Minas de ouro em Gana sugerem grande crise para o modelo de desenvolvimento da China

Exportação do “modelo chinês” encontrará cada vez maior resistência
Trabalhadores drenam a água poluída perto da mina de cobre Zijin em Shanghang após a poluição da mina contaminar o rio Ting, uma importante via fluvial na província de Fujian, sudeste da China. Poluição como essa tem sido uma marca registrada do “modelo chinês” de desenvolvimento econômico e o regime chinês quer exportá-lo para o mundo (STR/AFP/Getty Images)

Um anúncio recente de oficiais chineses que Gana liberará os cidadãos chineses detidos por garimpo ilegal e lhes concederá retorno seguro para a China parecia pôr fim a essa crise. Na verdade, os chineses ainda estão escondidos, a questão da mineração ilegal de ouro realizada por chineses em Gana não foi resolvida e as tensões continuam a aumentar entre a China e os países africanos com pesados investimentos, juros e influência chineses.

A maioria da informação sobre a prisão dos mineiros chineses vem de três fontes: da comunidade chinesa em Gana, das autoridades de Gana e das autoridades chinesas. As três fontes concordam que a razão para a repressão é a mineração de ouro em pequena escala feita por imigrantes chineses ilegais – pois estrangeiros, muito menos imigrantes ilegais, não têm autorização para conduzir esse tipo de atividade.

Mineiros chineses queixaram-se de sofrerem violência e roubo das forças armadas, da polícia e de outras pessoas não identificadas, coisas que o governo de Gana nega. Muitos mineiros ainda estão na clandestinidade, temendo por sua segurança e por suas vidas. Eles também se queixaram de que a embaixada chinesa não lhes deu ajuda suficiente – se é que ajudaram em qualquer coisa.

Há outros problemas com a mineração de ouro além do status de imigração dos mineiros chineses. Os chineses tendem a contratar seus parentes e amigos da China, também imigrantes ilegais, em vez de locais. Quando os habitantes locais são contratados, eles recebem muito menos do que seus colegas de trabalho chineses.

Os ganenses também reclamaram sobre a poluição da água e da terra causada pela mineração. A tensão entre os mineiros chineses e os locais, alguns dos quais são gângsteres, chegou a tal ponto que muitos mineiros compraram armas no mercado negro para se protegerem.

Problemas na África

Mineiros ilegais não são o único problema entre a China e a África. Em Gana, seis grandes empresas chinesas mineram ouro legalmente. Em outros países africanos, mais empresas estatais chinesas operam campos de petróleo, construção civil e outros empreendimentos.

Estas grandes empresas chinesas foram acusadas de abusar dos direitos laborais e causar danos ambientais. Empresas e indivíduos chineses, legais ou ilegais, não fazem isso intencionalmente contra os países africanos ou sua população. Eles têm agido dessa maneira na China por várias décadas. De fato, eles não conhecem outra maneira.

Tome como exemplo os garimpeiros chineses em Gana. A maioria deles é da mesma área, do condado de Shanglin, na província de Guangxi, que faz fronteira com o Vietnã, no sul da China. Shanglin é um lugar com terras muito limitadas, mas rico em ouro. As pessoas de Shanglin têm uma tradição de minerar ouro por gerações.

Durante a década de 1990, quando o ouro de Shanglin foi esgotado, sua população emigrou para outras áreas, principalmente para a província de Heilongjiang no extremo nordeste da China, para continuar seu trabalho de prospecção e mineração de ouro. Suas práticas de negócios em Gana são as mesmas usadas na China.

De acordo com o China Daily, a principal razão para a repressão seria a falta de consciência jurídica dos mineiros chineses. Isto é provavelmente verdade, se for visto superficialmente. Mas, exceto pela questão de sua imigração ilegal para Gana, seu comportamento na China era o mesmo. Por que eles não tiveram problemas na China?

Nos últimos 30 anos ou mais, desde a reforma e abertura liderada por Deng Xiaoping, o desenvolvimento econômico tem sido o único critério na China para avaliar o desempenho dos funcionários do Estado e do Partido Comunista Chinês.

