Ministério de Segurança da China está operando no Vale do Silício

Vale do Silício tem sido um covil de atividades de espionagem desde os anos 70 e 80

Por Bowen Xiao

O Ministério de Segurança do Estado (MSS) do regime chinês e os serviços de inteligência da Rússia estão executando operações de espionagem no Vale do Silício, diz o ex-oficial de inteligência naval norte-americano John Jordan.

Segundo Jordan, as redes de espionagem MSS e russas estão ativas no Vale do Silício desde a década de 1970. Inicialmente, as redes russas concentraram-se no avanço dos interesses soviéticos para a espionagem política e militar, particularmente em torno de uma base naval em Alameda e de uma base do Exército no Presidio.

As operações chinesas, por outro lado, continuaram inabaláveis. Seu foco está no roubo de tecnologia, com o objetivo de longo prazo de ajudar o Partido Comunista Chinês a alcançar e superar os Estados Unidos tecnologicamente e economicamente. Com o tempo, as operações russas também mudaram o foco de forma semelhante às operações chinesas, disse Jordan.

No ambiente atual, disse ele, o MSS chinês está envolvido em muitas operações para roubar a inovação dos Estados Unidos, e inclui o uso de associações de estudantes chinesas controladas, investimento estrangeiro, recrutamento de inovadores e outros métodos.

O seguinte jogo de perguntas e respostas é de uma entrevista com Jordan.

Joshua Philipp: Eu não ouvi falar do Ministério de Segurança do Estado operando no Vale do Silício. Eu sei que eles fazem operações da United Front, onde eles têm empresas de fachada ou grupos de estudantes, ou “investidores”, indo lá e procurando por tecnologia para trazer de volta para a China. Mas, no Ministério da Segurança do Estado, o que você sabe sobre isso?

John Jordan: Bem, você nunca associaria a Califórnia a operações de espionagem russas e chinesas, mas o fato é que o Vale do Silício tem sido um covil de atividades de espionagem desde os anos 70 e 80. Foi quando a Bay Area – havia uma grande base naval em Alameda e uma grande base do Exército no Presidio – os russos fora de Washington sempre investiram mais recursos, primeiro dirigidos pela KGB no norte da Califórnia, do que qualquer outra parte do território dos Estados Unidos.

Então, passamos para o surgimento da China como uma potência mundial na era pós-Guerra Fria e a rápida expansão econômica da China. E diferentemente dos russos, cujos interesses eram, na época, apenas militares e políticos – mas principalmente militares – na Bay Area, a China passou a entender o poder da inovação no Vale do Silício, e as tecnologias que vieram de lá foram uma grande peça para empreendimentos na economia chinesa no século 21. E os chineses adotaram uma ampla gama de estratégias que, em muitos aspectos, são muito mais sofisticadas do que qualquer coisa que os russos fizeram ou estão fazendo hoje.

Philipp: O que você diria que seria a principal diferença entre a natureza das operações de inteligência russas e as operações de inteligência chinesas?

Jordan: Os esforços russos sempre foram muito tradicionais. As armadilhas com garotas – “armadilhas de mel”, como são chamadas no mercado – dirigidas de maneira muito direta, seja em busca de informações específicas ou tecnologia específica, quando os agentes no local recebem tarefas muito específicas. O pensamento russo sobre isso está se transformando agora, e está cada vez mais seguindo o modelo chinês.

Mas o modelo chinês é muito mais abrangente. Seus esforços para penetrar na sociedade americana  e obter tecnologias são feitos de iúmeras maneiras diferentes. Existem 300 mil estudantes chineses nos Estados Unidos, e praticamente todos eles estão tendo uma forte base de ciência, uma das disciplinas STEM – ciência, tecnologia, engenharia ou matemática. Eles não estão se especializando em indignação psíquica ou justiça social ou qualquer coisa do tipo nos campus americanos de hoje.

Além disso, há investidores que chegam ao Vale do Silício para contratar talentos que queiram ir trabalhar na China, inovadores para ir trabalhar na China. Eles também querem comprar empresas no Vale do Silício.  Também existem as Associações Estudantis Chinesas (CSSAs), que são administradas por embaixadas e consulados chineses nos Estados Unidos que mantêm o controle sobre os estudantes chineses, encorajando-os a ficar de olho nelas – seja lidando com o Falun Gong ou tibetanos. Mas eles também se fazem presentes em suas vidas, e essa é outra grande parte do crescimento dessas tecnologias. Os chineses querem comprar, devolver e cultivar, enquanto os russos, historicamente, sempre quiseram simplesmente dar uma mordida aqui e uma mordida lá.

Philipp: Esse é um tópico interessante porque eu diria que uma das razões pelas quais muitas pessoas não conseguem entender as operações de espionagem chinesas é porque muitos desses espiões não são espiões oficiais, certo? Você mencionou as Associações Estudantis Chinesas. Isto é, obviamente, operadas através dos consulados, financiadas muitas vezes através dos consulados… é tudo feito com a intenção de tê-los aprendendo coisas que eles podem trazer de volta para a China, ou intencionalmente colocando-os em posições chave no governo ou negócios onde eles podem “servir o seu país”, seja permanecendo no local ou retornando à China.

