Ministros canadenses e chineses se reúnem em meio a tensões e prometem continuar conversações

Por Reuters

OTTAWA – A chanceler canadense, Chrystia Freeland, disse no dia 2 de agosto que encontrou com sua contraparte chinesa, Wang Yi, para discutir as tensões após a prisão da executiva da Huawei Technologies em dezembro,  após um mandado dos Estados Unidos e a subsequente detenção de dois canadenses pela China.

“O fato de podermos falar e discutir essas questões face a face, diretamente umas com as outras, é absolutamente um passo positivo”, disse Freeland em uma teleconferência de Bangcoc, onde participa de uma cúpula anual do Leste Asiático.

Freeland disse que os dois ministros “se comprometeram em continuar as discussões”, mas ela deu poucos detalhes sobre a conversa.

“Nosso relacionamento com a China é complicado no momento, e estou convencido (…) de que o caminho mais seguro para um resultado bem-sucedido é não estarmos negociando em público”, acrescentou ela.

Foi o primeiro encontro entre os dois desde que o Canadá deteve a diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou – filha do fundador da empresa chinesa – em dezembro. Pequim está exigindo seu retorno.

Ela está enfrentando uma possível extradição para os Estados Unidos para enfrentar acusações de ter conspirado para defraudar bancos globais durante um relacionamento da Huawei com uma empresa que opera no Irã.

“O ministro Wang expressou preocupações com relação ao processo de extradição de Meng Wanzhou”, disse Freeland, sem dar mais detalhes.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse em dezembro que estava disposto a intervir no caso do Departamento de Justiça no que diz respeito à Meng, se isso servisse aos interesses de segurança nacional ou ajudasse a fechar um acordo comercial com a China.

Depois que Meng foi detida em Vancouver, a China deteve os canadenses Michael Spavor e Michael Kovrig e depois os acusou de espionagem.

Canadians Michael Spavor (L) and Michael Kovrig
Os canadenses Michael Spavor (Esq) e Michael Kovrig foram detidos na China desde que o Canadá prendeu a diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, em Vancouver, em dezembro de 2018 (AP Photo)

Freeland disse que expressou as preocupações do Canadá com os dois homens “que foram arbitrariamente detidos na China”.

O problema incômodo de Trudeau

A disputa diplomática se intensificou nos últimos meses e é um problema persistente para o primeiro-ministro liberal, Justin Trudeau, que enfrenta uma disputa apertada pela reeleição em outubro.

Em junho, a China bloqueou todas as importações de carne canadense depois que documentos fraudulentos foram descobertos. Os importadores chineses também pararam de comprar canola canadense.

Trudeau, que falou brevemente com o líder chinês Xi Jinping nos bastidores de uma cúpula do G20 no Japão em junho, enfrentou repetidos ataques do líder conservador Andrew Scheer, seu principal rival, sobre sua forma de lidar com o caso.

Na sexta-feira, Scheer disse que a reunião de Freeland com seu colega chinês foi “um passo muito básico” dado que os homens foram detidos no início do ano.

Em uma carta que ele escreveu a Trudeau no mês passado, Scheer pediu ao governo que tome contramedidas duras, incluindo a análise de tarifas retaliatórias.

Por Steve Scherer

 
Matérias Relacionadas