Moro ressalta ‘caráter serial dos crimes’ de Eduardo Cunha

No ato da prisão do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o juiz federal Sérgio Moro ressaltou o “caráter serial dos crimes” do peemedebista.

Os critérios utilizados pelo juiz para decretar a prisão de Eduardo Cunha basearam-se no “risco à ordem pública e à instrução do processo” – a acusação é de que ele possui contas bancárias escondidas na Suíça e que essas contas teriam recebido dinheiro de propina do esquema da Petrobras.

Sergio Moro ordenou a prisão de Eduardo Cunha em resposta à solicitação da força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba.

Os procuradores da República afirmaram que “além da ação penal referente a propinas pagas pela compra do campo de Benin, no momento em que teve seu mandato cassado, Eduardo Cunha já respondia a outro processo no Supremo Tribunal Federal por corrupção e lavagem de dinheiro em fatos relacionados à aquisição de navios-sonda da Petrobras”.

Segundo afirma a força-tarefa, o ex-parlamentar federal “figura em diversas outras investigações relacionadas a crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, o que indica que a sua liberdade constitui risco à ordem pública, tendo em vista a reiteração delitiva num contexto de corrupção sistêmica”.

Leia também:
Praticantes do Falun Gong no Brasil marcham contra perseguição na China
Petrobras reduz preço dos combustíveis pela primeira vez desde 2009

Eduardo Cunha foi cassado em 12 de setembro pelo plenário da Câmara dos Deputados pelo motivo de quebra de decoro parlamentar.

Sem o mandato, o peemedebista também perdeu a prerrogativa do foro privilegiado junto ao Supremo Tribunal Federal que, mesmo com o pedido de prisão de Eduardo Cunha proferido pela Procuradoria-Geral da República, não deu a ordem de prisão em momento algum.

Junto ao juiz Moro, os procuradores da República em Curitiba defenderam que deixar o ex-parlamentar em liberdade “representava risco à instrução do processo, à ordem pública, como também a possibilidade concreta de fuga em virtude da disponibilidade de recursos ocultos no exterior, além da dupla nacionalidade (Cunha é italiano e brasileiro)”.

 
Matérias Relacionadas