“Morder a mão que alimenta”

Origem da expressão idiomática 忘恩負義 (wàng ēn fù yì)
A descrição de Zhang Chang sobre o comportamento ingrato de Xu Shun se tornou a expressão idiomática "morder a mão que alimenta" (Chen Zhiching/Epoch Times)
A descrição de Zhang Chang sobre o comportamento ingrato de Xu Shun se tornou a expressão idiomática “morder a mão que alimenta” (Chen Zhiching/Epoch Times)

A expressão idiomática 忘恩負義 (wàng ēn fù yì) pode ser traduzida como “morder a mão que alimenta”. Literalmente, ela significa “esquecer favores e trair a justiça”. No Volume 76 do Livro de Han Antigo [1], há uma história sobre Zhang Chang (?-48 a.C), um erudito distinto e um governador sob o Imperador Xuan da Dinastia Han Ocidental, que ilustra este dizer.

Após implementar muitas políticas que reduziram o crime e a revolta popular na região de Shandong, Zhang Chang foi feito governador do Distrito Metropolitano e passou a integrar os Conselhos de Estado. O Imperador Xuan gostava muito de Zhang, não só porque ele fora capaz de pacificar os cidadãos em diversas áreas, mas também porque seu conselho era frequentemente baseado em seu vasto conhecimento da história.

Zhang Chang tinha um amigo chamado Yang Yun que era muito arrogante e muitas vezes fez comentários negativos sobre o governo do imperador. Um dia, Yang criticou severamente o imperador e foi condenado à morte. Naqueles tempos, os parentes e amigos de pessoas condenadas também eram punidos e às vezes perdiam suas posições.

Um dia, Zhang Chang encarregou um de seus assistentes, Xu Shun, de investigar um roubo. Pensando que Zhang em breve perderia sua posição, Xu Shun se recusou a cumprir a tarefa e voltou para casa para dormir, mas não sem antes comentar a outra pessoa: “Eu tenho trabalhado para o governador Zhang por anos. Agora, ele está em apuros. Em cinco dias, ele não será mais o governador do distrito. Por que eu deveria ouvi-lo?”

Sabendo disso, Zhang Chang ficou tão furioso e magoado que matou Xu Shun. Muitos debateram se a punição era muito severa para o crime. Os parentes de Xu Shun apelaram ao imperador e pediram que Zhang Chang fosse condenado à morte em retribuição. O imperador não teve escolha senão punir Zhang de alguma forma e, por isso, o demitiu do cargo.

Meses depois, Zhang renunciou e o distrito voltou ao estado de caos. Ninguém soube como ou foi capaz de pacificar a área. Por fim, o imperador enviou um mensageiro a Zhang Chang pedindo-lhe que voltasse para ser reintegrado.

No caminho para o palácio, Zhang escreveu uma carta ao imperador esclarecendo o incidente. Ele descreveu sua relação com Xu Shun, que sempre fora muito gentil com ele e o promovera várias vezes, mas Xu virou as costas para ele, porque pensou que Zhang estava perdido. Ele também escreveu como Xu espalhou boatos sobre ele.

Porque Xu Shun traiu a pessoa que foi gentil com ele ou ‘mordeu a mão que o alimentava’, Zhang disse que matou Xu como um exemplo, a fim de impedir esse tipo de comportamento. Posteriormente, Zhang Chang pôs fim ao caos e a paz reinou no distrito mais uma vez.

As palavras de Zhang Chang são usadas para descrever o comportamento de Xu Shun e “morder a mão que o alimenta” tornou-se um dizer amplamente utilizado para descrever pessoas ingratas.

Nota:

1. O “Livro de Han Antigo”, também conhecido como “História de Han Antigo”, é uma obra clássica da história chinesa, que abrange o período Han Ocidental, de 202 a.C. a 9 d.C. Ele foi terminado em 111 d.C., principalmente por eruditos da família Ban. Outro texto clássico da história chinesa sobre a Dinastia Han é o “Livro de Han Posterior”, escrito por Fan Ye e que abrange o período Han Oriental, de 25-220 d.C.

 
Matérias Relacionadas