É a mesma coisa com o roubo econômico. Muitas pessoas que roubam, pelo que eu entendo, não são necessariamente os principais espiões, mas sim pessoas sendo manipuladas pelos espiões. Muitas vezes, elas só precisam roubar uma ou duas coisas, o que dificulta processá-las. É isso que você está  mencionando também?

Jordan: É. Anéis de espionagem bem-sucedidos são executados quando os manipuladores conseguem operar vários agentes no local e, certamente, o modelo chinês tem segurança em números. Uma das outras diferenças entre os esforços chineses e os esforços russos é que a China tem o know-how industrial e tecnológico, de dentro da China, para usar muitas dessas tecnologias e integrá-las em fábricas e processos de construção e coisas desse tipo de natureza; onde os russos realmente não possuem. A economia da Rússia é menor que a do Texas, já a China é verdadeiramente uma potência econômica e é capaz de digerir com sucesso muitas dessas tecnologias.

Philipp: Existem dois ângulos sobre os quais podemos entrar. Uma é que nós demos à China nossas fábricas, nós lhes demos o know-how de manufatura, certo? Em termos das áreas de guerra industrial, onde você está fornecendo canais para estabelecer o know-how de produção e você está fazendo pessoas que são capazes de produzir – você precisa desenvolver as cadeias de suprimentos, você precisa desenvolver os sistemas para fabricar estruturas de gerenciamento para esses sistemas. Não é fácil simplesmente sair e construí-los a partir do nada, nós lhes demos isso.

A outra parte interessante é a natureza de como a informação é roubada e transferida. Sei que a China tem centros de transferência de tecnologia que, depois dos roubos, se transformaram em organizações afiliadas à universidade especializadas em tecnologia de engenharia reversa.

Você mencionou as diferenças entre os métodos russo e chinês de roubar tecnologia, e há uma história interessante aí. Quais são seus pensamentos sobre isso?

Jordan: A Rússia está saindo de uma sociedade feudal – você pode argumentar que ela ainda é uma em muitos aspectos. Mas em termos de integrar e fazer parte do Vale do Silício e facilitar essas transferências de tecnologia, a China tem sido muito bem sucedida. Isso não significa que a economia chinesa, em muitos aspectos, aproveitou totalmente isso. Eles tiveram sucesso, mas a China ainda tem alguns desafios muito reais em termos de usar algumas dessas tecnologias e torná-las armas eficazes que podemos discutir no sentido militar.

O PLA [Exército de Libertação do Povo] tem alguns grandes desafios a esse respeito, em grande parte porque ainda é um recruta militar. Mas eles foram bem-sucedidos e é algo para nós assistirmos e sermos cautelosos, como americanos.

Em 1996, a Lei de Espionagem Econômica foi aprovada e ninguém foi condenado até 2004. Pela primeira vez, esta lei criminaliza não apenas a venda de segredos de segurança nacional por membros do governo, mas também o roubo e a revenda de tecnologias do setor privado. Houve alguns processos de grande repercussão na Califórnia, no tribunal distrital, mas ainda há um longo caminho pela frente. A aplicação da lei ainda tem muito o que melhorar.

Philipp: Estou interessado no ângulo militar do recrutamento. Você mencionou que é uma das razões pelas quais as forças armadas chinesas não são tão eficazes quanto talvez pensemos. Você pode explicar?

Jordan: As forças armadas chinesas não são tão eficazes quanto parecem em grande parte no Ocidente, e em grande parte pelas mesmas razões pelas quais os militares russos tiveram seus desafios na Guerra Fria. Especificamente, quando você tem alguém em um exército por dois anos, ele não consegue realmente aprender a operar todas as tecnologias, aprender a trabalhar em equipe e ter esse tipo de experiência prática antes que ele saia.

Dentro das forças armadas dos Estados Unidos, mesmo sendo uma pessoa alistada, o tempo médio [de serviço] é de quatro a sete anos, e muitas pessoas fazem carreiras inteiras com isso. Na sociedade americana, estar no exército é visto como uma profissão honrosa. Isso é desejável. É difícil entrar em uma academia de serviço ou conseguir uma comissão militar.

Em Pequim, todos parecem querer uma fatia maior do bolo, então eu tenho dificuldade em ver o Ministério da Segurança do Estado não sendo ambicioso em termos de almejar um papel tão grande quanto possível.

Philipp: O Ministério da Segurança do Estado é do lado do governo. Se falarmos sobre os inúmeros ataques cibernéticos, muito disso é feito pelo lado militar. … O governo espiona e os espiões militares do sistema chinês, eles não se dão bem, pelo que me disseram. Na verdade, eles até sabotam um ao outro e lutam entre si.

Jordan: A China tem uma vantagem, na medida em que há uma população chinesa na Bay Area. A língua chinesa é quase impossível para os anglófonos aprenderem, e há uma real escassez de pessoas fluentes em chinês, sem falar daqueles que completaram o processo de verificação para operações de inteligência e contrainteligência. Então, isso está enlameando as águas – os processos tornam-se muito difíceis, assim como a criação de uma linha de espionagem.

Esta entrevista foi editada para maior clareza e brevidade.

 
Matérias Relacionadas