Militar do exército morre em combate no Rio de Janeiro

A guerra que está em curso no país faz mais uma vítima. O cabo Michel Augusto Mikami tinha apenas 21 anos de idade e era da cidade de Vinhedo – SP. O militar, apesar de ser jovem, era experiente. Servia no 28º Batalhão de Infantaria Leve e já participou de missões no Haiti.

Leia também:
Policiais de Hong Kong pedem desculpas
Estadão faz reportagem com posts privados de policiais federais
Desafio de UPPs é garantir que policiais respeitem direitos humanos, diz conselheiro

O cabo tirava serviço quinta-feira (27) no complexo da Maré, no Rio de Janeiro. Michel fazia um patrulhamento com um grupo de militares quando foram alvejados em uma emboscada. Outros militares foram também atacados em outro local do conjunto de favelas. Como estavam em um veículo blindado conseguiram escapar ilesos.

Cabo Michel Augusto Mikami tinha apenas 21 anos de idade (Reprodução)
Cabo Michel Augusto Mikami tinha apenas 21 anos de idade (Reprodução)

Quem é o inimigo?

“A maior dificuldade que temos aqui é de atuar contra brasileiros. É diferente das outras operações militares típicas, onde temos um inimigo físico definido, de uniforme. No confronto urbano, nós não podemos ver o inimigo do outro lado. O traficante, o ladrão e os suspeitos estão no meio do povo”

O patrulhamento se torna extremamente perigoso num local como o complexo de favelas carioca, na medida em que não há como saber quem são os criminosos, já que não vestem fardas que os identifiquem como inimigos, como ocorreria em uma guerra, o que está previsto em convenções internacionais. Só no Rio de Janeiro foram mais de 10 policiais baleados apenas essa semana.

Quando morre um soldado, seja do exército, seja da polícia, morre um agente do estado brasileiro, morre uma parte importante das instituições permanentes que subsistem nesse país.

Nota do editor: Ainda essa semana eu estive nas proximidades do local onde Mikami foi baleado. Fui na Refricentro, que fica na Avenida Brasil, revisar o ar-condicionado do carro. Depois que saí da oficina eu precisava ir a um local a cerca de 500 metros dalí, mas para isso teria que passar por dentro da favela. Os mecânicos me advertiram que não passasse de jeito nenhum por dentro da “comunidade”, eu seria assaltado com toda certeza. Acabei dando uma volta de cerca de 8 quilômetros. Tive que retornar no viaduto da Penha. É inadimissível que existam locais públicos onde não podemos passar. Existem locais no Brasil onde vigora um estado de exceção, onde o governo não consegue garantir nosso direito de ir e vir. Isso é algo gravíssimo e mostra a toral imcompetencia e/ou falta de coragem em resolver logo as situações.

Cerimônia de sepultamento do cabo Michel Mikami (Reprodução)
Cerimônia de sepultamento do cabo Michel Mikami (Reprodução)
Cerimônia de sepultamento do cabo Michel Mikami (Reprodução)
Cerimônia de sepultamento do cabo Michel Mikami (Reprodução)

Editado pelo Epoch Times

 
Matérias Relacionadas