Enquanto o trabalho traz riqueza e valores elevados do PIB para o governo local e também enche os bolsos dos oficiais locais, então, a poluição da água não é problema. Destruir a terra não é problema. Leis e regulamentos governamentais não são problema – e tudo pode ser facilmente resolvido com suborno.

É assim que os negócios são feitos na China. Esse é o “modelo chinês”.

Custos

O modelo chinês é baseado em três custos: sacrifício dos direitos humanos, incluindo os direitos trabalhistas; esgotamento dos recursos naturais e danos ao meio ambiente.

Na China, sindicatos independentes e organizações dedicadas aos direitos trabalhistas não são permitidos. Isso ajudou a garantir que os custos trabalhistas na China sejam os mais competitivos do mundo. Há também milhares de trabalhadores sem custo nas prisões e campos de trabalhos forçados chineses.

Outros exemplos não faltam. Os tibetanos acreditam que os recursos minerais são de propriedade do Buda. Eles, portanto, não podem ser escavados, especialmente aqueles sob as montanhas sagradas. Por muitos anos, empresas estatais chinesas de mineração têm realizado mineração destrutiva no Tibete, incluindo o uso de explosivos nas montanhas sagradas. Quando os tibetanos tentam protestar, eles são impiedosamente reprimidos.

De acordo com o escritor e ativista tibetano Tsering Woeser, nas cidades de Chamdo, Maizhokunggar, Lhunzhub, Dagze e Namling, muitos tibetanos foram perseguidos ou condenados à prisão por protestarem contra a mineração em suas montanhas sagradas e contra a poluição de seus rios e lagos sagrados. Em vários incidentes, manifestantes tibetanos foram mortos a tiros. Na Mongólia Interior, pelo menos dois nômades foram mortos por protestarem contra a mineração de carvão e a poluição.

Na China, 118 cidades foram identificadas como economias que dependem principalmente da exploração dos recursos naturais. Até 2009, 45 delas foram designadas como cidades com recursos esgotados. O número real pode ser maior. Em relação à água e à poluição do ar, após as experiências dos últimos anos, muitos chineses se tornaram especialistas autodidatas em ciência ambiental.

Conquistando a natureza

O modelo chinês não é a maneira chinesa. Na cultura tradicional chinesa, os seres humanos devem viver em harmonia com a natureza. É por isso que, após 5.000 anos de civilização, o ambiente da China e seus recursos naturais estavam em sua maioria bem preservados – até o Partido Comunista Chinês (PCC) assumir o poder em 1949.

O PCC promoveu o conceito de conquistar a natureza. Um dos lemas favoritos de Mao Tsé-tung era “lutar com os céus, com a terra e com os seres humanos, isso é a satisfação ilimitada”. A destruição em grande escala da natureza começou em 1958, quando Mao iniciou o Grande Salto para Frente. Nos últimos 30 anos, a situação se tornou muito pior.

Quando as pessoas fora da China falam sobre o modelo chinês, frequentemente elas se esquecem de mencionar os requisitos desse modelo. Todas as organizações de direitos humanos e organizações sindicais independentes devem ser banidas. Toda a terra deve pertencer ao Estado e ser negociada para o lucro do Estado, dos funcionários do Estado e de suas famílias.

Para evitar críticas e monitoramento, todos os grupos ambientais devem ser banidos. Todos os meios de comunicação devem ser controlados para garantir que a voz das vítimas não seja ouvida. Todas as religiões devem cooptar. Assim, a consciência individual não é um problema e a maioria da população aceitará que o dinheiro é a única coisa que importa.

Por fim, mas não menos importante, o regime precisa construir prisões e campos de trabalho suficientes para se certificar de que manifestantes e opositores sejam colocados atrás das grades ou “reeducados”. Para tornar isso possível, é preciso ter um sistema legal servil que siga apenas as políticas do PCC e ignore totalmente as leis.

Quantos países são capazes de atender essas exigências e copiar o modelo chinês? Independentemente da penetração do regime chinês no mundo ser chamada de neocolonialismo ou outro nome, seu poder está em expansão em todo o mundo. Por um lado, essa expansão destrutiva continuará com ou sem mineiros ilegais em Gana. Por outro lado, o modelo chinês encontrará cada vez maior resistência e o repelão em Gana certamente não será o último caso.

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas