Muitas fábricas de máscaras na China não atendem aos padrões de saneamento e qualidade

Em uma fábrica empoeirada trabalhadores manuseavam máscaras da linha da fábrica com as próprias mãos e sem usar máscaras

Por Cathy He

Um corretor chinês revelou que os trabalhadores de muitas fábricas que produzem máscaras na China não usam máscaras ou luvas durante o manuseio dos produtos, levantando outras questões sobre a qualidade dos suprimentos médicos chineses em meio à escassez global.

Usando o pseudônimo de Chen Guohua, um corretor que facilita a exportação de máscaras fabricadas na China disse à agência de notícias de tecnologia chinesa Tech World que 60% das fábricas não têm ambientes de trabalho estéreis.

Chen lembrou-se de ter visitadouma fábrica empoeirada onde os trabalhadores manuseavam máscaras da linha da fábrica com as próprias mãos e sem usar máscaras.

Quem se atreveria a usar máscaras feitas dessa maneira? Quem ousaria colocá-las em seu rosto? – perguntou o corretor.

As divulgações ocorrem em meio a relatos de equipamentos médicos de baixa qualidade da China, à medida que os países se esforçam para fornecer equipamentos de proteção a trabalhadores de saúde e cidadãos. A China exportou 3,86 bilhões de máscaras, 37,5 milhões de equipamentos de proteção individual, 16.000 ventiladores e 2,84 milhões de kits de teste desde 1º de março, disse o oficial da alfândega Jin Hai à agência de notícias AFP em 4 de abril.

Países como Holanda, Turquia e Espanha reclamaram que alguns suprimentos fabricados na China não atendem aos padrões de qualidade.

Em 28 de março, os Países Baixos disseram ter retirado do mercado cerca de 600.000 máscaras enviadas por um fabricante chinês. Autoridades de saúde holandesas disseram que as máscaras não se encaixavam corretamente ou tinham filtros defeituosos.

Além disso, o Reino Unido disse que buscaria o reembolso de milhões de kits de teste de anticorpos contra vírus encomendados na China depois que um estudo constatou que eles produziram resultados imprecisos, informou o The Telegraph.

Na semana passada, o regime chinês endureceu as regras que regem a exportação de equipamentos médicos em uma tentativa de resolver a situação. As autoridades anunciaram em 31 de março que apenas os fabricantes credenciados para vender seus produtos na China podiam exportar kits de teste, máscaras cirúrgicas, aventais, ventiladores e termômetros infravermelhos.

Desde a mudança da regra, a alfândega chinesa confiscou 11,2 milhões de suprimentos médicos provenientes de fabricantes não credenciados, de acordo com dados alfandegários divulgados em 5 de abril. Isso incluiu 9,9 milhões de máscaras, 155.000 roupas de proteção e 1,08 milhão de kits de teste.

Chen era, até recentemente, um fornecedor de comércio eletrônico, antes de passar a exportar máscaras após receber pedidos crescentes de seus clientes no exterior, à medida que a pandemia piorava fora da China.

Ele disse que a maioria das fábricas que produziam máscaras eram inicialmente fábricas têxteis ou eletrônicas que mudavam rapidamente a produção para atender à crescente demanda, de modo que seus equipamentos e tecnologia frequentemente não atendiam aos padrões.

De acordo com o site de notícias financeiras chinês Sanyan Blockchain, quase 5.500 fabricantes de máscaras foram criadas na China entre 23 de janeiro e 11 de março.

Chen acrescentou que algumas fábricas simplesmente compram o credenciamento necessário para fazer máscaras.

Vídeos das condições insalubres das fábricas também foram divulgados nas mídias sociais chinesas, atraindo críticas de internautas.

Algumas imagens mostram trabalhadores sem luvas enquanto manipulam as máscaras processadas em uma correia transportadora, enquanto um vídeo mostra um homem limpando o sapato com uma pilha de máscaras empilhadas no chão.

 
Matérias Relacionadas