Muitos pacientes com coronavírus de Wuhan ainda não têm acesso ao tratamento

“A situação é muito pior do que você pensa. As mortes relatadas por coronavírus são apenas as do tipo repentino, não as pneumônicas”

Por Nicole Hao

Os moradores da cidade de Wuhan, epicentro do surto de coronavírus, pedem ajuda, já que o sistema de saúde transbordante da cidade não pode cuidar de pacientes doentes.

Embora as autoridades tenham liberado quase 10.000 leitos hospitalares em Wuhan, muitos pacientes com coronavírus não puderam receber tratamento hospitalar, segundo relatos de testemunhas oculares. Alguns foram forçados a esperar no frio por horas fazendo fila na frente de hospitais.

As autoridades chinesas relataram dezenas de milhares de infecções e mais de 900 mortes, mas análises de especialistas e os relatos de Wuhan sugerem que o número real de infecções e o número de mortes é muito maior do que o que tem sido oficialmente informado.

O Epoch Times conversou recentemente com a equipe e funcionários de cinco funerárias de Wuhan, que relataram aumentos na demanda, sugerindo que mais pessoas estão morrendo da doença do que tem sido oficialmente relatado.

Esperando no frio

Os Ren, um casal que morava no distrito de Jiang’an, em Wuhan, foram diagnosticados com o coronavírus. Mas a condição do marido era mais grave.

“Meu marido está com febre há mais de 10 dias. Tentamos todos os canais diferentes, mas eles [hospitais e funcionários] nos pediram para esperar”, disse Ren à edição chinesa do Epoch Times em 8 de fevereiro.

“O único tratamento que recebemos é uma injeção no hospital todos os dias”, disse Ren. “Nós vamos ao hospital por conta própria. Temos que ficar várias horas esperando na fila.”

Em 7 de fevereiro, o hospital informou ao casal que o marido poderia ser tratado em um hospital improvisado instalado no Centro Internacional de Conferências e Exposições de Wuhan. Eles rapidamente fizeram as malas e chegaram lá.

“Esperamos horas do lado de fora da porta da frente. Após 1 da manhã em 8 de fevereiro, a equipe disse que o conteúdo de oxigênio no sangue do meu marido era muito baixo e o hospital não podia admitir [porque eles não podiam tratá-lo]”, lamentou Ren.

Ren disse que ouviram falar das más condições das instalações improvisadas, mas esperavam receber pelo menos algum tratamento básico.

No final, ambos não tiveram escolha a não ser voltar para casa.

Técnico de laboratório que trabalha com amostras de pessoas a serem testadas para o novo coronavírus no laboratório "Fire Eye" em Wuhan, China, em 6 de fevereiro de 2020 (STR / AFP via Getty Images)
Técnico de laboratório que trabalha com amostras de pessoas a serem testadas para o novo coronavírus no laboratório “Fire Eye” em Wuhan, China, em 6 de fevereiro de 2020 (STR / AFP via Getty Images)

Ônibus pegam pacientes

Os Shao vivem no distrito de Hankou, em Wuhan. Shao foi diagnosticado com o coronavírus em 29 de janeiro, mas não pôde receber tratamento porque todos os hospitais estavam cheios.

“No começo, meu marido teve sintomas leves. A situação ficou cada vez pior devido à falta de tratamento”, disse Shao à edição chinesa do Epoch Times em 8 de fevereiro.

Em 7 de fevereiro, Shao foi informado de que ele poderia finalmente receber tratamento em um hospital e o motorista o buscaria em sua casa.

“[O hospital] nos disse que um motorista iria buscá-lo às 16h e pediu para ele esperar na beira da estrada. Mas ninguém apareceu até depois das 18h. Um ônibus grande o pegou e depois pegou outros 30 pacientes mais ou menos a caminho do hospital”, disse Shao.

“Às 10 horas da noite, [meu marido] me disse que ainda estava esperando dentro do ônibus, porque havia vários ônibus [na frente dele] cheios de pacientes esperando [para serem hospitalizados]”, disse Shao.

Situação desesperadora

Os Zhangs vivem no distrito de Jiang’an, em Wuhan. A mãe, pai e filha estão infectados com o vírus.

Os hospitais da região estavam cheios e não podiam acomodar a mãe, disse Zhang em entrevista ao Epoch Times. No entanto, o hospital Hankou disse que ele poderia fornecer injeções para o tratamento de sua mãe.

Em 25 de janeiro, Zhang levou sua mãe ao Hospital Hankou de bicicleta elétrica, pois não havia transporte público depois que a cidade foi fechada.

Em 2 de fevereiro, a condição da mãe se deteriorou. Como ela estava muito doente para se mover, a filha a acompanhou enquanto ela dormia no banco do Hospital Hankou, esperando todas as noites.

Ele morreu na manhã de 5 de fevereiro.

O pai e a filha foram transferidos para diferentes centros de quarentena na noite de 8 de fevereiro.

Zhang disse que muitos pacientes não podem ser hospitalizados devido à falta de espaço, logo a única opção é acampar do lado de fora do hospital – muitas vezes dormindo no chão devido ao grande número de pessoas esperando – esperando a liberação do leito, disse ele.

Chen é do distrito de Qiaokou em Wuhan. Ela disse ao Epoch Times que em sua família de seis membros, apenas seu pai não foi infectado.

“Estou correndo contra o tempo”, disse Chen. Ela mesma também está infectada, mas estava tentando ao máximo encontrar um leito de hospital para a mãe, a mais grave.

Hospital Huoshenshan

O Hospital Huoshenshan foi rapidamente construído após o surto para acomodar o crescente número de pacientes. Em 3 de fevereiro, começou a funcionar como uma instalação dedicada ao tratamento de pacientes críticos. Todo o pessoal do trabalho é do exército chinês.

Em 8 de fevereiro, um usuário anônimo da Internet postou fotos, que ele afirmava pertencer ao Hospital Huoshenshan, na plataforma de mídia social 4Chan. Ele disse que era técnico de laboratório no Hospital Huoshenshan. Para provar sua identidade, ele publicou uma foto, onde alguém em uma luva de laboratório segura uma nota com a data escrita nela.

Ele escreveu em seu post: “A situação é muito pior do que você pensa. As mortes relatadas por coronavírus são apenas as do tipo repentino, não as pneumônicas”.

Ele disse que a equipe transfere pacientes de 200 para 400 quartos todos os dias, mas não está claro para onde os pacientes são enviados. De acordo com o projeto do hospital, cada quarto possui dois pacientes.

“99% dos pacientes pneumônicos foram embora para não voltar”, escreveu ele. “Morte súbita por febre em cerca de 30%, e sem sintomas, mas com um diagnóstico de 5 a 10% de incidência”.

Suas informações de identidade e publicação não puderam ser verificadas independentemente.

 
Matérias Relacionadas