Mitos e lendas da China ganham vida com Shen Yun (5 de 9)

2012/08/05

Viajando: o Rei Macaco, um Taoista muito talentoso, e Pigsy, um notório mulherengo, unem-se a um monge chinês em sua jornada à Índia em busca das sagradas escrituras e iluminação. (Vivian Song/The Epoch Times)Arte Divina – Uma janela para a genialidade do Shen Yun Performing Arts, Parte 5

Perdida no Ocidente, a essência de uma antiga cultura renasce no Oriente. Esta é a 5ª parte de uma série composta de nove artigos que explora a cultura chinesa tradicional a fim de revelar um entendimento mais profundo da genialidade da companhia de dança chinesa clássica localizada em Nova Iorque, o Shen Yun Performing Arts.Shen Yun dá o sopro de vida aos personagens e contos históricos da China

Ao longo dos últimos 5.000 anos, a China acumulou um legado diversificado de heróis, personagens, mitos e lendas, e é neste tesouro rico que o Shen Yun Performing Arts se inspira.

A empresa nova-iorquina de ‘Performing Arts’ leva estes contos atemporais da China antiga e apresenta-os ao público mediante a dança clássica chinesa.

O grande general Yue Fei, o Rei Macaco, Jornada Para o Oeste, O Imperador Amarelo, a Guerreiros de Terracota – o Shen Yun já representou todos eles.

Mas não é que estas são apenas histórias de entretenimento – é a ética e as tradições retas incorporados pelos personagens que Shen Yun também pretende retratar. Na China antiga, adotar valores como honra, lealdade, altruísmo, buscando a excelência, a tolerância e a piedade filial (respeito pelos pais) era um modo de vida.

Por exemplo, Hua Mulan, que acreditam ter vivido em algum momento durante as dinastias do Norte e do Sul (386-589 d.C.), se disfarçou de homem e foi para a guerra no lugar de seu pai, pois temia que ele não iria sobreviver ao combate.

Ela lutou ao lado de seus colegas do sexo masculino por 12 anos, e ninguém descobriu o seu segredo. Após o fim da guerra, o imperador concedeu honras a Mulan e queria fazer dela uma oficial de alta patente, mas ela recusou, preferindo voltar para casa cuidar de seus pais idosos.

A lenda de Mulan inspirou o Shen Yun na dança Mulan Ingressa na Batalha.

Shen Yun também contou a lenda de Wu Song, um famoso personagem do romance clássico Bandidos do Pântano, que salvou uma aldeia de um tigre saqueador, embora ele tivesse bebido um pouco demais naquele dia.

Outro favorito do Shen Yun é a história de Li Bai (701-762 a.C.), sem dúvida, o maior poeta chinês de todos os tempos.

Conhecido como o “Poeta Transcendente”, o trabalho de Li Bai teve seu epítome com o clássico poema Dinastia Tang. Li Bai era um espírito errante, e suas viagens por toda a China o levaram para a companhia dos Taoistas, homens literários, e altos funcionários, os quais o admiravam muito. Ele deixou para trás 20 volumes de escrita e cerca de 900 poemas.

A Visão de Le Zun

A peça do Shen Yun chamada Um Sonho de Dunhuang é uma dedicação ao legado das Grutas de Mogao, também conhecidas como as “Mil Cavernas de Buda”, lar de uma das coleções mais notáveis de pinturas e estátuas budistas do mundo.

A história conta que no ano 366 a.C. durante a Dinastia Tang, um monge budista chamado Le Zun, que fazia uma longa viagem até o Paraíso Ocidental, parou nas montanhas Sanwei perto de Dunhuang para descansar um pouco. Lá, ele teve uma visão gloriosa do Buda Maitreya dourado flutuando no céu. Mais de mil Budas apareceram cercados por fadas que voavam tocando música celestial.

Le Zun tinha aprendido a pintar e esculpir, e por isso usou suas habilidades para recriar sua visão e encheu uma caverna com pinturas e estátuas da cena divina. Alguns anos mais tarde, outro monge teve uma visão idêntica no mesmo lugar, e encheu outra caverna com obras de arte retratando o que viu.

Mogao rapidamente se tornou um local de peregrinação. Ao longo dos anos, mais de 500 cavernas foram escavadas na montanha Sanwei, muitos deles durante a Dinastia Tang. Hoje, as cavernas possuem algumas das obras mais belas da Dinastia Tang, incluindo a estátua de 30 metros do Buda Maitreya, uma das mais altas do mundo.

Retratar com sucesso essas lendas da rica história da China não é tarefa fácil, e é aí que a dança clássica chinesa assume seu papel.

No interior da dança chinesa estão as maiores tradições culturais da China, o que permite que seus movimentos sejam ricamente expressivos de modo que mesmo as personalidades e sentimentos de personagens possam ser retratados com clareza e precisão.

Por meio da dança, o general Yue Fei mostra sua bravura e lealdade, Chen Xiang parte uma montanha para salvar sua mãe, o Rei Macaco e Pigsy escapam de outra situação arriscada, delicadas flores Udumbara florescem e Guerreiros em Terracota despertam do pó.

Enquanto o Shen Yun se prepara para outra turnê mundial, continuando com seu renascimento das artes e cultura chinesa tradicionais, o público pode esperar para ver mais dos personagens mais interessantes da China subir ao palco.

O Epoch Times orgulha-se de patrocinar o Shen Yun Performing Arts, que irá se realizar um programa inteiramente novo em 2012 no Lincoln no Centro de David H. Koch Theater entre 11 e 15 de janeiro. Para saber mais sobre o Shen Yun Performing Arts e a cultura chinesa, veja o calendário de 2012 do Shen Yun na tour mundial de 2012, e para informação sobre os tickets, por favor, visite www.shenyunperformingarts.org

Ir para:

Dança étnica chinesa: uma janela para a diversidade da China (4 de 9)