Mudança climática em Netuno pode refletir mudanças sazonais na química atmosférica: estudo

“Tal aquecimento polar nunca foi observado em Netuno antes”

Por Katabella Roberts 

Mudanças dramáticas nas temperaturas na atmosfera do planeta Netuno nas últimas duas décadas podem ser devido a mudanças sazonais na química atmosférica do planeta, ou padrões climáticos aleatórios, entre outros fatores, segundo um novo estudo.

Uma nova pesquisa liderada por cientistas espaciais da Universidade de Leicester e publicada no The Planetary Science Journal mostra um declínio no brilho térmico de Netuno desde que as imagens térmicas confiáveis ​​começaram em 2003.

O estudo viu os cientistas usarem observações em imagens termográficas de infravermelho tiradas ao longo de 17 anos, incluindo aquelas obtidas pelo Very Large Telescope do Observatório Europeu do Sul e o telescópio Gemini South no Chile, entre outros.

Para sua surpresa, eles descobriram uma queda inesperada nas temperaturas globais do planeta em 8 graus Celsius entre 2003 e 2018.

Além disso, várias observações do telescópio Gemini North no Havaí em 2019 e do telescópio Subaru no Japão em 2020 revelaram que essa queda na temperatura foi seguida por um aquecimento dramático do polo sul de Netuno entre 2018 e 2020 em 11 graus Celsius, revertendo efetivamente a tendência de resfriamento média global anterior.

Netuno, o planeta mais distante do nosso sistema solar, tem uma inclinação axial de 28,5 graus, que não é muito diferente da do planeta Terra e, portanto, experimenta estações.

No entanto, devido à sua grande distância do Sol, essas estações duram mais de 40 anos, o que significa que seu hemisfério sul está no verão desde 2005.

“Tal aquecimento polar nunca foi observado em Netuno antes”, escreveram os cientistas em seu estudo.

Os pesquisadores não têm certeza sobre o que está causando as inesperadas mudanças de temperatura estratosférica e observam que suas descobertas “desafiam a compreensão dos cientistas sobre a variabilidade atmosférica de Netuno”.

“Esta mudança foi inesperada”, disse o Dr. Michael Roman, pesquisador associado de pós-doutorado da Universidade de Leicester e principal autor do artigo. “Desde que observamos Netuno durante o início do verão no sul, esperávamos que as temperaturas crescessem lentamente mais quentes, não mais frias”.

O Dr. Glenn Orton, pesquisador sênior de Propulsão a Jato da NASA e coautor do estudo, observou: “Nossos dados cobrem menos da metade de uma temporada de Netuno, então ninguém esperava ver mudanças grandes e rápidas”.

No entanto, os pesquisadores acreditam que as mudanças inesperadas podem ser devido a uma série de fatores, como o ciclo solar do sol, mudanças sazonais na química atmosférica de Netuno – que podem alterar a eficácia com que a atmosfera esfria – ou padrões climáticos aleatórios.

“O ciclo solar de 11 anos (marcado pela variação periódica na atividade do Sol e manchas solares) foi previamente sugerido para afetar o brilho visível de Netuno, e o novo estudo revela uma possível, mas provisória, correlação entre a atividade solar, temperaturas estratosféricas e o número de nuvens brilhantes vistas em Netuno”, escreveram os pesquisadores.

Os cientistas disseram que são necessárias observações de acompanhamento dos padrões de temperatura e nuvens para avaliar a potencial conexão no futuro.

Os pesquisadores disseram que o Telescópio Espacial James Webb (JWST), que deve observar os gigantes de gelo Urano e Netuno ainda este ano, pode fornecer mais informações sobre o fenômeno.

“A sensibilidade requintada do instrumento de infravermelho médio do telescópio espacial, MIRI, fornecerá novos mapas sem precedentes da química e das temperaturas na atmosfera de Netuno, ajudando a identificar melhor a natureza dessas mudanças recentes”, disse Leigh Fletcher, professor de ciência planetária da da Universidade de Leicester e outro coautor do estudo.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas