que as opiniões acima são suas e não representam as da Academia Naval dos Estados Unidos, do Pentágono ou do governo federal.

Siga Cathy no Twitter:  @CathyHe_ET
Siga Jan no Twitter:  @JanJekielek

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas