Mais de 40 movimentos civis rechaçam petição de Lula em carta à ONU

Em sessão extraordinária na noite desta sexta-feira (26) na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), mais de 40 movimentos sociais e entidades civis assinam um documento em repúdio à petição protocolada em julho pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva junto ao Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas contra a Operação Lava Jato. O documento, intitulado ‘Carta a Bem da Verdade em Defesa da Honra do Brasil’, será enviado à ONU.

Na petição, Lula se queixara de supostos abusos da força-tarefa, como a gravação e divulgação de conversas privadas e sua condução coercitiva para um depoimento em 4 de março. A carta classifica a petição como ação política e rechaça a alegação de perseguição judiciária bem como a acusação de golpe sustentadas pela defesa, “uma acusação grave e falsa”.

“Não há qualquer golpe em andamento, nem haverá, todos os procedimentos estão sendo seguidos rigorosamente sob os marcos legais, sendo reprovável e criminosa a atitude do ex-presidente Lula e seus apoiadores ao por em dúvida as nossas instituições e nosso direito de ver a justiça praticada, em prol de interesses pessoais, longe dos princípios éticos mais básicos e inalienáveis inerentes ao exercício da cidadania, e, portanto, deixamos aqui nosso repúdio público a tais atos”, afirma Thomas Korontai, presidente do Movimento Federalista.

Leia também:
Aeronáutica cassa condecorações dos mensaleiros Dirceu e Genoíno
Governo venezuelano instaura campos de trabalho forçado
ABTO condena participação da China em congresso internacional de transplantes

“Este documento é uma reação dos que consideram [a petição da defesa de Lula à ONU] como uma afronta às instituições brasileiras, solapando nossa soberania e pondo em risco o estado de direito e a democracia”, explica.

“Pensando na preservação da soberania nacional e da garantia dos direitos constitucionais, políticos e individuais de todo brasileiro, mais de 40 movimentos reunidos lavram tal documento, a bem da verdade, expondo parte do elenco de acusações ao ex-presidente, várias delas levando-o a ser colocado como réu em processos do Ministério Público Federal, representando mais de dez milhões de brasileiros — que foram às ruas exercer seu direito de protesto e liberdade de expressão — e todos aqueles que pedem um basta ao fisiologismo, à corrupção e as velhas raposas e práticas da política — e de políticos — em nossa República.” A carta será amplamente divulgada e traduzida para vários idiomas.

O ministro do STF Gilmar Mendes e associações de juízes, como a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e a Associação dos Juízes Federais (Ajufe), também consideram juridicamente descabida uma intervenção externa, uma vez que há quatro instâncias em pleno funcionamento que podem revisar decisões do juiz de primeiro grau.

 
Matérias Relacionadas