Mulher possui dois DNAs em seu corpo por ter absorvido irmã gêmea

Ela era obcecada em perguntar a sua mãe se ela tinha uma irmã gêmea na sua infância

Por Catherine Yang, Epoch Times

Desde pequena, Taylor Muhl sempre quis se vestir como suas amigas.

Ela se lembra que, por algum motivo, estava obcecada em perguntar a sua mãe se ela tinha uma irmã gêmea, e ela perguntava o tempo todo, mesmo que estivesse claro que Taylor não tinha nenhuma.

Mas quando começou fazer aulas de dança e a se apresentar com outras garotas da sua idade, ela percebeu que havia algo diferente nela — uma grande mancha na pele no lado de seu tronco, dividida no centro, e que possuía uma cor distintamente diferente.

“[Todo médico] eles atribuíram isso a uma marca de nascença”, disse ela.

Ela não queria ser diferente, ela queria desesperadamente que houvesse alguém como ela.

Ela acreditava que tinha uma irmã gêmea (The Doctors/Youtube)
Ela acreditava que tinha uma irmã gêmea (The Doctors/Youtube)

Então, no início de sua adolescência, Taylor começou a pensar que havia algo mais nessa história.

Ela começou a ficar doente frequentemente. “Nenhum médico conseguia descobrir o que eu tinha”,  lembrou ela.

Taylor estava se tornando extremamente sensível e parecia ser alérgica a tudo.

Ela havia passado por uma série de médicos, e um deles finalmente lhe disse o que era: ela era uma quimera.

Taylor estava se tornando extremamente sensível e parecia ser alérgica a tudo (Taylormuhl/Instagram)
Taylor estava se tornando extremamente sensível e parecia ser alérgica a tudo (Taylormuhl/Instagram)

Quando Taylor estava no útero, havia dois ovos gêmeos fraternos. Mas o ovo dela absorveu o outro.

“Basicamente, significa que eu sou minha próprio irmã gêmea”, disse Taylor aos médicos.

"Basicamente, significa que eu sou minha próprio irmã gêmea", disse Taylor aos médicos (taylormuhl - Instagram)
“Basicamente, significa que eu sou minha próprio irmã gêmea”, disse Taylor aos médicos (Taylormuhl/Instagram)

Ela descobriu então que sua forte intuição na infância — época em que ela insistia em procurar sua irmã gêmea — estava completamente certa.

Isso significa que Taylor tem dois conjuntos de DNA, duas correntes sanguíneas diferentes e dois conjuntos de sistemas imunológicos.

“Eu tenho uma linha reta no meio do meu tronco”, disse ela, apontando a descoloração do seu lado. O que os médicos originalmente pensavam ser uma marca de nascença realmente significava as “células estranhas” que Taylor absorveu de sua irmã gêmea fraterna.

Isso levou os médicos a diagnosticar com mais precisão o que se passava com Taylor. Ela tinha quimerismo, e isso significava que seu corpo estava tratando o DNA e as células de sua irmã como uma matéria estranha da qual precisava se livrar.

Taylor tem dois conjuntos de DNA, duas correntes sanguíneas diferentes e dois conjuntos de sistemas imunológicos (taylormuhl-Instagram)
Taylor tem dois conjuntos de DNA, duas correntes sanguíneas diferentes e dois conjuntos de sistemas imunológicos (Taylormuhl/Instagram)

“O sistema imunológico quer limpar o organismo, se livrar dos corpos estranhos, mas não pode”, disse Taylor. “Então, infelizmente, sofro de muitos surtos auto-imunes. Isso afeta minha vida diária porque sou muito sensível e alérgica a tudo.”

Uma vez que eles foram capazes de diagnosticar corretamente o problema, foi possível iniciar o tratamento (taylormuhl-Instagram)
Uma vez que eles foram capazes de diagnosticar corretamente o problema, foi possível iniciar o tratamento (Taylormuhl/Instagram)

Mas uma vez que eles foram capazes de diagnosticar corretamente o problema, foi possível iniciar o tratamento. Com quimerismo, testes de laboratório padrão voltarão com resultados loucos. Testes como exames de sangue e amostras de DNA foram elaborados sem se levar o quimerismo em consideração — os testes lidavam com um conjunto de DNA, mas Taylor tem dois, então isso precisava ser levado em consideração ao se decifrar os resultados.

A diferença entre saber disso e não saber, ao examinar os resultados dos testes de laboratório, pode determinar um diagnóstico determinante para a vida de Taylor.

Saber o que ela tem também ajudou Taylor a se sentir confiante e confortável com seu próprio corpo. Quando criança, ela tinha uma tremenda vontade de se encaixar e ser como suas outras amigas (taylormuhl-Instagram)
Saber o que ela tem também ajudou Taylor a se sentir confiante e confortável com seu próprio corpo. Quando criança, ela tinha uma tremenda vontade de se encaixar e ser como suas outras amigas (Taylormuhl/Instagram)

Saber o que tinha também ajudou Taylor a se sentir confiante e confortável com seu próprio corpo. Quando criança, ela tinha uma tremenda vontade de se encaixar e ser como suas outras amigas.

Agora ela diz: “Na idade adulta, você sabe que tem que aceitar o que Deus lhe deu.”

 
Matérias Relacionadas