Motivações de Pequim por trás da agressão militar contra a Índia sob minuciosa investigação

Por Frank Fang

Após um confronto mortal entre tropas indianas e chinesas no leste de Ladakh, no mês passado, que deixou 20 soldados indianos mortos, a motivação de Pequim em aumentar as tensões com seu vizinho do sul passou por um exame minucioso.

A China começou a retirar suas tropas da região em 6 de julho e foi vista desmontando tendas e estruturas em um local no vale de Galwan, perto de onde os últimos combates ocorreram, disseram fontes do governo indiano à Reuters.

Abhijit Singh, ex-oficial da Marinha indiano e chefe de política marítima da Observer Research Foundation em Nova Délhi, disse recentemente ao Epoch Times por e-mail que existem várias teorias por trás do recente ataque militar de Pequim.

“A explicação mais convincente está relacionada à política interna chinesa. Com Pequim sob pressão em casa após a má gestão da crise do coronavírus, muitos analistas indianos acreditam que a China está usando o confronto militar com a Índia para desviar a atenção de suas falhas domésticas”, escreveu Singh.

O encobrimento inicial de Pequim do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), comumente conhecido como o novo coronavírus, foi bem documentado. No final de dezembro, as autoridades silenciaram oito médicos, incluindo o oftalmologista Li Wenliang, depois que publicaram na mídia social chinesa sobre uma nova forma de pneumonia que estava se espalhando na cidade de Wuhan.

Taiwan alertou a OMS sobre o risco de transmissão pessoal do vírus em um email em 31 de dezembro. Pequim não reconheceu abertamente que o vírus estava passando de pessoa para pessoa até 20 de janeiro.

Mais recentemente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alterou suas reivindicações por meses depois de atualizar seu cronograma oficial sobre a pandemia, dizendo que o regime chinês não relatou ao organismo mundial o surto do vírus no final do ano passado.

Singh acrescentou que a motivação de Pequim pode ser motivada por razões econômicas, em particular uma resposta à decisão de Nova Delhi de bloquear o investimento estrangeiro chinês por medo de movimentos predatórios no mercado chinês em meio à atual pandemia.

Em abril, o governo da Índia adotou regras mais rígidas de investimento, exigindo que os países com os quais compartilha uma fronteira terrestre obtenham aprovação prévia do governo.

O Ministério do Comércio da Índia disse que a decisão foi tomada à luz de quaisquer aquisições “oportunistas” de empresas indianas que estavam com dificuldades financeiras devido à pandemia.

Pequim também pode estar reagindo à construção da Índia de uma estrada para qualquer clima que leve a Ladakh, disse Singh, a fim de proteger seus interesses no Corredor Econômico China-Paquistão (CPEC).

A rodovia de 225 quilômetros é de importância estratégica para a Índia. Ele conecta a capital de Ladakh, Leh, com o Passo Karakoram, que corre quase paralelo à fronteira, separando Ladakh da região chinesa de Xinjiang. A pista de pouso da Daulat Beg Oldi, na Índia, com vista para o Karakoram Pass, fica a 8 km da fronteira chinesa e da região de Aksai Chin.

Um carro-chefe da Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI), o CPEC é uma cadeia de projetos de infraestrutura alinhados da cidade de Kashgar, em Xinjiang, aos portos do Paquistão, passando por Aksai Chin e o território paquistanês vizinho da Área de Gilgit Baltistan.

Pequim lançou o BRI em 2013, com o objetivo de aumentar a influência geopolítica através da construção de rotas comerciais que ligam China, Sudeste Asiático, África, Europa e América Latina.

Desde o confronto, políticos, comerciantes e cidadãos comuns da Índia lançaram campanhas para boicotar produtos chineses.

Singh explicou que o boicote foi alimentado pelo sentimento na Índia de que a China “cruzou uma linha vermelha” no último confronto, alimentando o sentimento nacionalista contra o regime chinês.

Singh acreditava que Nova Delhi e Pequim queriam reduzir as tensões. Qualquer conflito que possa se estender da fronteira a uma guerra naval entre Índia e China “não acontecerá em breve”, afirmou.

“No entanto, se as coisas derem errado, a Índia não terá escolha a não ser recorrer aos Estados Unidos”, concluiu Singh.

Em 1º de julho, o Secretário de Imprensa da Casa Branca,Kayleigh McEnany disse a repórteres que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, estava monitorando de perto a situação na Índia e na China, acrescentando que: “Tanto a Índia quanto a China expressaram seu desejo de reduzir a tensão e apoiamos uma resolução pacífica da situação atual”.

“Ele [Trump] disse que a postura agressiva da China ao longo da fronteira Índia-China se encaixa no padrão mais amplo de agressão chinesa em outras partes do mundo. E essas ações apenas confirmam a verdadeira natureza do Partido Comunista Chinês”, concluiu McEnany.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

EUA exigem transparência do PCC diante da COVID-19

 
Matérias Relacionadas