Morre oitavo militar do regime cubano, general reformado do Exército

Por Alicia Marquez

O MINFAR noticiou nesta segunda-feira a morte do oitavo membro do regime cubano, o general reformado do Exército cubano, Arnoldo Ferrer Martínez, que foi combatente durante a liderança do ditador Fidel Castro. As causas de sua morte não foram relatadas.

Arnoldo Ferrer, general de brigada reserva, foi combatente da Coluna 1, sob o comando do líder do regime comunista cubano, Fidel Castro, no combate contra Batista (1952-1959) durante a III Frente Guerrilha “Mario Muñoz” sob o comando do comandante Juan Almeida Bosque até o fim da guerra, informou  o canal estadual do regime do Canal Caribe.

Após o fim da chamada revolução cubana em 1959, Ferrer assumiu responsabilidades dentro das Forças Armadas Revolucionárias (FAR), incluindo chefe da companhia de tanques, batalhão e divisão de infantaria e tornou-se chefe do Estado-Maior da província de La Havana.

Ferrer era membro do Partido Comunista de Cuba, participou em missões estrangeiras em Angola e recebeu várias condecorações, informou a mídia estatal.

Seus restos mortais foram cremados e suas cinzas depositadas no Panteão dos Veteranos da Necrópole de Colón em Havana até serem enviadas ao Mausoléu da Terceira Frente em Santiago de Cuba, porém as causas de sua morte não foram informadas.

Ferrer é o oitavo militar a morrer em quatro semanas desde o primeiro relatório, em 17 de julho , de uma série de mortes de soldados cubanos relatadas pelo regime ou pela imprensa oficial do regime.

No início de um período de 10 dias, o regime cubano anunciou a morte do chefe do Exército Oriental, Agustín Peña; e os brigadeiros generais, Marcelo Verdecia, Rubén Martínez, Manuel Lastres, Armando Choy e Gilberto Cardero sendo os últimos dos seis primeiros. Em nenhum dos primeiros seis casos a causa da morte foi divulgada e todos os corpos foram cremados.

Em 2 de agosto, a mídia estatal Granma noticiou que a sétima morte militar do regime cubano em duas semanas, o combatente Pedro Gerardo Gutiérrez Santos, foi devido a um tromboembolismo pulmonar aos 92 anos na manhã de domingo, 1º de agosto.

Até o momento, Gutiérrez Santos é o único dos 8 casos de mortes de militares em um período de quatro semanas em que as autoridades ou a imprensa do regime divulgaram as causas da morte de um integrante das FAR.

Em entrevista ao Epoch Times em 5 de julho, o empresário cubano Sergio Pino, presidente e fundador do Century Homebuilders Group, que prometeu construir casas para os militares “dar o salto” em favor do povo cubano, disse : “Se esta situação não está resolvida, acredito que mais soldados vão desaparecer com a ditadura ”, em sua perspectiva nos próximos meses após a morte anterior dos sete militares cubanos.

“Entendemos que dentro do exército há muitos soldados que não concordam com o sistema. No entanto, cada vez que a inteligência cubana toma conhecimento de um plano, eles desaparecem ”, acrescentou Pino.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

 
Matérias Relacionadas