Ministro das Relações Exteriores do Japão expressa ‘sérias preocupações’ ao homólogo chinês

Por Frank Yue

O ministro das Relações Exteriores do Japão, Toshimitsu Motegi, entrou em confronto com seu homólogo chinês Wang Yi em uma conversa telefônica em 5 de abril sobre uma série de questões, antes da visita do primeiro-ministro Yoshihide Suga a Washington para fortalecer os laços Japão-EUA em 16 de abril.

Motegi criticou o comportamento da China em águas disputadas, a situação dos direitos humanos em Xinjiang e os problemas em Hong Kong em uma conversa de 90 minutos por telefone com Wang.

Ao confirmar com Wang a importância de contribuir para a região e a comunidade internacional, Motegi expressou “sérias preocupações” sobre a invasão das Ilhas Senkaku (também chamadas de Ilhas Tiao-yu em Taiwan e Ilhas Diaoyu na China continental) pela Guarda Costeira Chinesa e também sobre o Mar da China Meridional, Hong Kong e a situação dos direitos humanos em Xinjiang durante a conversa mais longa do que o esperado.

Do lado chinês, entretanto, Wang disse que as questões relacionadas a Hong Kong e Xinjiang são assuntos internos da China, e ele esperava que o Japão não fosse liderado por países que se opõem ao Partido Comunista Chinês (PCC).

O Japão não deve esticar a mão “muito longe”, disse ele.

Em 6 de abril, um grupo multipartidário de legisladores japoneses pediu uma lei que permitisse sanções por violações de direitos humanos em sua reunião inaugural. Akihisa Nagashima, legisladora do Partido Liberal Democrata, disse na reunião que graves violações dos direitos humanos estão ocorrendo em todo o mundo.

“O mundo está se concentrando cada vez mais em como o Japão, cuja constituição enfatiza os direitos humanos, responderá”, disse ele.

O secretário-chefe de gabinete, Katsunobu Kato, também expressou que o Japão deve avaliar constantemente a necessidade de sua própria lei de sanções, em uma coletiva de imprensa em Tóquio.

Atualmente, o Japão carece de uma estrutura legal para impor sanções aos abusos de direitos humanos.

É raro o Japão criticar a China publicamente, especialmente em termos de direitos humanos. Por décadas, o Japão manteve cautelosamente seu relacionamento com o regime comunista, seu principal parceiro comercial.

No entanto, o governo japonês tem criticado cada vez mais as práticas do PCC em Xinjiang, Hong Kong, e em águas disputadas. Em 1º de fevereiro, entrou em vigor a polêmica lei da guarda costeira da China, que permite que suas autoridades marítimas abram fogo contra navios estrangeiros, se necessário.

Jun Tsuruta, professor associado de direito internacional da Universidade Meiji Gakuin, acredita que a Guarda Costeira da China representa um desafio para o Japão porque a China não forneceu uma definição clara de suas águas jurisdicionais em um sentido geográfico, de acordo com um artigo de 6 de abril em The Japan Times .

Ele suspeita que “a China está fazendo reivindicações sob sua própria interpretação das zonas marítimas além do que afirma a UNCLOS” e considera a Guarda Costeira da China como uma agência de aplicação da lei marítima e também uma agência militar, após examinar o texto da lei em detalhes. UNCLOS significa a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar.

Em 4 de abril, o Ministério da Defesa do Japão disse que o porta-aviões chinês Liaoning havia, um dia antes, navegado entre as ilhas de Okinawa e Miyakojima para entrar no Oceano Pacífico, a primeira vez que um navio chinês cruzou as águas desde abril do ano passado.

Em 16 de março, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e o secretário de Defesa Lloyd Austin, visitaram Tóquio para uma reunião ministerial com Motegi e o ministro da Defesa, Nobuo Kishi.

Na reunião, as autoridades uniram forças para criticar o comportamento da China, que apresenta vários desafios para a aliança EUA-Japão e para a comunidade internacional.

O Japão foi o primeiro destino das viagens de autoridades americanas ao exterior sob o governo Biden.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas