Moradores de Xangai temem os custos crescentes do lockdown

“Depois de abrirmos a cidade, o grave impacto dos problemas sociais causados ​​pela atual epidemia será muito maior do que a própria epidemia”

Por Joyce Liang 

Xangai continua sofrendo sob estritos lockdowns provocados pela política COVID-zero do regime, com muitos preocupados em como isso afetará a economia.

O lockdown está acontecendo para muitos dos 26 milhões de habitantes da cidade há quase três semanas. Uma medida para toda a cidade foi anunciada em 3 de abril.

Shi Lei (pseudônimo) vive em uma “área de controle fechada” devido a vários casos positivos da Ômicron encontrados em seu bairro. Ela não pode ir ao seu local de trabalho para uma das principais empresas da China.

“Se isso continuar, o setor privado não será capaz de aguentar, e definitivamente perderemos nossos empregos”, disse Shi ao Epoch Times. “Já estamos com um fluxo de caixa apertado”.

As autoridades em 11 de abril dividiram a cidade em três áreas: uma área de controle fechada, uma área de controle e uma área de prevenção. Em 12 de abril, existem mais de 10.000 zonas de controle fechadas, envolvendo 15 milhões de pessoas; mais de 2.000 zonas de controle, envolvendo 1,78 milhão de pessoas; e 10.000 zonas de precaução, envolvendo 4,8 milhões de pessoas.

Mesmo que seja uma área chamada de precaução, regras rígidas de prevenção à COVID estão em vigor.

Wang Hao (pseudônimo), um instrutor de socorro de emergência que vive no distrito de Puxi, disse que o que estava ocorrendo não atende bem à posição de Xangai como centro econômico da China.

“Não será apenas sobre o desemprego dos trabalhadores de colarinho branco da cidade, mas uma questão de quantos anos a economia de todo o país ficará para trás”, disse Wang ao Epoch Times em 11 de abril. 

Visão geral durante um lockdown da COVID-19 no distrito de Jing'an, em Xangai, em 8 de abril de 2022 (Hector Retamal/AFP via Getty Images)
Visão geral durante um lockdown da COVID-19 no distrito de Jing’an, em Xangai, em 8 de abril de 2022 (Hector Retamal/AFP via Getty Images)

Apesar das medidas rígidas de controle, os casos da Ômicron aumentaram com a Comissão de Saúde de Xangai anunciando que mais de 200.000 pessoas foram infectadas.

As autoridades de Xangai emitiram mais avisos em 13 de abril para fortalecer ainda mais a gestão da ordem social durante a pandemia.

Um grande número de casos são assintomáticos, algo que não passou despercebido para Wang.

As restrições de prevenção em andamento podem ser consideradas “apenas um jogo, uma campanha política”, disse ele.

As medidas das autoridades não serão eficazes, pois negligenciam as regras da medicina e da economia, disse ele.

O comitê de saúde da China divulgou dados diários em 14 de abril, alegando que havia 3.486 novos casos confirmados e nenhum caso grave relatado. Entre eles, Xangai teve 3.200 novos casos locais, enquanto que o relatório anterior mostrou 1.189 casos em 12 de abril. Autoridades reconheceram em uma coletiva de imprensa que o surto em Xangai está aumentando rapidamente, com a transmissão comunitária ainda não efetivamente contida e se espalhando para várias províncias e cidades.

Dada a prática do regime de falsificar os números da pandemia, não há como saber a situação real, mas é provável que seja mais grave.

Shi disse que eles precisam retornar a algum senso de normalidade.

“Chegou em um ponto em que temos que conviver com o vírus”, disse Shi.

“Não precisamos gastar tantos recursos materiais e financeiros para isolar a cidade”, disse ela.

“Depois de abrirmos a cidade, o grave impacto dos problemas sociais causados ​​pela atual epidemia será muito maior do que a própria epidemia.”

Um funcionário entra em um hospital improvisado que será usado para pacientes com coronavírus, em Xangai, em 7 de abril de 2022 (STR/AFP via Getty Images)
Um funcionário entra em um hospital improvisado que será usado para pacientes com coronavírus, em Xangai, em 7 de abril de 2022 (STR/AFP via Getty Images)

Desde o final de março, moradores desesperados buscam ajuda online com relatórios envolvendo fome, falta de cuidados médicos, suicídios e separação forçada mãe-filho.

Muitos estão preocupados com o acesso aos alimentos.

Um vídeo de um homem em uma comunidade de Xangai gritando: “Não comemos há dois dias, qualquer pessoa de bom coração pode ajudar?” foi postado no Twitter em 9 de abril.

Em outro vídeo que circula online, moradores de Xangai confrontam agentes de segurança, alegando que estão isolados há nove dias e não têm comida.

 
Matérias Relacionadas