Mulher morre de raro sangramento cerebral após receber vacina contra COVID-19, diz legista

A morte foi registrada como Trombocitopenia Trombótica Induzida por Vacina

Por Jack Phillips 

Um legista no Reino Unido determinou que uma mulher morreu de um efeito colateral causado pela vacina AstraZeneca contra a COVID-19.

A mulher foi identificada como Kim Lockwood, de 34 anos, que se queixou de dor de cabeça oito dias após tomar a injeção, em março de 2021, segundo o legista, de South Yorkshire, Nicola Mundy, relatou à BBC no dia 16 de março.

O legista declarou que sua condição rapidamente se deteriorou, e ela foi declarada morta 17 horas depois de ser internada no hospital, oito dias após receber a injeção.

Mundy disse que Lockwood teve “muito azar” ao desenvolver um sangramento “súbito e catastrófico” em seu cérebro. Sua morte foi registrada como Trombocitopenia Trombótica Induzida por Vacina (VITT), disseram autoridades à emissora.

Um artigo publicado pelo Centro Nacional de Informações sobre Biotecnologia dos EUA diz que a VITT é “definida como uma síndrome clínica” que envolve o “desenvolvimento de trombose em locais incomuns” que incluem trombose do seio venoso cerebral ou trombose venosa esplâncnica. A trombose ocorre quando coágulos sanguíneos bloqueiam veias ou artérias.

A Sociedade Americana de Hematologia, em janeiro de 2022, afirmou que o VITT é marcado por baixa contagem de plaquetas, conhecida como trombocitopenia, e coágulos sanguíneos que geralmente ocorrem nas veias esplâncnicas localizadas no abdômen e no estômago ou nas veias cerebrais localizadas no cérebro.

O marido de Lockwood, Damian, disse às agências de notícias que sua esposa, mãe de dois filhos, reclamou que “sua cabeça parecia que ia explodir”, enquanto seu pai, Wayne Merrill, lembrou suas últimas palavras, que foram que a dor de cabeça estava “na verdade matando-a”.

“A dor de Kim não foi tratada adequadamente, e a família deveria ter sido ouvida”, disse Mundy.

O governo do Reino Unido diz que houve 438 casos relatados de eventos tromboembólicos (coagulação do sangue) e 79 mortes até o momento após receber a vacina AstraZeneca.

No ano passado, autoridades em Edmonton, no Canadá, disseram que uma mulher de 50 anos morreu de VITT depois de receber a vacina AstraZeneca, que envolve duas doses e usa tecnologia de adenovírus. A vacina da AstraZeneca, embora comum em toda a Europa, não foi aprovada pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA.

“Lamento informar … que confirmamos a primeira morte de Alberta por VITT após a vacinação com a vacina AstraZeneca”, escreveu a diretora médica de saúde, Dra. Deena Hinshaw, no Twitter em 4 de maio de 2021. “Minhas sinceras condolências vão para aqueles que sofrem essa perda”.

Funcionários do governo dos EUA e do Reino Unido disseram repetidamente que os benefícios da vacina superam os riscos para a maioria das pessoas.

COVID-19 é a doença causada pelo vírus do PCCh (Partido Comunista Chinês).

Os funcionários da AstraZeneca não responderam até o momento da publicação a um pedido por comentários do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas